Gostou do artigo? Compartilhe!

Cancro mole e cancro duro

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é cancro mole e cancro duro?

Tanto o cancro mole como o cancro duro se expressam por feridas nas partes genitais masculinas ou femininas, causadas por agentes transmitidos por contatos sexuais. O cancro mole é uma doença sexualmente transmissível (DST) caracterizada por várias lesões1 na área genital, podendo também ser única. O cancro duro, ou cancro sifilítico, é igualmente caracterizado por lesões1 em áreas genitais e é a porta de entrada do agente infeccioso da sífilis2, então chamada sífilis2 primária.

Saiba mais sobre "Sífilis2", "Úlceras3 genitais femininas e masculinas" e "Doenças sexualmente transmissíveis".

Quais são as causas do cancro mole e do cancro duro?

O cancro mole é causado pela bactéria4 Haemophilus ducreyi, transmitida por contato sexual. Ela entra no corpo através de pequenas lesões1 na pele5 ou por meio de membranas mucosas6. Os fatores de risco para contrair o cancro mole são: manter relações sexuais desprotegidas e estar infectado com o vírus7 HIV8/AIDS.

O cancro duro é a fase inicial da sífilis2, ou Lues. É uma doença causada pela bactéria4 Treponema pallidum que, na maior parte dos casos, é transmitida através de contato sexual sem preservativo.

Quais são as principais características clínicas do cancro mole e do cancro duro?

O cancro mole é mais frequente no sexo masculino e nas regiões de climas tropicais. Os primeiros sintomas9 dele são dor de cabeça10, febre11 e fraqueza, que podem aparecer de dois a 15 dias depois do contágio12. Os sinais13 mais notáveis são pequenas feridas dolorosas e com a presença de pus14, que aparecem com frequência nos órgãos genitais masculinos15 ou femininos. Podem aparecer também ínguas na virilha. Nem sempre as feridas são visíveis, mas provocam dor na relação sexual e ao evacuar.

Os primeiros sinais13 e sintomas9 do cancro duro são feridas indolores nas regiões genitais de homens ou mulheres. O cancro duro corresponde à sífilis2 primária e surge cerca de 3 semanas após o contágio12. Caracteriza-se por um pequeno caroço rosado que evolui para uma úlcera16 avermelhada, com fundo liso e bordas endurecidas, coberta por uma secreção transparente, que surge nos órgãos genitais, mas também pode surgir na região anal, boca17, língua18, mamas19 ou dedos. É frequente também a adenopatia20 inguinal (íngua na virilha) que, em geral, passa desapercebida. O cancro usualmente desaparece em 3 a 4 semanas, sem deixar cicatrizes21.

Veja sobre "Infecção22 pelo HIV8", "AIDS" e "Conhecimentos sobre relação sexual".

Como o médico diagnostica o cancro mole e o cancro duro?

O médico fará suas primeiras suspeitas de cancro mole e do cancro duro pela observação das lesões1. Para confirmar o diagnóstico23, no entanto, precisará fazer exames laboratoriais, teste molecular, pesquisa de DNA e raspagem. Como o cancro mole é uma doença muito parecida com a sífilis2 primária, o médico poderá pedir um exame de sangue24 para sífilis2, o VDRL, para estabelecer o diagnóstico23 diferencial, além de confirmar o diagnóstico23 de cancro duro.

Como o médico trata o cancro mole e o cancro duro?

Quando tratado corretamente, o cancro mole pode ser curado dentro de semanas, devendo haver melhoras dentro de 7 dias após o início da terapia. O tratamento mais indicado pelos médicos é feito à base de penicilina. Uma única injeção25 de penicilina já é o bastante para impedir a progressão da doença. Durante o primeiro dia de tratamento, sem durar mais do que um dia, o paciente pode ter sintomas9, como febre11, calafrios26, náuseas27, dores nas articulações28 e dor de cabeça10. Deve também ser feito o tratamento dos parceiros sexuais.

O cancro duro também pode ser curado com injeções de penicilina. Caso o tratamento não seja feito, ele desaparece espontaneamente, mas volta posteriormente sob formas mais graves de sífilis2.

Como prevenir o cancro mole e o cancro duro?

O meio mais eficaz de prevenir-se contra o cancro mole ou o cancro duro é usar a camisinha nas relações sexuais. Restringir os parceiros sexuais (se possível a um só) diminui muito a chance de contrair cancro.

Leia também sobre "Doenças transmitidas pelo beijo" e "Os perigos do sexo oral".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte do site do Ministério da Saúde – Manual de Bolso das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e, em parte, dos sites do Centers for Disease Control and Prevention (CDC) e da World Health Organization.

ABCMED, 2019. Cancro mole e cancro duro. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1345988/cancro+mole+e+cancro+duro.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
2 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
3 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
4 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
7 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
8 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Cabeça:
11 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
12 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
15 Genitais Masculinos: Órgãos reprodutores masculinos. São divididos em órgãos externos (PÊNIS, ESCROTO e URETRA) e órgãos internos (TESTÍCULO, EPIDÍDIMO, VASO DEFERENTE, VESÍCULAS SEMINAIS, DUCTOS EJACULATÓRIOS, PRÓSTATA e GLÂNDULAS BULBOURETRAIS).
16 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
17 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
18 Língua:
19 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
20 Adenopatia: Aumento anormal dos gânglios linfáticos. Pode ser acompanhado de dor, aumento da consistência, aderência a planos profundos, etc. É frequente em diversas situações, como infecções, inflamações, neoplasias, etc.
21 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
22 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
23 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
24 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
25 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
26 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
27 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
28 Articulações:
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.