Gostou do artigo? Compartilhe!

Ceratose: um efeito cumulativo da exposição ao sol

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é ceratose?

A ceratose é uma manifestação cutânea1 frequente, devido a uma alteração da camada mais superficial da pele2 que forma verdadeiras "rolhas" nas aberturas dos folículos pilosos, dificultando ou impedindo a drenagem3 deles.

Quais são as causas da ceratose?

As ceratoses são lesões4 que surgem nas áreas da pele2 continuamente expostas ao sol. As pessoas de pele2 clara e com idade avançada são as mais afetadas.

Qual é a fisiopatologia5 da ceratose?

A ceratose é o resultado do efeito cumulativo da radiação ultravioleta do sol sobre a pele2 durante longos períodos. A afecção6 da pele2 é caracterizada por hipertrofia7 da camada córnea8 da epiderme9.

Quais são as principais características clínicas da ceratose?

CERATOSE ACTÍNICA10

A ceratose actínica10, também conhecida como ceratose solar ou ceratose senil, é uma lesão11 escamosa12 ou crostosa que se forma na epiderme9, normalmente nas regiões expostas ao sol. A ceratose actínica10 é a lesão11 pré-cancerígena mais comum. Até 10% delas podem evoluir para malignidade. Quanto maior o número de lesões4 de ceratoses actínicas a pessoa tiver, maior a probabilidade de que uma ou algumas delas se tornem um câncer13 de pele2.

CERATOSE SEBORREICA

A ceratose seborreica é um tumor14 benigno da pele2, frequente em pessoas idosas. A formação das lesões4 deve-se a uma tendência genética. As lesões4 de ceratose seborreica, de coloração marrom ou negra, aparecem principalmente na face15 e no tronco. Geralmente são arredondadas ou ovalares, mas podem ter formatos irregulares. Normalmente não se acompanham de quaisquer sintomas16. Inicialmente planas, tornam-se elevadas e podem adquirir grandes dimensões. Sua consistência é mole e friável, de aspecto verrucoso. O número de lesões4 pode variar de umas poucas a centenas.

CERATOSE ESCAMOSA12

A ceratose escamosa12 é uma descamação17 permanente da camada mais superficial da pele2 (a epiderme9) ou das mucosas18. Geralmente surge na infância, havendo uma tendência familiar. Essa descamação17 frequente pode ocorrer por diversas causas. Por exemplo, se o lábio19 for muito carnudo, pode ficar muito exposto e inflamar constantemente ou então o hábito de passar sempre a língua20 sobre os lábios também favorece irritações.

CERATOSE PILAR, PILOSA OU FOLICULAR

A ceratose pilar é uma condição comum de pele2 que provoca manchas pequenas e ásperas. Ela não é uma condição grave e, muitas vezes, desaparece sozinha, depois de determinado tempo. Deve-se ao acúmulo de queratina, mas não se sabe explicar muito bem porque esse acúmulo ocorre. Sabe-se, no entanto, que ele pode estar em associação com doenças genéticas ou outras condições de pele2, como dermatite21 atópica, por exemplo.

Parece haver uma predisposição genética, autossômica22 dominante, para a ceratose pilar. Ela pode se desenvolver em pessoas de todos os tipos de pele2, mas quem tem pele2 seca corre maior risco, além daquelas que já apresentam outras condições de pele2, como dermatite seborreica23.

Os principais sinais24 e sintomas16 de ceratose pilar incluem a presença de pequenas manchas brancas ou avermelhadas pela pele2, principalmente nos braços, pernas, nádegas25 e bochechas. Pode haver também ressecamento da pele2, deixando-a com aspecto áspero e, às vezes, coceira. Na maioria das vezes, a ceratose pilar se resolve por conta própria, independente de tratamento. Não há nenhum exame específico de pele2 que seja necessário para diagnosticar a ceratose pilar. O diagnóstico26 é feito com base somente no exame físico da pele2 e na avaliação do histórico clínico do paciente.

--

Pessoas de pele2 clara, cabelo27 loiro ou ruivo e olhos28 azuis, verdes ou acinzentados têm maior susceptibilidade29 de desenvolver essas lesões4 caso fiquem muito expostas ao sol. Aparece mais frequentemente no rosto, nas orelhas30, nos lábios, no dorso31 das mãos32, no antebraço33, nos ombros, no colo34, no couro cabeludo ou em outras áreas do corpo expostas frequentemente ao sol. Quanto mais perto do Equador se viva, maior a chance de desenvolver ceratoses.

As lesões4 iniciais podem ser tão pequenas que é mais fácil reconhecê-las pelo tato do que pela observação visual. Muitas vezes, há mais lesões4 invisíveis do que as visíveis na superfície da pele2. Em sua maioria, as ceratoses se desenvolvem lentamente e atingem um tamanho que varia de um oitavo até um quarto de polegada e podem provocar coceira, ardor35, hipersensibilidade ou dor e também podem inflamar ou enrijecer, mas raramente sangram.

Como o médico trata a ceratose?

Nas lesões4 superficiais da ceratose actínica10 pode ser feita apenas crioterapia36 com nitrogênio líquido. Nas lesões4 infiltradas normalmente faz-se curetagem37 e eletrodissecção. Nas lesões4 múltiplas pode ser usado diariamente um creme de aplicação tópica. Outra técnica é a terapia fotodinâmica, que utiliza laser de baixa potência.

O tratamento da ceratose seborreica não é obrigatório, pois elas são lesões4 benignas, mas pode ser feito através da destruição delas pela cauterização38 química, eletrocoagulação ou criocirurgia.

A ceratose escamosa12 pode ser tratada com peeling local para uma descamação17 mais profunda ou ainda laser para eliminar essa camada superficial, dando lugar a uma pele2 renovada. De qualquer forma, a lesão11 descamativa em lábio19 deve ser avaliada com regularidade porque pode se tornar maligna.

Ainda não existe um tratamento capaz de melhorar radicalmente os sintomas16 da ceratose pilar. As opções de tratamento existentes são apenas paliativas.

 

ABCMED, 2016. Ceratose: um efeito cumulativo da exposição ao sol. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/821374/ceratose-um-efeito-cumulativo-da-exposicao-ao-sol.htm>. Acesso em: 19 ago. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
4 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
6 Afecção: Qualquer alteração patológica do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
7 Hipertrofia: 1. Desenvolvimento ou crescimento excessivo de um órgão ou de parte dele devido a um aumento do tamanho de suas células constituintes. 2. Desenvolvimento ou crescimento excessivo, em tamanho ou em complexidade (de alguma coisa). 3. Em medicina, é aumento do tamanho (mas não da quantidade) de células que compõem um tecido. Pode ser acompanhada pelo aumento do tamanho do órgão do qual faz parte.
8 Camada córnea: A camada córnea é uma das cinco camadas que compõem a epiderme. Ela é constituída por células mortas, sem núcleo, achatadas e em forma de lâminas. Estas lâminas se sobrepõem formando uma estrutura rígida e hidrófila, com função de proteção contra agentes físicos, químicos e biológicos, além de impedir a evaporação de água. Nesta camada, ocorre o desprendimento constante dos queratinócitos e com renovação constante da epiderme.
9 Epiderme: Camada superior ou externa das duas camadas principais da pele.
10 Actínica: Referente às radiações capazes de ativar transformações químicas em certas substâncias (por exemplo, a luz do sol ao incidir sobre o tecido humano ou vegetal).
11 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Escamosa: Cheia ou coberta de escamas, ou seja, de pequenas lâminas epidérmicas que se desprendem espontaneamente da pele.
13 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
14 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
15 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
18 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
19 Lábio: Cada uma das duas margens carnudas e altamente irrigadas da boca.
20 Língua:
21 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
22 Autossômica: 1. Referente a autossomo, ou seja, ao cromossomo que não participa da determinação do sexo; eucromossomo. 2. Cujo gene está localizado em um dos autossomos (diz-se da herança de características). As doenças gênicas podem ser classificadas segundo o seu padrão de herança genética em: autossômica dominante (só basta um alelo afetado para que se manifeste a afecção), autossômica recessiva (são necessários dois alelos com mutação para que se manifeste a afecção), ligada ao cromossomo sexual X e as de herança mitocondrial (necessariamente herdadas da mãe).
23 Dermatite seborreica: Caracterizada por descamação da pele e do couro cabeludo. A forma que acomete couro cabeludo é a mais comum e conhecida popularmente por caspa. É uma doença inflamatória, não contagiosa, possui caráter crônico e recorrente. O fungo Pityrosporum ovale pode ser considerado um possível causador da dermatite seborreica. As manifestações clínicas mais comuns são descamação, vermelhidão e aspereza local. As escamas podem ser secas ou gordurosas, finas ou espessas, geralmente acinzentadas ou amareladas, quase sempre aderentes, podendo ser acompanhadas ou não de coceira.
24 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
25 Nádegas:
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
28 Olhos:
29 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
30 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
31 Dorso: Face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. Na anatomia geral, é a região posterior do tronco correspondente às vértebras; costas.
32 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
33 Antebraço:
34 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
35 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
36 Crioterapia: Processo terapêutico baseado em aplicações de gelo, neve carbônica e outros veículos de frio intenso.
37 Curetagem: Operação ou cirurgia que consiste em esvaziar o interior de uma cavidade natural ou patológica com o auxílio de uma cureta; raspagem.
38 Cauterização: Queima ou coagulação de tecidos de diferentes órgãos para deter uma hemorragia ou eliminar um tecido de crescimento anormal.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.