Gostou do artigo? Compartilhe!

Herpes simples neonatal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é herpes simples neonatal?

O herpes simples neonatal é uma doença infecciosa rara, mas grave, que afeta os recém-nascidos. Nos Estados Unidos, cerca de 1 em cada 3.500 bebês1 contraem a infecção2. No Brasil, não se conhece a incidência3.

Quais são as causas do herpes simples neonatal?

Na maioria dos casos (85%) a transmissão ocorre de mãe para filho durante o parto, quando o bebê entra em contato com secreções genitais infectadas no canal do parto, mais comuns em mães que foram expostas ao vírus4 recentemente.

Estima-se que 5% dos bebês1 recém-nascidos foram infectados quando ainda no útero5 e aproximadamente 10% dos casos são adquiridos no período pós-natal. Entre 35-55% dos casos a infecção2 infantil se dá numa primeira gestação e 3-5% nas gestações posteriores. O herpes simples neonatal pode também ser transmitido a partir de uma infecção2 não genital da mãe ou do pai localizada na boca6, nas mãos7 ou nos mamilos8, ou por contato com outros portadores de vesículas9 herpéticas.

Saiba mais sobre "Parto vaginal", "Cesariana" e "Herpes genital".

Qual é o mecanismo fisiológico10 do herpes simples neonatal?

Os recém-nascidos de mães com primoinfecção herpética não recebem anticorpos11 maternos e, por isso, apresentam formas graves da doença.

Quais são as principais características clínicas do herpes simples neonatal?

O herpes neonatal manifesta-se em três formas:

  1. Herpes de pele12, olhos13 e boca6, por vezes referido como herpes localizado. É caracterizado por lesões14 externas, sem envolvimento de órgãos internos, sendo provável que as lesões14 apareçam em locais de trauma, como o local de fixação de eletrodos no couro cabeludo fetal, fórceps ou extratores a vácuo que são usados durante o parto, na margem dos olhos13, nasofaringe15 e em áreas associadas a trauma ou cirurgia.
  2. Herpes disseminado, que, ao contrário, afeta os órgãos internos, particularmente o fígado16.
  3. Herpes do sistema nervoso central17, que é uma infecção2 do sistema nervoso18 e do cérebro19 que pode levar à encefalite20. Os bebês1 com herpes do sistema nervoso central17 podem apresentar convulsões, tremores, letargia21 e irritabilidade, eles se alimentam mal, têm temperaturas instáveis e sua fontanela22 pode se tornar protuberante.

Como o médico diagnostica o herpes simples neonatal?

O diagnóstico23 pode ser clínico e baseado na observação das lesões14 de pele12, e torna-se mais difícil quando não há lesões14 cutâneas24 (externas) características. Os testes sorológicos feitos nos casos suspeitos podem auxiliar no diagnóstico23. Atualmente indica-se a reação em cadeia da polimerase, que estabelece diagnóstico23 precoce da doença.

Como o médico trata o herpes simples neonatal?

O tratamento do herpes simples neonatal deve ser feito com medicações antivirais. No entanto, a morbidade25 e a mortalidade26 ainda permanecem altas devido ao diagnóstico23 de herpes disseminado ou de herpes do sistema nervoso central17 demorar a ser feito, retardando o tratamento. Afinal, o diagnóstico23 precoce é difícil em 20-40% dos neonatos27 infectados que não apresentam lesões14 visíveis.

Grávidas com lesões14 ativas de herpes genital no momento do parto devem ser submetidas a uma cesariana, nunca devem fazer parto vaginal.

Como evolui o herpes simples neonatal?

Os recém-nascidos de mães com primoinfecção herpética não recebem anticorpos11 maternos e apresentam prognóstico28 pior. Nas formas cutâneas24 e de mucosas29, a terapia resulta em 100% de sobrevida30. Nas formas localizadas no sistema nervoso central17, 85% dos recém-nascidos sobrevivem com 65% de sequelas31. A doença disseminada apresenta 40% de sobrevida30 com 40% de alterações graves nos sobreviventes.

O herpes do sistema nervoso central17 está associado a maior morbidade25, enquanto o herpes disseminado tem uma taxa de mortalidade26 mais alta. Essas categorias não são mutuamente exclusivas e frequentemente há sobreposição de dois ou mais tipos. O herpes de pele12, olhos13 e boca6 tem o melhor prognóstico28 dos três, no entanto, se não for tratado, pode progredir para herpes disseminado ou herpes do sistema nervoso central17, com os consequentes aumentos na mortalidade26 e morbilidade.

Leia sobre "Herpes simples", "Herpes zóster", "Citomegalovírus32", "Úlceras33 genitais femininas e masculinas" e "Corrimento vaginal". 

 

ABCMED, 2019. Herpes simples neonatal. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-crianca/1341413/herpes+simples+neonatal.htm>. Acesso em: 19 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
4 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
5 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
6 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
7 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
8 Mamilos: Órgãos cônicos os quais usualmente fornecem passagem ao leite proveniente das glândulas mamárias.
9 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
10 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
11 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
12 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
13 Olhos:
14 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
15 Nasofaringe: Nasofaringe ou cavum é a parte superior da faringe, localizada logo atrás do nariz e acima do palato mole. Nesta área, drenam as trompas de Eustáquio, comunicação entre o ouvido médio e a faringe, com a função de ventilar adequadamente as orelhas.
16 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
17 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
18 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
19 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
20 Encefalite: Inflamação do tecido encefálico produzida por uma infecção viral, bacteriana ou micótica (fungos).
21 Letargia: Em psicopatologia, é o estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir. Por extensão de sentido, é a incapacidade de reagir e de expressar emoções; apatia, inércia e/ou desinteresse.
22 Fontanela: Na anatomia geral, é um espaço membranoso entre os ossos do crânio que ainda não se encontra ossificado quando do nascimento do bebê; fontículo ou moleira. Na anatomia zoológica, é uma depressão rasa e pálida da cabeça de certos cupins; fenestra.
23 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
24 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
25 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
26 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
27 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
28 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
29 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
30 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
31 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
32 Citomegalovírus: Citomegalovírus (CMV) é um vírus pertence à família do herpesvírus, a mesma dos vírus da catapora, herpes simples, herpes genital e do herpes zóster.
33 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neonatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.