Gostou do artigo? Compartilhe!

Antiginástica - em que consiste? Quais são os benefícios?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é antiginástica?

O termo pode sugerir que a antiginástica consiste em um "não fazer nada" em matéria de exercício. A realidade, contudo, está muito longe disso. A antiginástica é uma prática de exercícios lentos que busca um maior autoconhecimento do corpo e da interconexão de suas várias partes, buscando reconhecer e despertar áreas que estão adormecidas e que perderam mobilidade ou sensibilidade. E isso pode ser muito extenuante.

Assim, é uma variedade de ginástica de movimentos suaves que, além de aumentar a conscientização sobre o funcionamento do corpo, faz com que a pessoa relaxe a musculatura e corrija eventuais defeitos posturais. O método se desenvolveu a partir de diversas disciplinas, como a psicanálise, a acupuntura e o rolfing (espécie de medicina alternativa que objetiva o realinhamento do corpo), entre outras, mas acima de tudo, da observação de como as pessoas caminham, param e sentam.

A antiginástica foi criada na década de 1970 pela fisioterapeuta francesa Thérèse Bertherat. Seu trabalho foi inspirado principalmente nas pesquisas de sua compatriota Françoise Mézières, que analisou toda a poderosa cadeia de músculos1 entrelaçados na parte de trás do corpo, desde a base do crânio2 até debaixo dos pés.

Saiba mais sobre "Psicoterapias", "Acupuntura" e "Diferenças entre psiquiatra, psicólogo e psicanalista".

Em que consiste a antiginástica?

Bertherat acreditou que muitos dos males que assolam as pessoas partem do excesso de tensão, encurtamentos e contrações dessa cadeia posterior de músculos1 e apostou que exercícios de alongamento desses músculos1 ajudariam a relaxar o corpo para que, eventualmente, todos os ossos, músculos1, tendões3 e ligamentos4 voltassem ao seu lugar, naturalmente.

A antiginástica consiste em movimentos diferentes daqueles usualmente praticados na ginástica tradicional como, por exemplo, movimentar a língua5 e a mandíbula6 em todos os ângulos possíveis, mover o dedinho sem mexer os outros dedos e manter uma perna levantada para o teto por vários minutos. Cada sessão de antiginástica é uma oportunidade para descobrir, redescobrir e despertar novas partes do corpo.

Inicialmente, alguns dos músculos1 que a pessoa está tentando envolver parecem tão estranhos que ela não tem ideia de como alcançá-los! Porém, pouco a pouco, uma nova conexão se desenvolve entre esse músculo desconhecido ou pouco conhecido e o cérebro7. O “vocabulário” muscular fica mais rico e a pessoa passa a explorar novas possibilidades de movimento.

Por que fazer antiginástica?

Bertherat, com a sua antiginástica, faz promessas tentadoras: “A musculatura se libera, se flexibiliza, se fortalece. As dores nas costas8, na nuca, nos ombros desaparecem. A energia sexual se libera; a respiração, a digestão9 e a circulação10 melhoram. O corpo reencontra harmonia, equilíbrio e autonomia e os benefícios nele se inscrevem de forma duradoura”.

Embora a antiginástica não seja uma terapia nem um tipo de atividade física, é possível, com o tempo, obter alguns benefícios como melhorar o tônus muscular11 e a mobilidade, melhorar a amplitude da respiração, desenvolver a coordenação e a motricidade, ajudar na recuperação após atividades físicas e diminuir o estresse e as tensões musculares.

Durante as sessões de antiginástica é até possível descobrir alguns grupos musculares que não eram conhecidos, ganhando capacidade para os mover voluntariamente.

A antiginástica trabalha com o corpo e com movimentos e melhora nossos músculos1 e nosso humor.

Leia sobre "Estresse", "Atividade física", "Benefícios do alongamento" e "Psicoterapia".

 

ABCMED, 2019. Antiginástica - em que consiste? Quais são os benefícios?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1333838/antiginastica-em-que-consiste-quais-sao-os-beneficios.htm>. Acesso em: 26 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
2 Base do Crânio: Região inferior do crânio consistindo de uma superfície interna (cerebral) e uma superfície externa (basal).
3 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
4 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
5 Língua:
6 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
7 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
8 Costas:
9 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
10 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
11 Tônus muscular: Estado de tensão elástica (contração ligeira) que o músculo apresenta em repouso e que lhe permite iniciar a contração imediatamente depois de receber o impulso dos centros nervosos. Num estado de relaxamento completo (sem tônus), o músculo levaria mais tempo para iniciar a contração.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Medicina Esportiva?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.