Gostou do artigo? Compartilhe!

Saiba mais sobre a retinopatia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a retina1?

A retina1 é a parte do olho2 responsável pela formação de imagens visuais que, traduzidas em impulsos elétricos, são enviadas ao cérebro3. Ela é uma fina camada de tecido nervoso4, localizada no fundo do olho2, comparável a um filme numa câmera fotográfica, no qual estão localizadas as células5 sensoriais, os cones e os bastonetes. Os estímulos luminosos chegam a ela depois de atravessarem as estruturas anteriores do olho2 e serem focalizados sobre a retina1 pelo cristalino6.

O que é a retinopatia?

Chama-se retinopatia a qualquer lesão7 não inflamatória que afeta a retina1.

Quais são as causas da retinopatia?

As retinopatias são manifestações locais de doenças sistêmicas, como o diabetes8 e a hipertensão arterial9, por exemplo. Normalmente ela está associada a um deficiente aporte sanguíneo para a retina1. As principais causas de retinopatia são: diabetes mellitus10, hipertensão arterial9, prematuridade, anemia falciforme11, exposição solar direta, certas medicações, obstruções de arteríolas12 e/ou vênulas13 da retina1.

Quais são os principais tipos de retinopatia?

Embora existam outros tipos de retinopatia, os principais são a retinopatia diabética14, a retinopatia hipertensiva e a retinopatia da prematuridade.

Retinopatia diabética14:

O excesso de açúcar15 no sangue16 deteriora os vasos sanguíneos17 da retina1, fazendo com que extravasem sangue16 e fluidos, produzindo um edema18, que pode atingir a mácula19, causando visão20 embaçada que pode progredir para perda parcial ou total da visão20.

Retinopatia hipertensiva:

A hipertensão arterial9 também afeta o sistema circulatório21 da retina1, causando o enrijecimento das artérias22 e estreitamento da luz dos vasos, reduzindo o aporte sanguíneo à retina1.

Retinopatia pigmentar:

A retinopatia pigmentar, também chamada de retinite pigmentar ou retinose pigmentar, é um conjunto de doenças hereditárias que causam a degeneração23 das células5 da retina1, o que leva a uma perda gradual da visão20. Isso ocorre pelo fato das células5 fotorreceptoras (cones e bastonetes) morrerem.

Retinopatia da prematuridade:

A retinopatia da prematuridade se deve a um desenvolvimento anômalo da vascularização da retina1, nos bebês24 que nascem prematuramente, pelo fato dele ocorrer fora do ambiente uterino. Os vasos sanguíneos17 da retina1 crescem de maneira desordenada, podem sangrar e descolar a retina1.

Como o médico diagnostica a retinopatia?

O exame mais comum para diagnóstico25 dos diversos tipos de retinopatia é o exame de fundo de olho26. Por meio dele, é possível estudar as anomalias vasculares27, hemorragias28, pequenos aneurismas, proliferação de novos vasos, pigmentações e outras anomalias próprias de cada tipo de retinopatia. Outros exames correspondem à tomografia de coerência ótica, sistema de fotografias do fundo de olho26 e a angiografia29 de retina1.

Como o médico trata a retinopatia?

O tratamento das retinopatias depende da causa delas e pode ser feito com medicações ou com aplicação de laser. Quando se devem a doenças sistêmicas essas doenças devem ser tratadas ou mantidas sob controle. Nos pacientes com retinopatia diabética14 ou retinopatia hipertensiva o tratamento pode consistir na fotocoagulação com laser, para vedar os vãos sanguíneos que apresentem escapes.

Como prevenir a retinopatia?

Nos pacientes sob risco de retinopatias, os fatores causais devem ser mantidos sob controle, principalmente os níveis glicêmicos nos diabéticos e os níveis tensionais nos hipertensos.

Como evolui a retinopatia?

Nos casos de retinopatia diabética14 e de retinopatia hipertensiva alguns prejuízos já estabelecidos sobre a visão20 podem ser revertidos, mas outros são irreversíveis e podem mesmo progredir para cegueira. Nos casos mais graves, a retinopatia da prematuridade também pode levar à cegueira. Quanto maior a prematuridade, maior o risco de aparecimento do problema e potencialmente maior a sua gravidade.

Quais são as complicações da retinopatia?

As retinopatias que afetam a mácula19, quando não tratadas adequadamente, podem levar à cegueira.

ABCMED, 2015. Saiba mais sobre a retinopatia. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-dos-olhos/753612/saiba+mais+sobre+a+retinopatia.htm>. Acesso em: 16 jul. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
2 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
3 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
4 Tecido Nervoso:
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
7 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
10 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
11 Anemia falciforme: Doença hereditária que causa a má formação das hemácias, que assumem forma semelhante a foices (de onde vem o nome da doença), com maior ou menor severidade de acordo com o caso, o que causa deficiência do transporte de gases nos indivíduos que possuem a doença. É comum na África, na Europa Mediterrânea, no Oriente Médio e em certas regiões da Índia.
12 Arteríolas: As menores ramificações das artérias. Estão localizadas entre as artérias musculares e os capilares.
13 Vênulas: Vasos minúsculos que coletam sangue proveniente de plexos capilares e unem-se para formarem veias.
14 Retinopatia diabética: Dano causado aos pequenos vasos da retina dos diabéticos. Pode levar à perda da visão. Retinopatia não proliferativa ou retinopatia background Caracterizada por alterações intra-retinianas associadas ao aumento da permeabilidade capilar e à oclusão vascular que pode ou não ocorrer. São encontrados microaneurismas, edema macular e exsudatos duros (extravasamento de lipoproteínas). Também chamada de retinopatia simples.
15 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
18 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
19 Mácula: Mácula ou mancha é uma lesão plana, não palpável, constituída por uma alteração circunscrita da cor da pele.
20 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
21 Sistema circulatório: O sistema circulatório ou cardiovascular é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
22 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
23 Degeneração: 1. Ato ou efeito de degenerar (-se). 2. Perda ou alteração (no ser vivo) das qualidades de sua espécie; abastardamento. 3. Mudança para um estado pior; decaimento, declínio. 4. No sentido figurado, é o estado de depravação. 5. Degenerescência.
24 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Fundo de olho: Fundoscopia, oftalmoscopia ou exame de fundo de olho é o exame em que se visualizam as estruturas do segmento posterior do olho (cabeça do nervo óptico, retina, vasos retinianos e coroide), dando atenção especialmente a região central da retina, denominada mácula. O principal aparelho utilizado pelo clínico para realização do exame de fundo de olho é o oftalmoscópio direto. O oftalmologista usa o oftalmoscópio indireto e a lâmpada de fenda.
27 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
28 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
29 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clinica médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.