Gostou do artigo? Compartilhe!

Conhecendo os sinais vitais e suas funções

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são sinais vitais1?

Os sinais vitais1 são um grupo de sinais2 indicadores do desempenho das funções vitais, medidos para estabelecer seus padrões basais, orientar o diagnóstico3 inicial de uma enfermidade, observar tendências dos processos fisiológicos, fazer o acompanhamento da evolução do quadro clínico e monitorar a resposta do paciente ao tratamento. Chama-se funções vitais às funções orgânicas diretamente responsáveis pela manutenção da vida.

Os sinais vitais1 são quatro: (1) pressão arterial4, (2) pulsação, (3) frequência respiratória e (4) temperatura corporal. Eles são quantificados mediante avaliações numéricas e comparados a parâmetros tidos como normais, que variam de acordo com a idade, peso, sexo e saúde5 geral do paciente e servem para indicar seu estado geral atual e fornecer pistas para possíveis doenças e para a evolução do tratamento.

1 - Pressão arterial4

 A pressão sanguínea é a força do sangue6 que atua sobre as paredes das artérias7, fazendo pressão sobre elas. Essa pressão é maior durante a sístole8 (contração do coração9) e menor durante a diástole10 (relaxamento do coração9). Cada vez que o coração9 se contrai (bate), bombeia sangue6 para as artérias7, resultando na pressão arterial4 mais alta. Quando o coração9 relaxa, a pressão arterial4 cai.

Assim, dois números são registrados ao medir a pressão arterial4: o maior deles acontece durante a sístole8 cardíaca e é chamado de pressão sistólica11; o menor deles se verifica no momento de diástase, sendo chamado de pressão diastólica12.

A hipertensão arterial13 (ou elevação da pressão arterial4) aumenta diretamente o risco de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca14 e acidente vascular cerebral15. Com a hipertensão arterial13, as artérias7 podem ter uma resistência aumentada contra o fluxo de sangue6, fazendo com que o coração9 bombeie com mais força para o sangue6 circular.

A pressão arterial sistólica16 normal deve ser de, no máximo, 120 mmHg (milímetros de mercúrio) e a pressão diastólica12 deve ficar igual ou inferior a 80 mmHg. No entanto, esses números devem ser usados apenas como guia. Uma única medida da pressão arterial4 elevada não é necessariamente uma indicação de um problema. O médico precisa ver várias medições da pressão arterial4 durante vários dias ou semanas antes de fazer um diagnóstico3 e iniciar um tratamento.

Em crianças de até 1 ano de idade, a pressão arterial4 normal pode atingir 100/80 mmHg; aos 11 anos ela pode ser de 110/75 mmHg e em adolescentes ela já é próxima aos valores da pressão arterial4 adulta.

Saiba mais sobre "Hipertensão arterial13", "Insuficiência cardíaca14" e "Acidente vascular cerebral15".

2 - Pulsação

Quando o coração9 força o sangue6 através das artérias7, a pessoa sente os batimentos pressionando firmemente as artérias7 que estão localizadas perto da superfície da pele17 em certos pontos do corpo. A pulsação pode ser tomada mais facilmente na lateral do pescoço18, na parte interior do cotovelo ou no pulso. Para a maioria das pessoas, é mais fácil tomar a pulsação no pulso.

A pulsação é uma medida da frequência cardíaca (número de vezes que o coração9 bate por minuto), mas também indica o ritmo do coração9 e a força do pulso, que corresponde à força de ejeção de sangue6 pelo coração9. Uma pulsação normal para adultos saudáveis varia de 60 a 100 batimentos por minuto.

A taxa de pulsação aumenta fisiologicamente com exercícios e com emoções ou, patologicamente, devido a lesões19 ou doenças. Adolescentes acima dos 12 anos e mulheres adultas tendem a ter batimentos cardíacos mais rápidos que os adolescentes meninos e homens adultos. Pessoas com alto condicionamento cardiovascular (como atletas e corredores, por exemplo) podem ter frequência cardíaca próxima a 40 batimentos por minuto, sem apresentarem problemas.

Em crianças até 1 ano de idade a frequência cardíaca varia entre 100 e 160 batimentos por minuto (bpm); até os 11 anos, varia de 70 a 120 bpm.

3 - Frequência respiratória

A frequência respiratória é o número de respirações que uma pessoa realiza por minuto. A taxa é medida quando uma pessoa está em repouso e simplesmente envolve a contagem do número de respirações por minuto, contando quantas vezes o peito20 se expande. As taxas de respiração normal para uma pessoa adulta em repouso variam de 12 a 16 respirações por minuto, mas podem aumentar com exercícios físicos, febre21, doenças e outras condições médicas. Ao verificar a respiração, é importante observar também se a pessoa tem dificuldades de respirar e, se for o caso, de que tipo ela é.

Em crianças até 2 a 6 meses de idade, a frequência respiratória varia entre 30 e 60 incursões respiratórias por minuto; de 6 meses a 11 meses de idade varia de 24 a 50 incursões por minuto; de 1 até os 5 anos pode atingir até 40 incursões por minuto. De 6 a 8 anos pode chegar a 30 incursões por minuto; de 8 a 12 anos varia entre 18 a 20 incursões por minuto e em adolescentes e pré-adolescentes varia entre 12 e 18 incursões por minuto. Deve sempre ser avaliada com a criança calma, na ausência de choro ou agitação.

4 - Temperatura corporal

A temperatura corporal normal de uma pessoa varia dependendo do sexo, atividade recente, consumo de alimentos e líquidos, horário do dia e, nas mulheres, com o estágio do ciclo menstrual. A temperatura corporal normal, em todas as idades, pode variar de 36,1 a 37,2 graus Celsius, com média de 36,5º C. A temperatura corporal de uma pessoa pode ser tomada por várias vias: (a) oralmente, medida na boca22; (b) por via retal, tomada no ânus23; (c) axilar, tomada sob o braço; (d) no ouvido, obtida no tímpano24 e (e) na pele17, tomada na testa.

A temperatura corporal pode ser anormal devido à febre21 (temperatura alta) ou hipotermia25 (temperatura baixa). É considerada uma febre21 quando a temperatura do corpo fica acima de 37,8 graus centígrados. A hipotermia25 é definida como uma queda na temperatura corporal abaixo de 35,1 graus centígrados.

A causa mais comum de elevação sustentada da temperatura é a presença de processos infecciosos, mas ela pode também surgir em função de outras causas, como exercícios físicos intensos, absorção de líquidos orgânicos, exposição a temperaturas ambientais extremamente altas, etc. A hipotermia25, por seu turno, tem dois tipos principais de causas: exposição ao frio extremo ou qualquer condição que diminua a produção de calor ou aumente a perda de calor corporal.

Leia mais sobre "Febre21", "Hipotermia25", "Diferenças entre inflamação26 e infecção27" e "Infecção27 hospitalar".

 

ABCMED, 2019. Conhecendo os sinais vitais e suas funções. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1338438/conhecendo-os-sinais-vitais-e-suas-funcoes.htm>. Acesso em: 26 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sinais vitais: Conjunto de variáveis fisiológicas que são pressão arterial, freqüência cardíaca, freqüência respiratória e temperatura corporal.
2 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
8 Sístole: Período em que o miocárdio (músculo cardíaco) se contrai. Nesta fase, o sangue é ejetado dos ventrículos para as artérias.
9 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
10 Diástole: Período em que o miocárdio (músculo cardíaco) se relaxa. Nesta fase o sangue entra nos átrios, proveniente das veias e, em seguida, passa aos ventrículos.
11 Pressão sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco. É também chamada de pressão máxima.
12 Pressão Diastólica: É a pressão mais baixa detectada no sistema arterial sistêmico, observada durante a fase de diástole do ciclo cardíaco. É também denominada de pressão mínima.
13 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
14 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
15 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
16 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
17 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
18 Pescoço:
19 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
20 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
21 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
22 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
23 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
24 Tímpano: Espaço e estruturas internas à MEMBRANA TIMPÂNICA e externas à orelha interna (LABIRINTO). Entre os componentes principais estão os OSSÍCULOS DA AUDIÇÃO e a TUBA AUDITIVA, que conecta a cavidade da orelha média (cavidade timpânica) à parte superior da garganta.
25 Hipotermia: Diminuição da temperatura corporal abaixo de 35ºC.Pode ser produzida por choque, infecção grave ou em estados de congelamento.
26 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
27 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.