Gostou do artigo? Compartilhe!

Moscas volantes - o que são? Como elas surgem? O que fazer para evitar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são moscas volantes?

Moscas volantes (do latim: muscae volitantes = moscas esvoaçantes) são pequenos pontos escuros, manchas, filamentos, círculos ou teias de aranha comuns que parecem mover-se na frente de um ou de ambos os olhos1, mas que não correspondem a objetos externos. Há mais de dois mil anos, na Roma antiga, as pessoas já usavam a expressão "muscae volitantes" para descrever essa condição oftalmológica.

Quais são as causas das moscas volantes?

As moscas volantes são causadas por proteínas2 ou minúsculas partículas do humor vítreo3 (substância gelatinosa viscosa que preenche o olho4 e se encontra entre o cristalino5 e a retina6) condensado, que se movimentam dentro do olho4, que normalmente é transparente e homogêneo. Qualquer lesão7 ocular que permita a entrada de algum material no humor vítreo3 que fique flutuado nele também pode ocasionar moscas volantes.

Elas ocorrem com maior frequência após os 45 anos de idade entre as pessoas que têm miopia8 e as que se submeteram à cirurgia de catarata9 ou a tratamentos oculares com laser e, também, entre as que sofreram inflamação10 no interior do olho4.

Qual é o substrato fisiológico11 das moscas volantes?

À medida que envelhecemos, o vítreo12 se contrai e isso faz surgir pequenas imperfeições que lançam sombras na retina6 ou refratam a luz causando manchas no campo visual13. Entre os 50 e 75 anos, o humor vítreo3 é progressivamente reduzido e de vez em quando traciona a retina6. Esses puxões estimulam a retina6, dando a ilusão de luz ou objetos, conhecidos como pontos flutuantes (ou moscas volantes). Com menor frequência, o humor vítreo3 de afasta totalmente da retina6, provocando um descolamento vítreo12.

As partículas flutuantes no vítreo12 estimulam a retina6, que envia um sinal14 para o cérebro15, que o interpreta como um objeto flutuando no campo de visão16 ou como um repentino flash de luz, semelhante a raios, manchas ou estrelas. Essas fotopsias são semelhantes às que podem ocorrer quando se esfrega os olhos1 fazendo pressão sobre eles.

Saiba mais sobre "Miopia8", "Catarata9", "Fotofobia17" e "Retinopatia diabética18".

Quais são as principais características clínicas das moscas volantes?

Embora pareçam estar na frente dos olhos1, na realidade, as moscas volantes estão flutuando no vítreo12, dentro deles. Nem sempre elas interferem prejudicialmente na visão16. Mas, às vezes, bloqueiam a luz e lançam sombras na retina6, a parte posterior do olho4 onde se forma a imagem.

São percebidas mais facilmente durante a leitura ou quando se olha fixamente para uma parede vazia, por exemplo. Têm a forma de pontos, linhas, ou fragmentos19 de teias de aranhas, que flutuam vagarosamente em frente aos olhos1, como fenômenos endópticos. O desconforto causado pelas moscas volantes é chamado miodesopsia.

A chamada enxaqueca20 visual algumas vezes causa sintomas21 da mesma natureza que as moscas volantes, mas eles se resolvem em cerca de 20 minutos, desaparecendo em seguida. As pessoas que experimentam esse fenômeno podem mesmo não ter dor de cabeça22.

Como o médico diagnostica as moscas volantes?

O diagnóstico23 de moscas volantes se inicia com a descrição do fenômeno pelo paciente. O médico pode vê-las com o uso de um oftalmoscópio ou biomicroscópio, aumentando a iluminação de fundo para diminuir o diâmetro da pupila, o que permite uma melhor visualização delas. Devem ser diferenciadas da neve visual, fenômeno neurológico raro que leva à visualização de imagens como os populares “chuviscos” da TV.

Como o médico trata as moscas volantes?

Atualmente, não há consenso quanto ao tratamento. Muitas vezes elas nem necessitam tratamento porque com o passar do tempo tendem a diminuir e podem se tornar menos incômodas ou até mesmo não mais serem notadas. Mas, se as moscas volantes forem um sintoma24 de rasgo na retina6, ele deve ser selado com laser argônio ou por crioterapia25, a fim de evitar que provoque o descolamento da retina6, o que pode ocasionar cegueira.

Algumas vezes (embora raramente), a vitrectomia, em que o médico usa uma agulha para retirar o humor vítreo3 do olho4 e substitui-lo por uma solução salina, pode ser utilizada. No entanto, o procedimento pode causar descolamento da retina6 ou catarata9 e algumas vezes os pontos flutuantes podem permanecer após o procedimento.

Se o fenômeno for causado por alguma doença de base como, por exemplo, descolamento da retina6 ou inflamações26 do vítreo12, elas devem ser tratadas por meios próprios.

Leia sobre "Deficiência visual",  "Retinopatia", "Degeneração macular27", "Fundo de olho28" e "Retinografia29".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos site do CBO – Conselho Brasileiro de Oftalmologia e do MSD Manuals.

ABCMED, 2020. Moscas volantes - o que são? Como elas surgem? O que fazer para evitar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-dos-olhos/1360408/moscas-volantes-o-que-sao-como-elas-surgem-o-que-fazer-para-evitar.htm>. Acesso em: 15 jul. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Olhos:
2 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
3 Humor vítreo: É uma substância gelatinosa e viscosa, formada por substância amorfa semilíquida, fibras e células. Faz parte do corpo vítreo do olho. Está situado entre o cristalino e a retina.
4 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
5 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
6 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
7 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Miopia: Incapacidade para ver de forma clara objetos que se encontram distantes do olho.Origina-se de uma alteração dos meios de refração do olho, alteração esta que pode ser corrigida com o uso de lentes especiais, e mais recentemente com o uso de cirurgia a laser.
9 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
10 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
11 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
12 Vítreo: 1. Substância gelatinosa e transparente que preenche o espaço interno do olho. 2. Com a transparência do vidro; claro, límpido, translúcido. 3. Relativo a ou próprio de vidro.
13 Campo visual: É toda a área que é visível com os olhos fixados em determinado ponto.
14 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
15 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
16 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
17 Fotofobia: Dor ocular ou cefaléia produzida perante estímulos visuais. É um sintoma freqüente na meningite, hemorragia subaracnóidea, enxaqueca, etc.
18 Retinopatia diabética: Dano causado aos pequenos vasos da retina dos diabéticos. Pode levar à perda da visão. Retinopatia não proliferativa ou retinopatia background Caracterizada por alterações intra-retinianas associadas ao aumento da permeabilidade capilar e à oclusão vascular que pode ou não ocorrer. São encontrados microaneurismas, edema macular e exsudatos duros (extravasamento de lipoproteínas). Também chamada de retinopatia simples.
19 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
20 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Cabeça:
23 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
24 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
25 Crioterapia: Processo terapêutico baseado em aplicações de gelo, neve carbônica e outros veículos de frio intenso.
26 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
27 Degeneração macular: A degeneração macular destrói gradualmente a visão central, afetando a mácula, parte do olho que permite enxergar detalhes finos necessários para realizar tarefas diárias tais como ler e dirigir. Existem duas formas - úmida e seca. Na forma úmida, há crescimento anormal de vasos sanguíneos no fundo do olho, podendo extravasar fluidos que prejudicam a visão central. Na forma seca, que é a mais comum e menos grave, há acúmulo de resíduos do metabolismo celular da retina, aliado a graus variáveis de atrofia do tecido retiniano, causando uma perda visual central, de progressão lenta, podendo dificultar a realização de algumas atividades como ler e escrever ou a identificação de traços de fisionomia.
28 Fundo de olho: Fundoscopia, oftalmoscopia ou exame de fundo de olho é o exame em que se visualizam as estruturas do segmento posterior do olho (cabeça do nervo óptico, retina, vasos retinianos e coroide), dando atenção especialmente a região central da retina, denominada mácula. O principal aparelho utilizado pelo clínico para realização do exame de fundo de olho é o oftalmoscópio direto. O oftalmologista usa o oftalmoscópio indireto e a lâmpada de fenda.
29 Retinografia: É uma fotografia da retina ou do nervo óptico que é feita com auxílio do retinógrafo. As principais indicações são para diagnóstico e acompanhamento das doenças vítreo retinianas, glaucoma e doenças do nervo óptico. O exame deve ser feito com a pupila dilatada e demora cerca de 5 a 10 minutos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Oftalmologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.