Gostou do artigo? Compartilhe!

Tenho um carocinho que mexe embaixo da pele: pode ser íngua? O que fazer?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são ínguas?

Ínguas são aumentos de um ou mais gânglios linfáticos1 ou linfonodos2, pelo que são também chamadas de adenopatias3. Elas se manifestam através de um ou mais carocinhos móveis sob a pele4 e que podem ou não ser dolorosas. Na maioria das vezes, as ínguas são consequência de uma inflamação5 leve e passageira, mas também podem ser causadas por fatores mais graves, como o câncer6 ou doenças autoimunes7.

Saiba mais sobre o "Linfoma8".

O que são gânglios linfáticos1?

Os gânglios linfáticos1 são pequenas estruturas nodulares, do tamanho de um grão de feijão e de forma semelhante a uma pera, intercaladas na cadeia de vasos linfáticos, que tem as funções primordiais de filtrar regionalmente as impurezas trazidas pela circulação linfática9 e produzir anticorpos10.

Os principais gânglios linfáticos1 localizam-se no pescoço11, atrás da orelha12, axilas, tórax13, abdômen e virilhas, embora haja gânglios linfáticos1 localizados profundamente no interior do tórax13, do abdômen e no pescoço11. Em conjunto com o baço14, as amígdalas15 e as adenoides, os gânglios linfáticos1 fazem parte do sistema imunológico16.

Quando esses gânglios17 sofrem alguma alteração devido a uma inflamação5, infecção18, alergia19, crescimento anormal de tecidos ou tumores, eles não conseguem desempenhar suas funções corretamente e então ficam inchados e doloridos, formando as ínguas.

Em que lugares as ínguas aparecem mais comumente?

Os linfonodos2 de tamanhos aumentados podem aparecer em qualquer local do corpo, como caroços sob a pele4, mas, os locais mais comuns são:

  1. Pescoço11 ou nuca, causados por viroses, resfriados, gripes, alergias, faringites ou inflamações20 na garganta21.
  2. Mandíbula22 ou maxilar, devido a infecções23 ou inflamações20 na face24, boca25 ou dentes, sinusite26, faringite27 e otite28.
  3. Atrás da cabeça29 ou ouvido, por otite28, gripe30, faringite27, viroses e inflamações20 na face24.
  4. Virilha ou região inguinal, em decorrência de inflamações20 ou infecções23 na barriga, órgãos genitais, glúteos31 ou vias urinárias, como infecção18 urinária, gastroenterite32, infecção18 pelo HPV, vaginose ou candidíase33, por exemplo.
  5. Axilas, a partir de infecções23 ou inflamações20 dos pulmões34, mamas35 e intestinos36, como cirurgias da mama37, gastroenterite32, mononucleose38 ou uma gripe30 forte.
Leia sobre "Gripe30", "Resfriado", "Mononucleose38", "Gastroenterite32", "Candidíase33" e "Infecção18 pelo HPV". 

Quais são as principais características clínicas da íngua?

Uma íngua é sempre sinal39 de que alguma coisa no organismo está errada; geralmente ela indica que há alguma infecção18 naquela região. Se o crescimento ganglionar durar mais de um mês, crescer e endurecer, o médico deve ser procurado para esclarecer a questão.

O linfoma8 é um tipo de câncer6 que provoca tumores nos linfonodos2 que podem ser confundidos com uma íngua inflamatória. Os tumores podem atingir todas ou apenas uma das glândulas40 linfáticas ou se espalhar por todo o corpo. No entanto, algumas dicas podem ajudar a desvendar a questão.

Tanto na íngua, quanto no câncer6, o crescimento dos gânglios17 pode aparecer em qualquer parte do corpo. As ínguas benignas não alteram o tamanho e doem. Já no caso do câncer6, elas aumentam, são mais rígidas e múltiplas. No fim, somente uma biópsia41 do gânglio42 pode comprovar o diagnóstico43 de um câncer6.

Como o médico trata a íngua?

Não é necessário tomar nenhum remédio específico para as ínguas; é recomendado somente repouso e hidratação, além de identificar e eliminar o que as está causando. Assim, quando a infecção18 ou inflamação5 for curada, a íngua desaparecerá, pois ela é somente uma resposta do organismo em relação ao combate ao agente agressor. Remédios analgésicos44 ou anti-inflamatórios, orientados pelo médico, podem aliviar a dor ou a sensibilidade aumentada no local.

Como diferenciar uma íngua de um câncer6 linfático45?

Em geral, não é preciso se preocupar muito quando surge uma íngua. Normalmente, ela apresenta vermelhidão e dor e costuma desaparecer sozinha dentro de 3 a 30 dias. No entanto, se o caroço para de doer e não diminui com o passar do tempo, pode ser sinal39 de algo mais grave.

O linfoma8 (câncer6 do sistema linfático46) manifesta-se através de caroços indolores e que não param de crescer. A íngua, além dos sinais47 e sintomas48 já citados, vêm acompanhada, na maioria dos casos, de aumento de sensibilidade e de temperatura no local, podendo causar febre49.

No caso dos caroços causados por cânceres, eles não costumam apresentar dor, vermelhidão ou sensibilidade aumentada no local e não desaparecem com o passar do tempo, ficando maiores, mais evidentes e consistentes.

No caso de dúvidas em relação a uma íngua, procure um médico para esclarecer a questão.

Leia também sobre "Leucemias" e "Biópsia41".

 

ABCMED, 2017. Tenho um carocinho que mexe embaixo da pele: pode ser íngua? O que fazer?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1298983/tenho-um-carocinho-que-mexe-embaixo-da-pele-pode-ser-ingua-o-que-fazer.htm>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
2 Linfonodos: Gânglios ou nodos linfáticos.
3 Adenopatias: Aumento anormal dos gânglios linfáticos. Pode ser acompanhado de dor, aumento da consistência, aderência a planos profundos, etc. É frequente em diversas situações, como infecções, inflamações, neoplasias, etc.
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
6 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
7 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
8 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
9 Circulação linfática:
10 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
11 Pescoço:
12 Orelha: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
13 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
14 Baço:
15 Amígdalas: Designação comum a vários agregados de tecido linfoide, especialmente o que se situa à entrada da garganta; tonsila.
16 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
17 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
18 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
20 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
21 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
22 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
23 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
24 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
25 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
26 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
27 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
28 Otite: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
29 Cabeça:
30 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
31 Glúteos:
32 Gastroenterite: Inflamação do estômago e intestino delgado caracterizada por náuseas, vômitos, diarréia e dores abdominais. É produzida pela ingestão de vírus, bactérias ou suas toxinas, ou agressão da mucosa intestinal por diversos mecanismos.
33 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
34 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
35 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
36 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
37 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
38 Mononucleose: Doença de progressão benigna, muito comum, causada pela infecção pelo vírus Epstein-Barr e transmitida pelo contato com saliva contaminada. Seus sintomas incluem: mal-estar, dor de cabeça, febre, dor de garganta, ínguas principalmente no pescoço, inflamação do fígado. Acomete mais freqüentemente adolescentes e adultos jovens.
39 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
40 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
41 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
42 Gânglio: 1. Na anatomia geral, é um corpo arredondado de tamanho e estrutura variável; nodo, nódulo. 2. Em patologia, é um pequeno tumor cístico localizado em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
43 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
44 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
45 Linfático: 1. Na histologia, é relativo à linfa, que contém ou que conduz linfa. 2. No sentido figurado, por extensão de sentido, a que falta vida, vigor, energia (diz-se de indivíduo); apático. 3. Na história da medicina, na classificação hipocrática dos quatro temperamentos de acordo com o humor dominante, que ou aquele que, pela lividez das carnes, flacidez dos músculos, apatia e debilidade demonstradas no comportamento, atesta a predominância de linfa.
46 Sistema Linfático: Um sistema de órgãos e tecidos que processa e transporta células imunes e LINFA.
47 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
48 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
49 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.