Gostou do artigo? Compartilhe!

Pericondrite - conceito, causas, sintomas, diagnóstico e tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é pericondrite?

A pericondrite é uma infecção1 que acomete o tecido conjuntivo2 que envolve a cartilagem3 do pavilhão auricular e/ou o canal auditivo. Normalmente, ela atinge toda a orelha4, com exclusão do lóbulo, que não possui cartilagem3.

Quais são as causas da pericondrite?

A pericondrite pode ser causada por traumas, lesões5, queimaduras, picadas de insetos, colocação de piercings, cirurgia na orelha4 ou furúnculos na orelha4. A infecção1 também costuma ocorrer em pessoas com distúrbios inflamatórios, nas quais o sistema imunológico6 está enfraquecido, ou com diabetes7.

A Pseudomonas aeruginosa é a bactéria8 mais comumente observada em casos de pericondrite.

Leia sobre "Protetores auditivos", "Audiometria9", "Surdez" e "Perfuração do tímpano10".

Qual é o substrato fisiológico11 da pericondrite?

A cartilagem3 é o tecido12 espesso que confere forma, entre outros órgãos, ao nariz13 e ao pavilhão da orelha4. Essa cartilagem3 é recoberta por uma fina camada de tecido conjuntivo2, denominado pericôndrio, responsável por nutrir o tecido12 cartilaginoso. Quando inflamado, esse tecido12 gera um quadro clínico chamado pericondrite.

Dentre os fatores constitucionais que mais contribuem para o desenvolvimento da pericondrite estão a escassez de tecido subcutâneo14 entre a cartilagem3 e a pele15 e a diminuta irrigação sanguínea da cartilagem auricular16, deixando-a mais predisposta ao desenvolvimento de infecções17 bacterianas.

Quais são as principais características clínicas da pericondrite?

Os sinais18 e sintomas19 iniciais da pericondrite da orelha4 são: dor intensa, vermelhidão, edema20 das orelhas21 e temperatura local e corporal aumentadas. Em casos graves, o derretimento purulento22 da cartilagem auricular16 ocorre e o pus23 aparece entre o pericôndrio e a cartilagem3. O lóbulo permanece inalterado, ajudando a distinguir pericondrite de otite24 externa.

A pericondrite pode ser uma doença devastadora e, se não for adequadamente tratada, a infecção1 pode se agravar em uma condrite liquefeita, resultando em desfiguração e mesmo perda da orelha4.

Como o médico diagnostica a pericondrite?

O diagnóstico25 é feito com base nas manifestações clínicas, juntamente com o histórico de danos à orelha4 e exame físico. Como a orelha4 é um órgão externo, a observação direta é possível e isso contribui ainda mais para o diagnóstico25.

Um diagnóstico25 diferencial deve ser feito com a sensibilidade ou flutuação do processo mastoide26 do osso temporal, bem como envolvimento facial, orbital ou do ouvido médio27.

Como o médico trata a pericondrite?

O tratamento é feito com o uso de antibióticos, que podem ser administrados por via oral ou intravenosa, dependendo da gravidade do quadro. Nos casos mais graves, quando há o aprisionamento de pus23 na lesão28 (abscesso29), a cirurgia pode ser necessária para drenar o pus23. Uma cirurgia plástica pode ser necessária para devolver uma aparência normal a uma orelha4 que tenha sido deformada.

O médico deve remover quaisquer corpos estranhos que estejam presos à orelha4, como brincos ou piercings, por exemplo. Compressas quentes também podem ajudar e analgésicos30 podem ser usados, se necessários.

Quais são as complicações possíveis da pericondrite?

A pericondrite pode levar à condrite, que é uma infecção1 da própria cartilagem3, o que pode causar danos graves à estrutura da orelha4, deformando-a. Nos casos de maior gravidade, partes da orelha4 talvez precisem ser removidas e o pavilhão da orelha4 tenha de ser refeito por uma cirurgia plástica.

Veja também sobre "Otite24", "Zumbido no ouvido31", "Doença de Ménière?" e "Labirintite32".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites do Nicklaus Children’s Hospital e do Penn State Hersley Medical Center.

ABCMED, 2020. Pericondrite - conceito, causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1363038/pericondrite-conceito-causas-sintomas-diagnostico-e-tratamento.htm>. Acesso em: 31 mar. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
3 Cartilagem: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
4 Orelha: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
5 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
6 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
7 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
8 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
9 Audiometria: Método utilizado para estudar a capacidade e acuidade auditivas perante diferentes freqüências sonoras.
10 Tímpano: Espaço e estruturas internas à MEMBRANA TIMPÂNICA e externas à orelha interna (LABIRINTO). Entre os componentes principais estão os OSSÍCULOS DA AUDIÇÃO e a TUBA AUDITIVA, que conecta a cavidade da orelha média (cavidade timpânica) à parte superior da garganta.
11 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
12 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
13 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
14 Tecido Subcutâneo: Tecido conectivo frouxo (localizado sob a DERME), que liga a PELE fracamente aos tecidos subjacentes. Pode conter uma camada (pad) de ADIPÓCITOS, que varia em número e tamanho, conforme a área do corpo e o estado nutricional, respectivamente.
15 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
16 Cartilagem Auricular: Cartilagem do PAVILHÃO AURICULAR e CANAL AUDITIVO EXTERNO.
17 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
18 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
21 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
22 Purulento: Em que há pus ou cheio de pus; infeccionado. Que segrega pus. No sentido figurado, cuja conduta inspira nojo; repugnante, asqueroso, sórdido.
23 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
24 Otite: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Processo mastoide: Projeção arredondada do osso temporal localizada logo abaixo do meato acústico (canal no osso temporal que leva à orelha média) e serve de ponto de fixação para vários músculos do pescoço.
27 Ouvido médio: Atualmente denominado orelha média, é constituído pela membrana timpânica, cavidade timpânica, células mastoides, antro mastoide e tuba auditiva. Separa-se da orelha externa através da membrana timpânica e se comunica com a orelha interna através das janelas oval e redonda.
28 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
29 Abscesso: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
30 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
31 Zumbido no ouvido: Pode ser descrito como um som parecido com campainhas no ouvido ou outros barulhos dentro da cabeça que são percebidos na ausência de qualquer fonte de barulho externa.
32 Labirintite: Doença que pode acometer tanto o equilíbrio, quanto a parte auditiva. Os órgãos responsáveis pelo equilíbrio e pela audição estão situados no ouvido interno e se comunicam com o sistema nervoso central através dos nervos da audição e do nervo vestibular. Doenças infecciosas, inflamatórias, tumorais e alterações genéticas podem ocasionar alterações nessas estruturas anatômicas. Além da vertigem, a labirintite pode apresentar manifestações neurovegetativas - náuseas, vômitos, sudorese e alterações gastrintestinais como também estar associada a manifestações auditivas - perda de audição, sensação de ouvido cheio ou tapado e zumbido.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Otorrinolaringologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.