Gostou do artigo? Compartilhe!

Características do retardo puberal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é retardo puberal?

O retardo puberal, também denominado às vezes de puberdade atrasada, puberdade tardia ou puberdade retardada, refere-se a um atraso no início da puberdade (transição entre a infância e a idade adulta) e das suas manifestações características.

A idade de início da puberdade é diferente em cada pessoa, sendo mais cedo em umas e mais tarde em outras. Dessa maneira, só se deve considerar retardo puberal quando esse tempo discrepa muito do esperado, tornando-se uma situação atípica e rara, ou quando ele é acompanhado de sintomas1.

O que é puberdade normal?

A puberdade normal é um período de desenvolvimento durante o qual ocorrem mudanças significativas no corpo e na mente da pessoa, marcando a transição da infância para a idade adulta. Esse processo é desencadeado pela ativação hormonal, que leva a uma série de transformações físicas e emocionais.

As mudanças típicas da puberdade incluem o desenvolvimento dos órgãos sexuais, o crescimento de pelos pubianos e axilares, o aumento da estatura, o desenvolvimento das mamas2 nas meninas, alterações da voz nos meninos, entre outros elementos. Além das mudanças físicas, a puberdade também está associada a alterações emocionais e sociais, como o desenvolvimento da identidade, a busca por autonomia e a formação de relações interpessoais mais maduras.

Nas meninas, a puberdade começa entre 8 e 13 anos de idade e dura cerca de 4 anos. Nos meninos, a puberdade começa entre 9 e 14 anos de idade e dura cerca de 4 a 6 anos. Além da idade de início, o ritmo de progressão do surgimento dos caracteres sexuais secundários também merece atenção, sendo que um período de desenvolvimento superior a 3,5-5 anos recomenda investigação clínica.

Leia sobre "Crises da adolescência", "Ginecomastia3", "Menarca4"  e "Crescimento infantil5 - Quanto cresce uma criança".

Quais são as causas do retardo puberal?

Existem várias razões para o retardo puberal, incluindo fatores genéticos, desnutrição6, distúrbios hormonais, radioterapia7 ou quimioterapia8, condições médicas crônicas, tumores, prática excessiva de exercícios e até mesmo questões emocionais e estresse. Esses fatores, em geral, atuam desfavoravelmente sobre o eixo hipófise9-hipotálamo10-gônadas11.

A presença de baixa estatura entre membros da família pode indicar um padrão hereditário de retardo puberal. Em alguns casos, o retardo puberal pode ser uma variação normal do desenvolvimento e não indicar necessariamente um problema de saúde12.

Qual é o substrato fisiopatológico do retardo puberal?

A fisiopatologia13 do retardo puberal pode ser complexa e envolver vários elementos. Em alguns casos, o atraso no desenvolvimento puberal pode ser simplesmente uma variação constitucional e não implicar uma fisiopatologia13 específica.

Em outros casos, o funcionamento do eixo hipotálamo10-hipófise9, que controla a produção de hormônios, pode estar afetado e não funcionar na sua integridade normal, levando a deficiência de gonadotrofinas (hormônios que estimulam as gônadas11), deficiência de hormônios sexuais e do crescimento, ou condições que afetam diretamente os ovários14 ou testículos15.

Ademais, o sistema endócrino16 pode ter seu funcionamento normal alterado pela exposição a substâncias tóxicas ou por fatores emocionais.

Quais são as características clínicas do retardo puberal?

Nem sempre o retardo puberal é patológico, e pode representar uma variação normal do desenvolvimento. No entanto, uma avaliação médica é crucial para determinar que não haja condições médicas sérias envolvidas. As características clínicas do retardo puberal podem variar, mas geralmente incluem:

  • um atraso significativo no crescimento em relação aos pares da mesma idade;
  • ausência ou desenvolvimento incompleto de características sexuais secundárias, como crescimento de pelos pubianos e axilares, desenvolvimento mamário nas meninas e aumento do tamanho dos testículos15 nos meninos;
  • retardo na fusão das epífises17 ósseas;
  • ausência de menstruação18 em meninas após a idade esperada;
  • e, em alguns casos, testículos15 não descidos nos meninos (criptorquidia19).

Apesar do atraso no desenvolvimento sexual, os adolescentes com retardo puberal apresentam um exame físico normal, com características infantis.

Como o médico diagnostica o retardo puberal?

Uma primeira aproximação diagnóstica do retardo puberal pode ser feita pela mera observação física. Uma avaliação mais aprofundada da questão envolve uma cuidadosa história clínica, exame físico e testes laboratoriais para avaliar os níveis hormonais.

Quando ocorre a suspeita de retardo puberal, o diagnóstico20 de certeza é feito pela medição dos hormônios gonadais testosterona e/ou estradiol, hormônio21 luteinizante, hormônio21 folículo22-estimulante, além de estudos de imagens e exames genéticos.

Veja também sobre "Hiperplasia23 adrenal congênita24", "Síndrome25 de Turner" e "Ovários14 policísticos".

Como o médico trata o retardo puberal?

No caso do retardo puberal constitucional, o tratamento com medicamentos geralmente não é necessário. Quando necessário, o tratamento deve ser dirigido à patologia26 subjacente de base, se houver, e poderá incluir intervenções hormonais, mudanças na dieta, tratamento de condições médicas subjacentes ou abordagens psicossociais, conforme apropriado para cada caso.

Quais são os riscos possíveis com o retardo puberal?

O retardo puberal pode levar a distúrbios psicológicos, dificuldade de socialização, redução da densidade mineral óssea (porque a puberdade é uma fase de importante ganho de massa óssea) e limitação ou impedimento da fertilidade.

A indução da puberdade com testosterona (para os meninos) ou estradiol (para as meninas) pode resultar em alguma perda de estatura, em virtude da maturação óssea mais rápida ocasionada pelo uso dos hormônios.

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Sociedade de Pediatria de São Paulo, da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Biblioteca Virtual em Saúde.

ABCMED, 2024. Características do retardo puberal. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-crianca/1463442/caracteristicas-do-retardo-puberal.htm>. Acesso em: 21 jul. 2024.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Ginecomastia: Aumento anormal de uma ou ambas as glândulas mamárias no homem. Associa-se a diferentes enfermidades como cirrose, tumores testiculares, etc. Em certas ocasiões ocorrem de forma idiopática.
4 Menarca: Refere-se à ocorrência da primeira menstruação.
5 Crescimento Infantil: Aumento na estrutura do corpo, tendo em vista a multiplicação e o aumento do tamanho das células. Controla-se principalmente o peso corporal, a estatura e o perímetro cefálico, com o objetivo de saber o quanto a criança ganhou ou perdeu em determinados intervalos de tempo e tendo por base um acompanhamento a longo prazo, através de anotações em gráficos ou curvas de crescimento. O pediatra precisa conhecer e analisar vários fatores referentes à criança e a sua família, como o peso e a altura dos pais, o padrão de crescimento deles, os dados da gestação, o peso e a estatura ao nascimento e a alimentação do bebê para avaliar a situação do crescimento de determinada criança. Não é simplesmente consultar gráficos. Somente o médico da criança pode avaliar seu crescimento. Uma criança pode estar fora da “faixa mais comum de referência“ e, ainda assim, ter um crescimento normal.
6 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
7 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
8 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
9 Hipófise:
10 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
11 Gônadas: 1. Designação genérica das glândulas sexuais (ovário e testículo) que produzem os gametas (óvulos e espermatozoides). 2. Em embriologia, é a glândula embrionária antes de sua possível identificação morfológica como ovário ou testículo.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
14 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
15 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
16 Sistema Endócrino: Sistema de glândulas que liberam sua secreção (hormônios) diretamente no sistema circulatório. Em adição às GLÂNDULAS ENDÓCRINAS, o SISTEMA CROMAFIM e os SISTEMAS NEUROSSECRETORES estão inclusos.
17 Epífises: Extremidade dilatada dos ossos longos, separada da parte média pelo disco epifisário (até o crescimento ósseo cessar). Neste período, o disco desaparece e a extremidade se une à parte média do osso.
18 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
19 Criptorquidia: 1. Falha na descida de testículo para o escroto, também conhecida como criptorquia.
20 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
21 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
22 Folículo: 1. Bolsa, cavidade em forma de saco. 2. Fruto simples, seco e unicarpelar, cuja deiscência se dá pela sutura que pode conter uma ou mais sementes (Ex.: fruto da magnólia).
23 Hiperplasia: Aumento do número de células de um tecido. Pode ser conseqüência de um estímulo hormonal fisiológico ou não, anomalias genéticas no tecido de origem, etc.
24 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
25 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
26 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.