Gostou do artigo? Compartilhe!

Doenças cerebrovasculares

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são doenças cerebrovasculares?

As doenças cerebrovasculares são patologias que afetam os vasos sanguíneos1 do cérebro2 e podem danificar o funcionamento e a estrutura dele. Elas acontecem quando as condições de circulação3 do fluxo sanguíneo são dificultadas ou impedidas de forma momentânea ou permanente em uma área do cérebro2, a princípio danificando o funcionamento e, a longo prazo, a própria estrutura desse órgão.

Quais são as causas das doenças cerebrovasculares?

A interrupção do fluxo de sangue4 para regiões do cérebro2 deve-se a uma de duas coisas: (1) interrupções da circulação3 sanguínea em virtude de (a) êmbolos ou (b) trombos5 intravasculares6 ou (2) rompimento de um vaso sanguíneo (a) no interior do cérebro2 ou (b) no espaço subaracnoide. A hipertensão arterial7 é a causa mais importante que pode causar danos ao revestimento dos vasos sanguíneos1. Com a hipertensão8 permanente, os vasos sanguíneos1 se tornam mais estreitos, rígidos, deformados e desiguais, o que os faz mais vulneráveis a danos. Também o colesterol9 alto favorece a formação de placas10 de arteriosclerose11 que podem crescer até interromper parcial ou totalmente a circulação3 local. Principalmente pessoas idosas, diabéticas, fumantes ou com sobrepeso12 que tenham arteriosclerose11 ou doenças do coração13 têm um risco aumentado de doença cerebrovascular14.

Veja mais “Doenças das artérias15”, “Síndrome16 Moyamoya”, “Estatinas: prós e contras” e “Atorvastatina: prós e contras”.

Qual é o substrato fisiológico17 das doenças cerebrovasculares?

Os dois tipos principais de substratos das doenças cerebrovasculares são a isquemia18 e a hemorragia19 cerebral. Há vários motivos para que uma dessas duas coisas aconteça, mas todas resultam em deficiência do suprimento de oxigênio para o cérebro2. A isquemia18, que corresponde a 80% dos casos, decorre de um bloqueio à passagem de sangue4 e de oxigênio para áreas do cérebro2; a hemorragia19, que constitui os outros 20% dos casos, corresponde ao extravasamento de sangue4 na massa cerebral ou na região subaracnoidea.

Há, então, quatro modalidades possíveis de doenças cerebrovasculares:

  1. A trombose20 cerebral, que é um acidente cerebrovascular isquêmico21, que se dá através do estreitamento de algumas das artérias15 cerebrais devido ao aparecimento de um trombo22 (um coágulo23 que se forma na parede) que bloqueia o fluxo de sangue4.
  2. A embolia24 cerebral, que também é um acidente isquêmico21 devido à interrupção da circulação3 por um êmbolo25, ou seja, um coágulo23 que se desprende de algum outro local (geralmente o coração13), cai na circulação3 e chega a uma artéria26 cerebral, obstruindo a circulação3.
  3. Hemorragia19 cerebral ou intracerebral, geralmente ocasionada por um aneurisma27 em alguma artéria26 do cérebro2, ou seja, de uma dilatação anormal em uma zona enfraquecida de um vaso sanguíneo dentro do cérebro2. No momento em que o aneurisma27 se rompe, aparece a hemorragia19 cerebral. Se ele nunca se romper, pode permanecer indefinidamente assintomático.
  4. As hemorragias28 subaracnóideas na maioria das vezes se produzem devido à hipertensão arterial7 não controlada. Neste caso, o derrame29 se localiza no espaço existente entre o cérebro2 e o crânio30, chamado espaço subaracnóideo, sem chegar nunca a se introduzir no próprio cérebro2.

A ocorrência de qualquer dessas possibilidades constitui o que se usa chamar de Acidente Vascular Cerebral31.

Quais são as características clínicas das doenças cerebrovasculares?

A principal doença cerebrovascular14 é o Acidente Vascular Cerebral31 (AVC). O Brasil registra cerca de 68 mil mortes por ano devido a essa patologia32, sendo a primeira causa de incapacidade e de morte. A partir da década de 70, com o avanço da tecnologia médica na área de imagens, com o surgimento da ressonância magnética33 e da tomografia computadorizada34, as doenças cerebrovasculares ganharam novos e mais eficazes meios de diagnóstico35 e tratamento.

Muitas vezes um AVC isquêmico21 se prenuncia de forma leve, por meio do chamado Ataque Isquêmico21 Transitório (AIT), que é a oclusão parcial de um vaso do cérebro2, de efeito temporário. É comum que o AIT anteceda o AVC isquêmico21, mas como os sintomas36 são rápidos e transitórios e podem cessar em sua totalidade, nem sempre são alarmantes o bastante para que o paciente procure uma emergência37. Paralisia38 e dormência39 no braço ou perna, dificuldade para falar e andar estão entre os sintomas36 de quem já sofreu um AIT ou um AVC.

Existem diferentes tipos de AVC e as manifestações clínicas, os recursos terapêuticos e o prognóstico40 são mais ou menos específicos para cada um. Os sintomas36 clínicos dependerão da gravidade da lesão41 ocasionada ao cérebro2 e da localização dela. Em geral, esses sintomas36 acontecem repentinamente e são, entre outros, perda da consciência, adormecimento ou paralisia38 de um lado do rosto e do corpo, dor de cabeça42 muito intensa, convulsões, dificuldade de falar e de caminhar, problemas de visão43 etc. Os planos terapêuticos dependem da natureza do dano cerebral e da sua gravidade e pode variar desde medicações para dissolver os coágulos, até cirurgia para aliviar a pressão intracraniana e/ou clampear o vaso rompido. Quanto mais rapidamente um acidente vascular cerebral31 for tratado, maior a probabilidade de o dano cerebral ser menos grave e melhores as chances de recuperação. Normalmente, a melhora continua por seis meses ou mesmo mais de um ano após o acidente vascular cerebral31. No caso de idosos, o prognóstico40 é pior que nos mais jovens.

Quais são as complicações possíveis com as doenças cerebrovasculares?

Alguns AVCs podem levar à morte de imediato. Os pacientes que sobrevivem podem sofrer depressão, convulsões, quedas e demência44, constituindo, também, uma taxa de mortalidade45 tão alta quanto o câncer46 ou infarto47, e sendo a principal causa de incapacidade em adultos com idade acima de 50 anos. Algumas sequelas48 como distúrbio da fala, paralisias motoras e alterações sobre o equilíbrio podem permanecer para sempre.

Links relacionados: “Tabagismo”, “sedentarismo49”, “Obesidade50”, “Esteatose51 metabólica” e “Síndrome metabólica52”.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares (SBDC) e Mayo Clinic.

ABCMED, 2021. Doenças cerebrovasculares. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1388080/doencas+cerebrovasculares.htm>. Acesso em: 1 ago. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Trombos: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
6 Intravasculares: Relativos ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situam ou ocorrem.
7 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
8 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
9 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
10 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
11 Arteriosclerose: Doença degenerativa da artéria devido à destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial, geralmente produzido por hipertensão arterial de longa duração ou pelo envelhecimento.
12 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
13 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
14 Doença cerebrovascular: É um dano aos vasos sangüíneos do cérebro que resulta em derrame (acidente vascular cerebral). Os vasos tornam-se obstruídos por depósitos de gordura (aterosclerose) ou tornam-se espessados ou duros bloqueando o fluxo sangüíneo para o cérebro. Quando o fluxo é interrompido, as células nervosas sofrem dano ou morrem, resultando no derrame. Pacientes com diabetes descompensado têm maiores riscos de AVC.
15 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
16 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
17 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
18 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
19 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
20 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
21 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
22 Trombo: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
23 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
24 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
25 Êmbolo: 1. Cilindro ou disco que se move em vaivém no interior de seringas, bombas, etc. 2. Na engenharia mecânica, é um cilindro metálico deslizante que recebe um movimento de vaivém no interior de um cilindro de motor de combustão interna. 3. Em artes gráficas, é uma haste de ferro com um cilindro, articulada para comprimir e lançar o chumbo ao molde. 4. Em patologia, é um coágulo ou outro tampão trazido pela corrente sanguínea a partir de um vaso distante, que obstrui a circulação ao ser forçado contra um vaso menor. 5. Na anatomia zoológica, nas aranhas, é um prolongamento delgado no ápice do aparelho copulador masculino.
26 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
27 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
28 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
29 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
30 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
31 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
32 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
33 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
34 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
35 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
36 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
37 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
38 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
39 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
40 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
41 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
42 Cabeça:
43 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
44 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
45 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
46 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
47 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
48 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
49 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
50 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
51 Esteatose: Degenerescência gordurosa de um tecido.
52 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.