Gostou do artigo? Compartilhe!

Você já ouviu falar em linfedema ou elefantíase?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é linfedema?

O linfedema (popularmente chamado de elefantíase) é um inchaço1 que geralmente ocorre em um ou em ambos os braços ou pernas. Esse edema2 difere em suas características clínicas dos edemas3 vasculares4 comuns, sendo um edema2 duro e frio, com pele5 espessada e endurecida e que pode durar por toda a vida.

Quais são as causas do linfedema?

O linfedema mais comumente é causado por danos ou remoção dos gânglios linfáticos6, muitas vezes como parte do tratamento de um câncer7. Isso pode ocorrer também por doenças ou outras condições que obstruam os vasos linfáticos.

O linfedema é dito primário (ou hereditário) quando ocorre por si próprio ou secundário quando é causado por doença ou outra condição. O linfedema primário, em que a pessoa nasce sem vasos ou gânglios linfáticos6, é uma condição rara. O linfedema secundário, embora também pouco frequente, é muito mais comum do que o primário e pode ser causado por remoção cirúrgica dos gânglios8 e vasos linfáticos em casos de câncer7 de mama9 ou dos testículos10, por tratamentos de irradiação, que podem causar cicatrizes11 ou inflamações12 dos gânglios8 e vasos, por bloqueio direto dos vasos pelo câncer7 ou por infecções13 dos gânglios linfáticos6 ou parasitas que podem restringir o fluxo da linfa14. O linfedema pode ser favorecido pela idade avançada, obesidade15 ou artrite reumatoide16.

Qual é a fisiopatologia17 do linfedema?

A linfa14 é um fluido transparente, produzido quando o sangue18 atravessa os vasos capilares19 e extravasa para o corpo, porque os capilares19 deixam passar o plasma20, contendo oxigênio, proteínas21, glicose22 e glóbulos brancos, e não os glóbulos sanguíneos23 vermelhos. Ela pertence ao sistema imune24 e serve à defesa imunológica das pessoas. Dois líquidos circulam normalmente pelo corpo, num sistema de vasos: o sangue18 e a linfa14. Normalmente, o fluido linfático25 circula por todo o corpo, coletando bactérias, vírus26 e restos metabólicos e os transporta através dos vasos linfáticos, que os levam para os gânglios linfáticos6 (também conhecidos como nódulos linfáticos), onde essas substâncias são filtradas e finalmente liberadas no sangue18. Qualquer bloqueio da circulação linfática27 impede que a linfa14 seja drenada regularmente, levando a um acúmulo dela nas áreas afetadas e, assim, ao inchaço1.

Quais são os principais sinais28 e sintomas29 do linfedema?

As pessoas afetadas pelo linfedema podem não desenvolver sintomas29 imediatamente após as lesões30 do sistema linfático31, os quais podem só ocorrer vários anos depois. Quando ocorrem, os principais sinais28 e sintomas29 do linfedema incluem inchaço1 dos braços ou pernas e também dos dedos, sensação de peso ou aperto, restrição de movimentos, dor ou desconforto, infecções13 recorrentes, endurecimento e espessamento da pele5. O inchaço1 causado por linfedema varia de leve e quase imperceptível a mudanças extremas, com grande aumento de volume.

Os membros inchados ficam mais vulneráveis e mesmo lesões30 pequenas na pele5, tais como cortes, arranhões, picadas de inseto ou pequenas micoses podem provocar uma infecção32 grave.

Como o médico diagnostica o linfedema?

O linfedema pode ser diagnosticado a partir de seus sinais28 e sintomas29 e o médico pode ainda pedir exames de imagem para analisar o sistema linfático31 do paciente. Os testes podem incluir ressonância magnética33, tomografia computadorizada34, ultrassonografia35 com Doppler, linfocintilografia (injeção36 de substância radioativa captada por aparelho apropriado para traçar o fluxo da linfa14 através dos vasos linfáticos) e linfangiografia (injeção36 de contraste diretamente nos vasos linfáticos), atualmente muito raramente solicitada.

Como o médico trata o linfedema?

Não há uma cura definitiva para o linfedema. Os tratamentos conservadores se concentram na redução do inchaço1, controle da dor e incluem exercícios leves com o membro afetado, envolver o braço ou a perna numa bandagem apertada para fazer o fluido linfático25 circular melhor, massagens especiais, chamadas drenagem37 linfática manual, compressão pneumática, com uma luva usada sobre o braço ou perna que se conecta a uma bomba que a infla e esvazia de forma intermitente38. Alguns fármacos podem ser prescritos para problemas especiais, como os antibióticos, em casos de infecções13. Em casos de linfedema grave, o médico pode sugerir uma cirurgia para remover o excesso de tecido39 e reduzir o inchaço1.

Como prevenir o linfedema?

Não há maneira de prevenir o linfedema, a não ser evitando, quando possível, as suas causas. Quem tem linfedema deve procurar evitar cortes, arranhões e queimaduras no membro afetado para evitar infecções13. Se possível, o paciente também deve evitar procedimentos médicos em seu membro afetado, como exames de sangue18, vacinas e injeções musculares ou venosas. Além destas medidas, deve elevar o braço ou perna sempre que possível, evitar a aplicação de frio ou calor no membro e não andar descalço.

Como evolui o linfedema?

O linfedema pode só aparecer alguns anos após as lesões30 do sistema linfático31 e ir aumentando progressivamente até se estabilizar, podendo durar por toda a vida.

Quais são as complicações possíveis do linfedema?

O linfedema pode levar a complicações graves, tais como infecções13 bacterianas da pele5 (celulite40) e/ou dos vasos linfáticos (linfangite41). O menor prejuízo para o seu braço ou perna pode ser um ponto de entrada para a infecção32. Os linfedemas não tratados podem evoluir para linfangiossarcoma, o que, no entanto, é raro.

ABCMED, 2015. Você já ouviu falar em linfedema ou elefantíase?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/799754/voce-ja-ouviu-falar-em-linfedema-ou-elefantiase.htm>. Acesso em: 29 jan. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Inchaço: Inchação, edema.
2 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
3 Edemas: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
4 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
9 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
10 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
11 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
12 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
13 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Linfa: 1. Pode referir-se à água, especialmente a límpida, no uso formal. 2. Líquido orgânico originado do sangue, composto de proteínas e lipídios, que circula nos vasos linfáticos e transporta glóbulos brancos, especialmente os linfócitos T. 3. Qualquer humor aquoso.
15 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
16 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
17 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
18 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
19 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
20 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
21 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
22 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
23 Glóbulos Sanguíneos: Células encontradas no líquido corpóreo circulando por toda parte do SISTEMA CARDIOVASCULAR.
24 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
25 Linfático: 1. Na histologia, é relativo à linfa, que contém ou que conduz linfa. 2. No sentido figurado, por extensão de sentido, a que falta vida, vigor, energia (diz-se de indivíduo); apático. 3. Na história da medicina, na classificação hipocrática dos quatro temperamentos de acordo com o humor dominante, que ou aquele que, pela lividez das carnes, flacidez dos músculos, apatia e debilidade demonstradas no comportamento, atesta a predominância de linfa.
26 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
27 Circulação linfática:
28 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
29 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
30 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
31 Sistema Linfático: Um sistema de órgãos e tecidos que processa e transporta células imunes e LINFA.
32 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
33 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
34 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
35 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
36 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
37 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
38 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
39 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
40 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
41 Linfangite: Inflamação de um ou mais vasos linfáticos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Angiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.