Gostou do artigo? Compartilhe!

Hemodinâmica - o que ela estuda? Quando deve ser feita?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é hemodinâmica1?

Hemodinâmica1 é o capítulo da Fisiologia2 que estuda a mecânica da circulação3 do sangue4. É o equivalente da hidrodinâmica quando o líquido é sangue4 e não água. A hemodinâmica1 é estudada de maneira mais aprofundada na especialidade de cardiologia, para avaliar o estado circulatório das artérias5 coronarianas. Como exame, ela identifica possíveis obstruções das artérias coronárias6 ou avalia o funcionamento das válvulas e do músculo cardíaco7.

Para que serve a hemodinâmica1?

O exame de hemodinâmica1 geralmente é solicitado com a finalidade de diagnosticar o estado da circulação3 das artérias5 coronarianas, identificar a possibilidade de um infarto8 agudo9 do miocárdio10 ou determinar a exata localização da obstrução que está causando um infarto8 já estabelecido. As técnicas utilizadas são minimamente invasivas e oferecem dados funcionais e anatômicos que permitem diagnosticar eventuais alterações cardíacas.

Os métodos hemodinâmicos representam um grande aliado para a cardiologia. Ao diagnosticar e localizar uma obstrução arterial por meio de cateterismo11, por exemplo, é possível realizar rapidamente o procedimento mais adequado. A rapidez entre o diagnóstico12 e o início do tratamento muitas vezes é um fator fundamental para a sobrevivência13 do paciente.

O tratamento com recursos da hemodinâmica1 evita submeter o paciente ao risco de uma cirurgia invasiva e permite uma recuperação mais rápida, com redução de sequelas14. Ao mesmo tempo, cria a possibilidade de tratamento de pacientes idosos e/ou com doenças crônicas graves. Com esses métodos, não é necessário submeter o paciente a intervenções mais arriscadas.

Leia sobre "Doença arterial coronariana",  "Infarto do miocárdio15", "Hipertensão arterial16" e "Aterosclerose17".

Como se realiza o procedimento?

O principal uso da hemodinâmica1 é o cateterismo11 cardíaco. O cateterismo11 normalmente é realizado no serviço de hemodinâmica1 de um hospital, com a pessoa acordada e deitada numa cama ou maca, sob um aparelho de radiografia. Para realizá-lo são inseridos cateteres em vasos sanguíneos18 das pernas ou dos braços, a serem guiados até o coração19 com o auxílio de exames de imagens e, em seguida, são aplicadas injeções de contraste iodado pelo cateter, o que permite visualizar as artérias coronárias6, as câmaras e válvulas cardíacas.

Após o procedimento, são geradas imagens que permitem diagnosticar alterações cardíacas, num procedimento que dura, ao todo, cerca de dez minutos. Na preparação para o exame, o paciente deve fazer um jejum de quatro horas, pelo menos. Em geral, não é necessário suspender os medicamentos que estejam em uso, embora devam ser suspensos os anticoagulantes20 (quatro dias antes do procedimento) e certos antidiabéticos (dois dias antes). Pacientes alérgicos ao contraste ou com disfunção renal21 devem fazer um preparo especial, orientado pelo médico.

A realização do procedimento começa pela aplicação de anestesia22 no local a ser incisado. Em seguida deve ser realizada uma pequena abertura para entrada do catéter, na pele23 da virilha ou do antebraço24 na altura do punho ou cotovelo. A inserção do catéter, geralmente na artéria25 radial, femoral ou braquial, será conduzida pelo médico especialista, até as artérias5 do coração19 e localização dele alternativamente nas entradas das artérias coronárias6 direita e esquerda. Então, é feita injeção26 de um contraste radiopaco à base de iodo, que permite a visualização por raios X das artérias5 e de seus pontos de obstrução. A injeção26 desse contraste também é feita dentro do ventrículo esquerdo, permitindo assim a visualização do estado do bombeamento cardíaco.

O exame causa, no máximo, pequenos incômodos. Não há dores. A duração do exame varia de acordo com o objetivo, mas normalmente não demora mais que 30 minutos. Terminado o exame o paciente deve permanecer em repouso por algumas horas, podendo, em seguida, seguir seu dia a dia normal, evitando por um curto período de tempo os grandes esforços.

Quais são os riscos do cateterismo11?

Habitualmente, o cateterismo11 cardíaco é feito sem complicações. No entanto, em raros casos, pode implicar em complicações sérias e inclusive fatais. As complicações mais frequentes são dor, sangramento ou infecção27 no local onde o cateter é introduzido, danificação acidental dos vasos sanguíneos18 utilizados, reação alérgica28 aos contrastes, arritmia29 cardíaca (batimentos irregulares do coração19), desprendimento de coágulos sanguíneos, diminuição da pressão sanguínea e acúmulo de sangue4 ou fluido na bolsa membranosa que envolve o coração19

Veja também sobre "Cateterismo11 cardíaco", "Doenças cardiovasculares30", "Fibrilação ventricular" e "Atorvastatina: prós e contras".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da Cleveland Clinic, da Mayo Clinic e do Hospital São Camilo.

ABCMED, 2019. Hemodinâmica - o que ela estuda? Quando deve ser feita?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/1351273/hemodinamica-o-que-ela-estuda-quando-deve-ser-feita.htm>. Acesso em: 22 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Hemodinâmica: Ramo da fisiologia que estuda as leis reguladoras da circulação do sangue nos vasos sanguíneos tais como velocidade, pressão etc.
2 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
3 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
6 Artérias coronárias: Veias e artérias do CORAÇÃO.
7 Músculo Cardíaco: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo.
8 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
9 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
10 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
11 Cateterismo: Exame invasivo de artérias ou estruturas tubulares (uretra, ureteres, etc.), utilizando um dispositivo interno, capaz de injetar substâncias de contraste ou realizar procedimentos corretivos.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
14 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
15 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
16 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
17 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
18 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
19 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
20 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
21 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
22 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
23 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
24 Antebraço:
25 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
26 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
27 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
28 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
29 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
30 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.