Gostou do artigo? Compartilhe!

Algumas informações importantes sobre medicamentos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Qual é a diferença entre medicamentos e remédios?

Muito frequentemente os dois termos costumam ser tidos como equivalentes e serem usados indiscriminadamente como sinônimos. No entanto, são coisas diferentes.

Medicamentos são substâncias ou preparações elaboradas em farmácias ou indústrias farmacêuticas atendendo a especificações técnicas e legais e que são utilizados com a finalidade de diagnosticar, prevenir ou curar as doenças e aliviar sintomas1. Ao utilizá-los pode-se ter clara a ação que se espera deles. O termo medicamentum resulta da fusão da raiz latina extraída de médico, medicina, medicar, etc., com o verbo medeor, que significa cuidar, proteger, tratar.

Remédio (latim: remedium = aquilo que cura) é um termo mais amplo que medicamento e, na verdade, engloba esse último. Todo medicamento é um remédio, mas nem todo remédio é um medicamento. Todos os recursos utilizados para curar ou aliviar uma enfermidade são remédios, como, por exemplo, um preparado caseiro com plantas medicinais, repouso, psicoterapia, fisioterapia2, acupuntura, cirurgia, etc. Muitas vezes, não haverá necessidade de utilizar medicamentos para resolver problemas de saúde3, um remédio não medicamentoso pode fazer o efeito desejado.

Leia sobre "Automedicação4", "Efeitos de beber tomando remédios" e "Polifarmácia".

Qual é o tipo de ação dos medicamentos?

A maior parte dos medicamentos é usada para o alívio de sintomas1, como dor, febre5, inflamação6, tosse, coriza7, vômito8, náuseas9, ansiedade, insônia, etc., e não age na causa das doenças. Por isso, são chamados de medicamentos sintomáticos.

Há também os medicamentos que podem curar doenças, eliminando sua causa ou corrigindo uma função corporal deficiente, como os medicamentos contra infecções10 e infestações (antibióticos, anti-helmínticos, antiprotozoários, etc.).

Outros medicamentos, ainda, são utilizados para prevenir doenças, como os soros, vacinas, antissépticos11, complementos vitamínicos e minerais, profiláticos da cárie, etc.

Existem também os medicamentos que auxiliam em diagnósticos, como contrastes radiológicos, colírios utilizados para facilitar o diagnóstico12 oftalmológico, substâncias radioativas usadas com traçadores, etc.

O que é farmacocinética e farmacodinâmica dos medicamentos?

A farmacocinética dos medicamentos descreve como eles são absorvidos, distribuídos, metabolizados e eliminados. O efeito de qualquer medicamento requer que ele alcance a região-alvo específica nos tecidos em que exercerá sua ação. As medicações tópicas agem no próprio local em que são aplicadas. Por exemplo, pomadas aplicadas sobre a pele13, substâncias inaláveis que devem agir sobre os pulmões14enemas15, colírios, gotas otológicas, sprays intranasais.

Os demais medicamentos, tomados por via enteral ou parenteral, devem ser absorvidos e cair na corrente sanguínea, tendo, pois, um efeito sistêmico16. Para fazerem um efeito benéfico, os medicamentos devem atingir uma concentração necessária no local alvo, mas como seus efeitos são sistêmicos17, eles atingem também essa concentração em outros órgãos, e isso motiva alguns de seus efeitos colaterais18.

A farmacodinâmica dos medicamentos envolve a ação deles no organismo humano (efeitos terapêuticos e efeitos colaterais18), bem como o local onde o medicamento age no organismo e o seu mecanismo de ação. A atuação de um medicamento em cada indivíduo dependerá da sua genética, da sua idade e da presença eventual de outros quadros clínicos além daquele que está sendo tratado. Por isso, apesar de uma certa regularidade de ação, há uma margem de imprevisibilidade no uso de quaisquer medicações.

Quais são os efeitos das interações medicamentosas?

As interações medicamentosas de um determinado medicamento com outras substâncias, medicamentos ou não, inclusive com alimentos, envolvem combinações que alteram o efeito do medicamento no corpo. Isso pode fazer com que o medicamento seja menos ou mais potente do que o pretendido ou resultar em efeitos colaterais18 inesperados e às vezes perigosos.

Se o paciente tiver de usar dois ou mais medicamentos, deve consultar o médico sobre a compatibilidade entre eles e incluir nisso as ervas, suplementos, certos alimentos especiais, vitaminas, drogas, álcool e fumo. É importante também informar ao médico sobre a predisposição que tenha para reações alérgicas ou outras condições de saúde3.

Outras interações aparentemente simples, mas com importância terapêutica19, dizem respeito à associação dos remédios com os alimentos e a água. Devem ser tomados às refeições ou longe delas? Em jejum? Exigem alguma dieta especial?

O que é “meia-vida” de um medicamento?

A meia-vida de um medicamento é o tempo que leva para a quantidade da substância ativa dele no organismo ser reduzida à metade. Isso depende de como o corpo processa e elimina a droga, mas serve também para determinar o espaçamento com que a medicação deve ser tomada, que pode variar de algumas horas a alguns dias ou, às vezes, semanas. Por exemplo, se a meia-vida de um medicamento for de 6 horas, uma dose dele deve ser tomada de 6 em 6 horas; se for de 12 horas, ele deve ser tomado duas vezes ao dia, e assim por diante.

Desse fato, retira-se também a importância de observar a regularidade das tomadas, para que os níveis sanguíneos do medicamento se mantenham estáveis pelo tempo necessário. Uma droga de meia-vida curta geralmente significa maiores problemas de abstinência ao ser retirada, e outra de meia-vida longa geralmente significa menos problemas. Isso assume particular importância com os medicamentos capazes de gerar dependência.

A meia-vida também ajuda a calcular quanto tempo o medicamento levará para atingir um nível estável no corpo. De modo geral, leva cerca de cinco vezes o valor da meia-vida da droga para construir um nível estável no organismo.

Veja também sobre "Uso excessivo de antidepressivos", "Cuidados necessários ao tomar anti-inflamatórios não esteroides (AINES)" e "Remédios que engordam".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do MSD Manuals e do Departamento de Farmacologia da Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.

ABCMED, 2021. Algumas informações importantes sobre medicamentos. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1396740/algumas-informacoes-importantes-sobre-medicamentos.htm>. Acesso em: 23 set. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Automedicação: Automedicação é a prática de tomar remédios sem a prescrição, orientação e supervisão médicas.
5 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
6 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
7 Coriza: Inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo.
8 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
9 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
10 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Antissépticos: Que ou os que impedem a contaminação e combatem a infecção.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
14 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
15 Enemas: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
16 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
17 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
18 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
19 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.