Gostou do artigo? Compartilhe!

Bolinhas penduradas na pele? Podem ser acrocórdons!

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são acrocórdons?

Acrocórdons, também conhecidos como pólipos1 fibroepiteliais, são pequenas saliências (“bolinhas”) penduradas na pele2, que lembram verrugas, normalmente da mesma cor ou algo mais amarronzadas que elas, totalmente benignas e que não causam sintomas3.

Quais são as causas dos acrocórdons?

Existe claramente um fator causal genético/familiar no surgimento dos acrocórdons. Durante a gestação, devido aos hormônios da gravidez4, os acrocórdons podem surgir mais abundantemente e algumas vezes regridem espontaneamente após o parto.

A obesidade5, o sobrepeso6 e a resistência à insulina7 / diabetes8 são fatores que aumentam muito o surgimento dos acrocórdons. Em algumas pessoas eles se desenvolvem sem nenhuma razão aparente.

Leia sobre "Lesões9 pré-cancerosas da pele2", "Câncer10 de pele2 não-melanoma11" e "Melanoma11".

Qual é o substrato fisiológico12 dos acrocórdons?

A obesidade5 e a tolerância à glicose13 diminuída têm um papel importante no desenvolvimento dos acrocórdons. Histologicamente, os acrocórdons são uma lesão14 polipoide com epiderme15 levemente acantótica (aumento da espessura da epiderme15) sobreposta, um núcleo edematoso que exibe inflamação16 crônica leve e derme17 sem nervos. Os acrocórdons são feitos de fibras de colágeno18 soltas e vasos sanguíneos19 circundados pela pele2. O colágeno18 é um tipo de proteína encontrada em todo o corpo.

Os acrocórdons costumam se desenvolver em áreas de fricção cutânea20 e estar associados a outras doenças, incluindo diabetes8 tipo 2 e obesidade5, de tal modo que eles têm sido investigados como um marcador cutâneo21 para essas condições. Contudo, mais estudos a esse respeito são necessários.

Quais são as características clínicas dos acrocórdons?

Os acrocórdons são pequenas “bolinhas” na pele2, assintomáticas, mais comuns no pescoço22, na virilha e nas axilas que, no entanto, podem ficar irritadas e se tornarem incômodas se houver atrito com a roupa ou com adereços, como joias, por exemplo, ou ao se barbear.

Os acrocórdons são muito comuns na população e podem surgir a partir dos 40 anos, tanto em homens como em mulheres. Eles podem parecer verrugas, mas em contraste com elas, são lisos e macios, aparecem pendurados na pele2 (pediculados) e não são transmissíveis de uma pessoa para outra.

A não ser que sejam lesionados, os acrocórdons não causam nenhum desconforto físico. Muitas vezes, estão relacionados com resistência à insulina7 e sinalizam um estado pré-diabético.

Essas “bolinhas” podem ser únicas ou múltiplas, e às vezes são em grande número. O tamanho delas varia entre 2 e 10 milímetros, de crescimento progressivo, sem involução espontânea.

Apesar de assintomáticas, são queixas frequentes nos consultórios dermatológicos por razões estéticas ou, ainda, por traumatismos.

Como o médico diagnostica os acrocórdons?

O diagnóstico23 é feito pelo histórico relatado pelo paciente e pela observação direta das lesões9 típicas. Algumas doenças cutâneas24 comuns que podem imitar marcas de pele2 incluem ceratoses seborreicas, manchas, verrugas, cistos, milia, neurofibromas e nevo25 lipomatoso.

Raramente, cânceres de pele2 como carcinoma26 basocelular, carcinoma26 espinocelular e melanoma11 maligno imitam os acrocórdons.

A maioria dos pequenos acrocórdons são tão típicos que não precisam ser enviados para exame microscópico27 ou biópsia28. No entanto, se houver qualquer dúvida sobre a natureza da lesão14, ela deve ser enviada a um patologista29 para exame. Além disso, saliências na pele2 que sangraram ou mudaram rapidamente de aspecto também podem precisar de exame histopatológico.

Como o médico trata os acrocórdons?

Normalmente os acrocórdons não precisam de tratamento. Quando desejada, a retirada deles pode ser feita no consultório dermatológico por meio de diversas técnicas, como excisão simples, eletrodissecção ou criocirurgia, de maneira semelhante à remoção das verrugas. Eles também podem ser removidos cirurgicamente às vezes com anestésico local.

O congelamento ou a queima dos acrocórdons podem causar ligeira irritação e descoloração temporária da pele2. Se os acrocórdons não forem retirados de todo, um tratamento adicional pode ser necessário. A remoção cirúrgica tem a vantagem de remover completamente a marca cutânea20, mas existe o risco de um pequeno sangramento.

Como evoluem os acrocórdons?

Os resultados a longo prazo da retirada ou destruição dos acrocórdons são excelentes. No entanto, isso não impede o desenvolvimento de novos acrocórdons.

Veja mais sobre "Verrugas", "Verrugas plantares", "Acroceratose verruciforme" e "Xantelasma".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do NHS – National Health Service e do Massachusetts General Hospital - Department of Dermatology.

ABCMED, 2021. Bolinhas penduradas na pele? Podem ser acrocórdons!. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1398390/bolinhas-penduradas-na-pele-podem-ser-acrocordons.htm>. Acesso em: 17 out. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pólipos: 1. Em patologia, é o crescimento de tecido pediculado que se desenvolve em uma membrana mucosa (por exemplo, no nariz, bexiga, reto, etc.) em resultado da hipertrofia desta membrana ou como um tumor verdadeiro. 2. Em celenterologia, forma individual, séssil, típica dos cnidários, que se caracteriza pelo corpo formado por um tubo ou cilindro, cuja extremidade oral, dotada de boca e tentáculos, é dirigida para cima, e a extremidade oposta, ou aboral, é fixa.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
6 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
7 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
11 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
12 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
13 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
14 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
15 Epiderme: Camada superior ou externa das duas camadas principais da pele.
16 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
17 Derme: Camada interna das duas principais camadas da pele. A derme é formada por tecido conjuntivo, vasos sanguíneos, glândulas sebáceas e sudoríparas, nervos, folículos pilosos e outras estruturas. É constituída por uma fina camada superior que é a derme papilar e uma camada mais grossa, mais baixa, que é a derme reticular.
18 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
19 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
20 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
21 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
22 Pescoço:
23 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
24 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
25 Nevo: Popularmente conhecido como “pinta“ ou sinal de nascença“. É uma mancha na pele que pode ser uma lesão plana ou elevada, pigmentada (de cor marrom, cinza, azul ou preto) ou não e pode apresentar potencial de malignização dependendo do tipo.
26 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
27 Microscópico: 1. Relativo à microscopia ou a microscópio. 2. Que se realiza com o auxílio do microscópio. 3. Visível somente por meio do microscópio. 4. Muito pequeno, minúsculo.
28 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
29 Patologista: Estudioso ou especialista em patologia, que é a especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.