Gostou do artigo? Compartilhe!

Celulite infecciosa - como ela é? O que deve ser feito para evitá-la?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é celulite1 infecciosa?

A celulite1 infecciosa, também chamada celulite1 bacteriana, é uma infecção2 bacteriana comum do tecido subcutâneo3, potencialmente grave e até letal.

Quais são as causas da celulite1 infecciosa?

A celulite1 infecciosa ocorre quando bactérias, principalmente do tipo Staphylococcus ou Streptococcus, conseguem entrar através de uma rachadura ou interrupção na pele4, infectando suas camadas mais profundas. Por isso, a celulite1 infecciosa é mais comum em pessoas com feridas cirúrgicas, cortes, picadas, mordidas e arranhaduras de animais.

Além disso, pessoas com problemas de pele4 como eczema5, dermatite6 ou micose7 também têm maior risco de desenvolver celulite1 infecciosa, assim como pessoas com sistema imune8 enfraquecido ou diabetes9, por exemplo. A celulite1 infecciosa não é transmitida de pessoa para pessoa.

Vários outros fatores aumentam o risco da celulite1 infecciosa, entre eles: ferimentos, sistema imunológico10 enfraquecido, doenças da pele4, edemas11 crônicos de braços ou pernas (como o linfedema, por exemplo), história prévia de celulite1 e obesidade12.

Saiba mais sobre "Edema13", "Linfedema", "Celulite1" e "Obesidade12".

Quais são as principais características clínicas da celulite1 infecciosa?

A celulite1 infecciosa afeta a pele4 na parte inferior das pernas, mas pode ocorrer também em qualquer outra parte do corpo. A pele4 afetada se apresenta inchada e vermelha e é tipicamente dolorida e quente ao toque. Além disso, a área vermelha da pele4 tende a se expandir, causando inchaço14, dor, febre15 acima de 38° C, manchas vermelhas, bolhas e ondulações da pele4.

Alguns sintomas16 comuns de uma infecção2 mais grave por celulite1 são: tremores, arrepios, fadiga17, tontura18, dores musculares, pele4 quente e suores. Sintomas16 que indicam que a celulite1 está se espalhando, podem ser: sonolência, letargia19, empolamento das lesões20 e formação de listras vermelhas na pele4.

Como o médico diagnostica a celulite1 infecciosa?

Quase sempre a celulite1 infecciosa é identificada pelo médico através da observação direta e dos sintomas16 relatados pelo paciente, mas em alguns casos pode ser necessário pedir um exame de sangue21 ou fazer uma avaliação em laboratório de um pedaço da pele4 afetada, para confirmar o tipo de bactéria22 e receitar o antibiótico mais adequado.

Como o médico trata a celulite1 infecciosa?

O tratamento para a celulite1 infecciosa é iniciado com o uso de antibióticos orais, por 10 a 21 dias. Nesse período, é aconselhado tomar todos os comprimidos no horário indicado pelo médico, assim como observar a evolução dos sinais23 de infecção2 (dor, calor e rubor). Se esses sinais23 aumentarem, é muito importante voltar ao médico, já que o antibiótico receitado pode não estar tendo o efeito esperado, precisando ser trocado, ou o paciente precisa ser internado, para receber medicação diretamente na veia e evitar que a infecção2 se espalhe pelo corpo. Além disso, o médico pode ainda receitar analgésicos24, para aliviar os sintomas16 durante o tratamento.

Leia sobre "Diferenças entre inflamação25 e infecção2" e "Drenagem26 linfática".

Como prevenir a celulite1 infecciosa?

Para ajudar a prevenir a celulite1 e outras infecções27, tome precauções quando apresentar uma ferida na pele4:

  • Lave a ferida diariamente com água e sabão.
  • Aplique um creme, unguento ou pomada protetora.
  • Cubra a ferida com uma bandagem.
  • Fique atento a sinais23 de infecção2.

Quais são as complicações possíveis da celulite1 infecciosa?

Se não for tratada, a infecção2 pode se espalhar para os nódulos linfáticos e para a corrente sanguínea e, rapidamente, se tornar uma ameaça à vida. Episódios recorrentes de celulite1 podem causar danos ao sistema de drenagem26 linfática e causar edema13 crônico28 do membro afetado.

Raramente, a infecção2 pode se espalhar para uma camada mais profunda de tecido29 chamada fáscia30. A fasciíte necrosante31, um exemplo raro de infecção2 de camada profunda, é uma emergência32 extrema.

Veja também sobre "Fasciíte necrosante31", "Choque33 séptico" e "Circulação linfática34".

 

ABCMED, 2018. Celulite infecciosa - como ela é? O que deve ser feito para evitá-la?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1330618/celulite-infecciosa-como-ela-e-o-que-deve-ser-feito-para-evita-la.htm>. Acesso em: 17 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Tecido Subcutâneo: Tecido conectivo frouxo (localizado sob a DERME), que liga a PELE fracamente aos tecidos subjacentes. Pode conter uma camada (pad) de ADIPÓCITOS, que varia em número e tamanho, conforme a área do corpo e o estado nutricional, respectivamente.
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
6 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
7 Micose: Infecção produzida por fungos. Pode ser superficial, quando afeta apenas pele, mucosas e seus anexos, ou profunda, quando acomete órgãos profundos como pulmões, intestinos, etc.
8 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
9 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
10 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
11 Edemas: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
12 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
13 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
14 Inchaço: Inchação, edema.
15 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
18 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
19 Letargia: Em psicopatologia, é o estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir. Por extensão de sentido, é a incapacidade de reagir e de expressar emoções; apatia, inércia e/ou desinteresse.
20 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
21 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
22 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
23 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
24 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
25 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
26 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
27 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
28 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
29 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
30 Fáscia: Fáscia é uma bainha, uma folha ou qualquer outra agregação dissecável de tecido conjuntivo que se forma sob a pele para anexar, fechar e separar músculos e outros órgãos internos. Ela é composta de tecidos conectivos fibrosos, moles, colágenos, soltos e densos espalhados por todo o corpo. O sistema fascial interpenetra e envolve todos os órgãos, músculos, ossos e fibras nervosas, dotando o corpo de uma estrutura funcional e proporcionando um ambiente que permite que todos os sistemas corporais operem de forma integrada.
31 Necrosante: Que necrosa ou que sofre gangrena; que provoca necrose, necrotizante.
32 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
33 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
34 Circulação linfática:

Veja também

Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.