Gostou do artigo? Compartilhe!

Jogadores patológicos - quais são as características marcantes?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são jogadores patológicos?

Os jogadores patológicos são pessoas que têm uma compulsão incontrolável pelos jogos de azar, que em geral se passam num salão de bingo, num cassino, numa pista de corrida ou em outros locais. O jogo patológico pode afetar negativamente as demais atividades do indivíduo, porque ele perde o domínio sobre o jogo, tornando-se incapaz de controlar o tempo e o dinheiro gastos, mesmo quando está perdendo.

Este transtorno tem um efeito extremamente perturbador e adverso na vida do indivíduo que sofre com isso. Como resultado, os indivíduos podem acabar por perder todas as suas economias da vida e chegam a cometer crimes como falsificação de cheques, roubo ou desvio de fundos para obter dinheiro para dar sequência a seu hábito compulsivo, o que também pode levar ao desenvolvimento de grandes problemas nos relacionamentos e no trabalho.

O Jogo Patológico passou a ser reconhecido oficialmente como transtorno psiquiátrico patológico do comportamento humano pela American Psychiatric Association em 1980.

Quais são as causas que levam os indivíduos a se tornarem jogadores patológicos?

Os Jogadores Patológicos abrigam certas crenças irracionais ou distorções cognitivas em sua mente que os mantêm viciados no jogo. As distorções típicas de jogadores patológicos são:

  • Ilusão do controle: a crença de que os resultados de um jogo dependem mais da atividade do jogador em si do que do acaso.
  • Fixação de experiências positivas como se fossem de ocorrência absoluta: embora seja comum que ele perca muito mais do que ganhe, o jogador mede seu sucesso no jogo observando apenas seus ganhos, enquanto descarta suas perdas. Essa é uma ilusão que o mantém cada vez mais adicto ao seu vício.
  • Correlações ilusórias: o indivíduo faz associações entre um determinado evento ocasional e um ganho aleatório e passa a acreditar que tal evento aumenta sua probabilidade de ganhar. Um exemplo poderia ser o pensamento de que “se eu beijar meus dados antes de jogá-los, então eu vou ganhar”.
  • Alguns jogadores patológicos atribuem recursos animados e intencionais às máquinas ou a outros objetos inanimados com os quais jogam e podem pensar: “a máquina está me enganando, quer me confundir, mas não vai conseguir porque sou mais esperto que ela”.

Além disso, a sensação de excitação que o indivíduo tem ao correr riscos no ambiente do jogo pode evocar ainda mais o seu vício.

Leia sobre "Transtorno bipolar do humor", "Estados maníacos" e "Depressão maior ou transtorno depressivo reativo".

Quais são as características clínicas dos jogadores patológicos?

O distúrbio do Jogador Patológico o leva, de modo recorrente, a apostar em jogos de azar apesar das consequências negativas decorrentes desta atividade. O comportamento de jogar costuma seguir padrões uniformes e progressivos, começando com pequenas apostas, normalmente na adolescência. O intervalo de tempo previsto entre começar a jogar e perder o controle sobre o jogo varia muito de uma pessoa para outra, mas pode-se considerar um período médio de 5 anos.

Há três fases na evolução desse processo:

  1. Fase da vitória, em que um êxito eventual se torna excitante e o indivíduo passa a jogar com maior frequência, acreditando que é um excelente apostador.
  2. Fase da perda, em que um otimismo não-realista passa a ser a característica principal do jogador patológico. Depois de ganhar alguma quantia, o jogador aumenta consideravelmente sua aposta, na esperança de que ganhará quase sempre, com ganhos ainda maiores. O dinheiro que eventualmente tenha ganho numa experiência anterior é utilizado para jogar mais, e, em seguida, o indivíduo emprega no jogo o seu salário, as suas economias, os valores que tenha investido e, inclusive, dinheiro obtido por meios ilícitos1. Jogar “para recuperar os prejuízos” é um marco importante do comportamento do jogador patológico que o leva à ruína.
  3. Fase do desespero, em que surge um estado de pânico, uma vez que o jogador percebe o tamanho de sua dívida, seu desejo de pagá-la prontamente, o isolamento de familiares e amigos, a reputação negativa que passou a ter na sua comunidade e, finalmente, um desejo nostálgico de recuperar os primeiros dias de vitória. Nessa fase, é comum a exaustão física e psicológica, sendo frequente a depressão, pensamentos suicidas e o alcoolismo. É frequente a comorbidade2 com transtornos psiquiátricos e de personalidade, os quais contribuem para tornar ainda mais complexo o quadro clínico, sendo comuns o transtorno de humor, o transtorno de ansiedade e a dependência do álcool e de outras drogas.

Essas fases nem sempre se sucedem com regularidade umas às outras e descrevem mais apropriadamente momentos oscilantes da vida do Jogador Patológico.

Como diagnosticar uma pessoa como jogador patológico?

Segundo o manual de doenças e estatísticas (DSM-IV-TR) da American Psychiatric Association, de 2002, o Jogador Patológico pode ser reconhecido pelas seguintes características:

  1. Preocupação constante com jogo, especulações sobre seus resultados, planejamento de novas apostas e pensamentos sobre como conseguir dinheiro para jogar.
  2. Necessidade progressiva de aumentar o tamanho das apostas para alcançar a excitação desejada.
  3. Esforço repetido e sem sucesso para controlar, diminuir ou parar de jogar.
  4. Inquietude e irritabilidade quando diminui ou para de jogar.
  5. Ter o jogo como forma de escapar de problemas ou para aliviar estado disfórico, como sentimentos de desamparo, culpa, ansiedade e depressão.
  6. Depois da perda de dinheiro no jogo e de arrependimento por ter jogado, retorna frequentemente no dia seguinte “para recuperar o dinheiro perdido”.
  7. Uso de mentiras para familiares, terapeuta ou outras pessoas, a fim de esconder a extensão do seu envolvimento com jogo.
  8. Cometer atos ilegais como falsificação, fraude, roubo ou desfalque para financiar o jogo.
  9. Perda de relacionamentos significativos e oportunidades de trabalho, educação ou carreira por causa do jogo.
  10. Contar com os outros para prover dinheiro, no intuito de aliviar a situação financeira desesperadora por causa do jogo.
Veja também sobre "Dependência às drogas", "Compulsão alimentar" e "Transtorno obsessivo compulsivo".

Como tratar os jogadores patológicos?

Como qualquer outro vício, o tratamento dos Jogadores Patológicos é uma tarefa desafiadora e frequentemente malsucedida. Muitas pessoas jogam socialmente sem desenvolver um vício, mas superar a vergonha ou constrangimento de ter esse hábito como um vício é um primeiro grande passo no caminho da recuperação.

Os tratamentos e intervenções para tratar o Jogador Patológico são bastante semelhantes aos métodos de tratamento de outros vícios, embora a maioria das práticas usadas com esse problema em particular não tenham sido submetidas a pesquisas rigorosas e detalhadas.

O tratamento do jogador patológico deve passar por três etapas:

1. Intervenção aguda

É muito importante que a pessoa pare de jogar completamente, pois mesmo jogos ocasionais podem levar a uma recaída. Algumas pessoas (a maioria delas) não conseguem evitar os cassinos ou outros locais de jogo sem ajuda e precisam da estrutura oferecida por um programa de internação em um centro especializado para tratamento e superação do vício.

2. Reabilitação

O tratamento para o jogo compulsivo pode incluir terapia cognitivo3-comportamental, para reduzir o desejo de jogar; medicamentos antidepressivos e estabilizadores do humor para tratar distúrbios psicológicos que geralmente acompanham os jogos patológicos; e grupos de autoajuda de Jogadores Anônimos, semelhantes aos alcoólicos anônimos.

3. Manutenção

Lidar com as consequências financeiras do jogo às vezes é a parte mais difícil do processo de recuperação. No início, a pessoa pode precisar transferir as responsabilidades financeiras para um cônjuge ou amigo de confiança. Se a pessoa é predisposta ao vício, é necessário também que ela possa fazer mudanças no seu estilo de vida: não pode jogar recreativamente, nem que seja apenas “uma vezinha só”; deve evitar lugares e situações que possam desencadear seu desejo de jogar, como cassinos ou eventos esportivos; e deve evitar lugares ou situações que a incitem a jogar, mesmo que entre amigos e como mera diversão.

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Harvard Medical School e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2022. Jogadores patológicos - quais são as características marcantes?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1421460/jogadores-patologicos-quais-sao-as-caracteristicas-marcantes.htm>. Acesso em: 27 nov. 2022.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Ilícitos: 1. Condenados pela lei e/ou pela moral; proibidos, ilegais. 2. Qualidade dos que não são legais ou moralmente aceitáveis; ilicitude.
2 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
3 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.