Gostou do artigo? Compartilhe!

Coronavírus: como é o vírus? Como uma pessoa se infecta? Como evitar a contaminação?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é e como se comporta o coronavírus?

O coronavírus não é um organismo vivo, mas uma molécula de RNA que usa uma enzima1 em sua replicação. O vírus2 tem o aspecto de uma Coroa Solar à microscopia eletrônica (latim: corona = coroa), daí o seu nome. Sua frágil estrutura é constituída de partículas esféricas envoltas por uma bicamada lipídica que o protege quando está fora da célula3 hospedeira.

Existem várias cepas4 de coronavírus que sabidamente infectam humanos, conhecidas desde a década de 60 do século passado, a maior parte das quais causa infecção5 respiratória leve. Até agora, os coronavírus que circulavam entre os seres humanos eram tipicamente benignos. Na verdade, muitos coronavírus são uma das principais causas do resfriado comum.

Na presente pandemia6, estamos diante de uma cepa7 NOVA de coronavírus (SARS-CoV-2), que pode causar desde uma infecção5 leve em algumas pessoas (80% dos casos) até problemas graves, como síndrome8 da angústia respiratória aguda e pneumonia9 viral. Nessas últimas eventualidades, líquidos se acumulam ao redor e dentro dos pulmões10, impedindo a respiração normal. Além disso, a infecção5 grave pode causar septicemia11, choque12 séptico e morte. A doença causada por esse novo coronavírus recebeu o nome de COVID-19.

Leia sobre "Gripe13", "Resfriado", "Septicemia11" e "Choque12 séptico".

Como a pessoa se infecta com o novo coronavírus?

A infecção5 começa quando a glicoproteína da superfície viral se liga ao seu receptor. Após a ligação, uma protease da célula3 hospedeira ativa uma proteína do receptor que permite que o vírus2 entre no citoplasma14 da célula3 hospedeira. Dentro da célula3, certo número de proteínas15 coalesce (se junta) para formar um complexo diretamente envolvido na replicação e transcrição do RNA. Uma das principais funções do complexo é replicar o genoma viral e fazer a síntese do RNA genômico.

Pensa-se que a transmissão do coronavírus de humano a humano ocorra principalmente por meio de contatos próximos, através de gotículas respiratórias geradas por espirros e tosse. A interação da proteína da superfície do coronavírus com seu receptor na célula3 hospedeira é central na determinação da infecciosidade.

Como combater o coronavírus?

Como o vírus2 se acha protegido por uma camada gordurosa, tudo que dissolva a gordura16 é capaz de aniquilá-lo: sabão, álcool acima de 65%, hipoclorito (soda cáustica), detergentes, etc. Além disso, o vírus2 decai por si próprio, na dependência da superfície em que se encontra, da temperatura e da umidade.

Para evitar ser contaminado pelo vírus2, deve-se:

* Lavar as mãos17 frequentemente ou ao ter contado com pessoas, objetos ou superfícies que possam veicular o vírus2, esfregando pelo menos por 20 segundos, para que a espuma desfaça a gordura16.

* Passar nas mãos17, objetos ou superfícies que possam estar contaminadas álcool ou qualquer mistura que contenta álcool acima de 65%. Os detergentes parecem ter o mesmo efeito. Toda mistura contendo 1 parte de alvejante e 5 partes de água também cumpre esse objetivo.

Outros fatores, embora não tão decisivos, podem contribuir na desestabilização do vírus2:

  • Temperatura: o calor derrete gordura16 e é por isso que é bom lavar as mãos17, objetos ou roupas, etc. em água morna (acima de 25º C). Por outro lado, as moléculas do vírus2 permanecem muito estáveis no frio ambiente ou no frio gerado artificialmente por condicionadores de ar em casas ou em carros.
  • Umidade, luminosidade e raios UV: as moléculas do vírus2 também precisam de umidade e escuridão para permanecerem estáveis. Portanto, ambientes desumidificados, secos, quentes e muito luminosos são mais desconfortáveis para elas. Também a luz UV que incida sobre qualquer objeto que contenha o vírus2 decompõe a proteína que o compõe.

Alguns outros cuidados e observações sobre o atual coronavírus:

  • Depositado em uma superfície, desintegra-se em 3 horas em tecido18 poroso; em 4 horas no cobre e em madeira; em 24 horas no papelão; em 42 horas no metal e em 72 horas no plástico. No ar, as moléculas do vírus2 flutuam por até 3 horas e podem se alojar no nariz19.
  • Como o vírus2 não é um organismo vivo como as bactérias, nenhum bactericida ou antibiótico tem utilidade. Eles só devem ser usados em casos de alguma infecção5 intercorrente ou, em alguns casos, como preventivos.
  • O vírus2 não consegue atravessar a pele20 saudável, mas pode penetrar por alguma ferida ou laceração. A penetração usual dele é pelas mucosas21.
  • Quanto mais confinado o espaço, maior a concentração do vírus2. Quanto mais aberto ou naturalmente ventilado, melhor.
  • As mãos17 podem ficar ressecadas de tanto serem lavadas. É necessário hidratá-las porque as moléculas podem se esconder nas micro rachaduras. Quanto mais espesso o hidratante, melhor. Mantenha também as unhas22 curtas, para que o vírus2 não se oculte embaixo delas.
Veja também sobre "Ibuprofeno e Coronavírus", "Síndrome8 respiratória aguda grave (SARS)" e "Intubação endotraqueal".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites do Centro de Vigilância Epidemiológica do Governo do Estado de São Paulo e do EBSERH – Ministério da Educação - BR.

ABCMED, 2020. Coronavírus: como é o vírus? Como uma pessoa se infecta? Como evitar a contaminação?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1364568/coronavirus-como-e-o-virus-como-uma-pessoa-se-infecta-como-evitar-a-contaminacao.htm>. Acesso em: 24 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
4 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
7 Cepa: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
8 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
9 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
10 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
11 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
12 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
13 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
14 Citoplasma: A parte da célula que contém o CITOSSOL e pequenas estruturas, excluindo o NÚCLEO CELULAR, MITOCÔNDRIA e os VACÚOLOS grandes. (Tradução livre do original
15 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
16 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
17 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
18 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
19 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
20 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
21 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
22 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.