Gostou do artigo? Compartilhe!

Mamas caídas? O que pode ser feito?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é mamopexia?

A mamopexia, também conhecida como mastopexia ou elevação da mama1, é um procedimento cirúrgico realizado por um cirurgião plástico para alterar a forma ou a posição dos seios2 e retorná-los ao mais próximo possível da forma e posição originais.

Por que as mamas3 caem?

À medida que a mulher envelhece, os seios2 mudam de forma e posição, perdendo elasticidade4 e firmeza. Mas existem muitas outras causas para esses tipos de alterações, incluindo gravidez5, flutuações de peso corporal e ação da gravidade. Durante a gravidez5 e o aleitamento, os seios2 ficam mais cheios e pesados e os ligamentos6 que os sustentam podem sofrer um estiramento. Esse alongamento pode contribuir para a flacidez das mamas3, independentemente de que a mulher amamente ou não o bebê. Também as alterações no seu peso podem causar estiramento e perda de elasticidade4 da pele7. Ademais, com o tempo a gravidade faz com que os ligamentos6 das mamas3 se estiquem e cedam. O resultado: mamas3 caídas e fora de posição.

Saiba mais sobre "Teste de gravidez5", "Cálculo8 de IMC9" e "Amamentação10".

Como se realiza a mastopexia?

Inicialmente, a mulher deve procurar por um cirurgião plástico. Ele procurará saber sobre suas condições médicas atuais e passadas e em seguida examinará seus seios2, incluindo a posição dos mamilos11 e aréolas e analisará a qualidade da pele7 da paciente, visto que uma pele7 saudável e vigorosa assegura uma melhor posição dos seios2 depois da cirurgia. A paciente deve dizer o que espera após o procedimento e ser informada de qual a viabilidade de que seus desejos sejam atendidos.

Antes da mamopexia, a paciente deve tomar algumas providências:

  1. Fazer uma mamografia12 para ajudar o médico no procedimento que executará;
  2. Parar de fumar, porque o fumo diminui o fluxo sanguíneo na pele7 e pode retardar o processo de cicatrização;
  3. Evitar certos medicamentos, como aspirina, anti-inflamatórios e suplementos de ervas, que podem aumentar o sangramento, por atuarem sobre o mecanismo de coagulação13;
  4. Providenciar ajuda durante a recuperação. A paciente poderá precisar de alguém para ajudá-la nas atividades diárias, como lavar o cabelo14 e trocar de roupa, por exemplo;
  5. Manter constante um peso corporal saudável.

Há várias técnicas de mastopexia. A técnica específica escolhida pelo cirurgião determinará a localização das incisões15 e as cicatrizes16 resultantes. Ele pode fazer incisões15 em torno da aréola, estendendo-se para baixo até os sulcos mamários e/ou horizontalmente ao longo dos vincos mamários. Continuando, pode colocar pontos nos seios2 para remodelar o tecido17 mamário e, se necessário, reduzir o tamanho da aréola. Ele então removerá o excesso de pele7 das mamas3 e mudará os mamilos11 para posições mais altas. Em seguida, fechará as incisões15. Esse procedimento normalmente leva de duas a três horas e a paciente pode deixar o hospital no mesmo dia.

Depois de uma mamopexia, os seios2 provavelmente serão cobertos com gaze e a paciente deve usar um sutiã de suporte cirúrgico. Pequenos drenos podem ser colocados nos locais de incisão18 para drenar o excesso de sangue19 ou líquido. Os seios2 ficarão inchados por cerca de duas semanas e provavelmente a paciente sentirá alguma dor ao redor das incisões15, que ficarão vermelhas ou rosadas por alguns meses. A dormência20 nos mamilos11, pele7 da mama1 e aréola pode durar cerca de seis semanas.

A paciente deve evitar esforço físico, flexão e elevação e dormir de costas21, de modo a não fazer pressão sobre os seios2. A atividade sexual deve ser evitada por pelo menos uma a duas semanas após a cirurgia. O médico deve orientar a paciente sobre quando os pontos serão removidos e quando é possível retomar integralmente às suas atividades diárias. O sutiã de suporte cirúrgico deverá ser usado durante três ou quatro dias e um sutiã de suporte macio por três ou quatro semanas. Enquanto esteja se recuperando, a paciente não deve expor seus seios2 ao sol. 

Leia sobre "Mamografia12", "Cicatrização e cicatrizes16", "Prótese22 de silicone" e "Mamoplastia23".

Por que fazer e por que não fazer mamopexia?

A mulher pode desejar fazer uma mamopexia se seus seios2 caírem ou seus mamilos11 se voltarem para baixo. A correção disso pode aumentar a autoestima e autoconfiança da paciente. Então, a mamopexia pode ser feita:

  1. Se os seios2 perderam forma e volume, ou ficaram mais planos e mais longos;
  2. Se os mamilos11 caírem abaixo dos seios2;
  3. Se os mamilos11 e aréolas apontam para baixo;
  4. Se as aréolas se estenderam demais em proporção aos seios2
  5. Se um dos seios2 caiu abaixo do outro.

Nem todas as mulheres, contudo, devem fazer mastopexia. Se a mulher está pensando em engravidar no futuro, a elevação da mama1 deve ser adiada, porque durante a gravidez5, os seios2 podem se distender novamente e anular os resultados do levantamento. A amamentação10 também deve ser levada em consideração. Embora geralmente seja possível amamentar após a mamopexia, algumas mulheres podem ter dificuldade em produzir leite suficiente.

A mamopexia pode ser feita em seios2 de qualquer tamanho, porém as mulheres com seios2 caídos menores provavelmente terão resultados melhores e mais duradouros. Seios2 maiores são mais pesados, o que os torna mais propensos a caírem novamente.

Quais são os riscos de fazer uma mastopexia?

Raramente, a má cicatrização pode fazer com que as cicatrizes16 fiquem espessas e largas. Mesmo sendo permanentes, as cicatrizes16 suavizam e desaparecem dentro de um a dois anos. Enquanto durem, essas cicatrizes16 podem ser escondidas por sutiãs e roupas de banho. As alterações na sensação mamilar ou da mama1 retornam dentro de algumas semanas, embora alguma perda de sensações possa ser permanente. A sensibilidade erótica não é afetada na maioria dos procedimentos.

Pode ocorrer irregularidades ou assimetrias na forma e tamanho das mamas3 devido a alterações durante o processo de cura ou assimetria pré-existente. Raramente, o suprimento de sangue19 para o mamilo ou aréola é interrompido durante uma elevação do seio24, mas a cirurgia pode danificar o tecido17 mamário na área e levar à perda parcial ou total do mamilo ou aréola.

Como qualquer cirurgia, o levantamento da mama1 apresenta risco de sangramento, infecção25 e reação adversa à anestesia26. Também é possível ter uma reação alérgica27 à fita cirúrgica ou a outros materiais usados durante ou após o procedimento.

Veja também sobre "Tipos de plástica das mamas3", "Câncer28 de mama1" e "Fibroadenomas - nem todo nódulo29 na mama1 é câncer28".

 

ABCMED, 2019. Mamas caídas? O que pode ser feito?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/1334288/mamas+caidas+o+que+pode+ser+feito.htm>. Acesso em: 21 mar. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
2 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
7 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
8 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
9 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
10 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
11 Mamilos: Órgãos cônicos os quais usualmente fornecem passagem ao leite proveniente das glândulas mamárias.
12 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
13 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
14 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
15 Incisões: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
16 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
17 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
18 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
19 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
20 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
21 Costas:
22 Prótese: Elemento artificial implantado para substituir a função de um órgão alterado. Existem próteses de quadril, de rótula, próteses dentárias, etc.
23 Mamoplastia: Cirurgia estética no seio; mastoplastia.
24 Seio: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
25 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
26 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
27 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
28 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
29 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cirurgia Plástica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.