Atalho: 6BE2SMM
Gostou do artigo? Compartilhe!

Otites. O que saber sobre elas?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são otites1?

Otites1 são inflamações2 do ouvido, patologia3 bastante comum em crianças pequenas.

As otites1 podem ocorrer por inflamação4 da pele5 do conduto auditivo (orelha externa6), sendo chamadas de otite externa7, ou por inflamação4 da cavidade conhecida como ouvido ou orelha média8, recebendo o nome de otite média9.

Como é a anatomia do ouvido?

O ouvido é dividido em ouvido externo10, médio e interno.

  • O ouvido externo10 é constituído pelas orelhas11 e canal auditivo externo. Ele capta e amplifica os sons, dirigindo-os ao tímpano12 - membrana que separa o ouvido externo10 do ouvido médio13.
  • O ouvido médio13 é constituído por uma câmera aérea no interior do osso temporal do crânio14, na qual existem três ossículos articulados: o martelo15, a bigorna e o estribo. Estes ossículos captam os estímulos chegados ao tímpano12 e os conduzem ao ouvido interno16. O ouvido médio13 comunica-se com as cavidades nasais através da trompa de Eustáquio17 (ou tuba auditiva18), que tem a função de equilibrar a pressão entre o ouvido médio13 e o meio ambiente.
  • O ouvido interno16 é muito integrado ao cérebro19 e é constituído pelo labirinto20, órgão responsável pelo equilíbrio e pela transformação dos estímulos captados em impulsos nervosos.

Quais são as causas das otites1?

As otites1 externas geralmente são causadas por umidade excessiva e traumatismos por cotonete ou outros objetos inseridos no ouvido. É uma doença extremamente dolorosa.

As otites1 médias normalmente envolvem a trompa de Eustáquio17, estrutura que liga a orelha média8 à parte mais profunda do nariz21, a nasofaringe22. Secreções nasais infectadas podem passar pela tuba auditiva18 e chegar ao ouvido médio13, gerando inflamação4. Este tipo de otite23 geralmente ocorre após gripes, resfriados, infecções24 na garganta25 ou infecções24 respiratórias.

Quais são os sintomas26 mais comuns da otite média9?

As otites1 médias podem ser agudas ou crônicas, episódicas ou de repetição. Os sintomas26 mais comuns da otite média9 são: dor muito forte, febre27 alta, diminuição da audição e do apetite e secreção local, quase todos devidos à pressão exercida pelo acúmulo de pus28. Este acúmulo de secreção pode ser tão intenso que leva à ruptura da membrana timpânica29 (otite média9 aguda supurada). Em casos mais severos, a otite média9 pode ter como consequência a perda da audição, se não for tratada adequadamente.

Como o médico diagnostica as otites1?

O diagnóstico30 das otites1 baseia-se na análise dos sinais31 e sintomas26 clínicos e no exame do ouvido com aparelhos específicos como o otoscópio e o microscópio.

Como é feito o tratamento das otites1?

A otite externa7 geralmente é tratada com medicamentos tópicos, ou seja, pomadas específicas ou gotas otológicas aplicadas no ouvido externo10.

O tratamento das otites1 médias envolve o uso de medicamentos como analgésicos32, anti-inflamatórios e antibióticos. A melhoria dos sintomas26 geralmente ocorre dentro de três dias. Às vezes, se faz necessária uma punção do pus28 coletado atrás do tímpano12, que é feita por meio de uma pequena incisão33 nessa membrana, a qual posteriormente se refaz de maneira espontânea.

Em crianças abaixo de 2 anos de idade e pacientes com febre27, o uso de antibióticos quase sempre é necessário para alívio sintomático34 e prevenção das complicações das otites1 médias. Mas a maioria dos casos, principalmente em adultos, pode ser tratada com analgésicos32 e anti-inflamatórios. O médico (clínico geral, pediatra ou otorrinolaringologista) deve avaliar qual o melhor medicamento a ser usado em cada caso.

Quais são os cuidados que podem ser tomados para evitar as otites1?

  • Evitar o uso de cotonetes que podem empurrar a cera para o interior do ouvido ou mesmo perfurar o tímpano12.
  • Usar protetores de ouvido quando for nadar.
  • Limpar com frequência as secreções nasais ou da garganta25 para que elas não se acumulem e subam para o ouvido.
  • Em caso de resfriados, gripes ou rinites, lavar as narinas com soro35 fisiológico36 várias vezes ao dia.
  • Nunca amamentar um bebê deitado (sempre sentado ou recostado), pois isso facilita que o leite ascenda pela trompa.
  • Não introduzir objetos no ouvido para limpá-lo ou coçá-lo.
  • Enxugar bem a orelha37 após o banho.
  • Não fumar próximo às crianças.
  • Controlar doenças alérgicas e inflamatórias que acometem as fossas nasais.
  • Tratar o refluxo gastroesofágico38 de crianças.
  • Se possível, manter crianças menores de 2 anos fora de creches.
ABCMED, 2012. Otites. O que saber sobre elas?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/259550/otites-o-que-saber-sobre-elas.htm>. Acesso em: 16 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Otites: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
2 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
3 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
4 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Orelha Externa: Parte externa do sistema auditivo do corpo. Inclui o PAVILHÃO AURICULAR (semelhante a uma concha), que coleta o som, MEATO ACÚSTICO EXTERNO, MEMBRANA TIMPÂNICA, e as CARTILAGENS DA ORELHA EXTERNA.
7 Otite externa: Infecção do ouvido que acomete a região da orelha externa, revestida por pele e constituída pelo pavilhão auricular e o conduto auditivo externo, o qual termina numa membrana chamada tímpano.
8 Orelha Média: Espaço e estruturas internas à MEMBRANA TIMPÂNICA e externas à orelha interna (LABIRINTO). Entre os componentes principais estão os OSSÍCULOS DA AUDIÇÃO e a TUBA AUDITIVA, que conecta a cavidade da orelha média (cavidade timpânica) à parte superior da garganta.
9 Otite média: Infecção na orelha média.
10 Ouvido externo: Atualmente denominado orelha externa, consiste em duas porções: o pavilhão auditivo e o meato acústico externo, canal fechado em sua parte medial pela membrana timpânica, o que faz o limite da orelha média.
11 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
12 Tímpano: Espaço e estruturas internas à MEMBRANA TIMPÂNICA e externas à orelha interna (LABIRINTO). Entre os componentes principais estão os OSSÍCULOS DA AUDIÇÃO e a TUBA AUDITIVA, que conecta a cavidade da orelha média (cavidade timpânica) à parte superior da garganta.
13 Ouvido médio: Atualmente denominado orelha média, é constituído pela membrana timpânica, cavidade timpânica, células mastoides, antro mastoide e tuba auditiva. Separa-se da orelha externa através da membrana timpânica e se comunica com a orelha interna através das janelas oval e redonda.
14 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
15 Martelo: O maior dos ossículos da audição, o qual se encontra fixado à membrana do tímpano (MEMBRANA TIMPÂNICA). Sua cabeça, em formato de martelo, articula-se com a BIGORNA.
16 Ouvido interno: Atualmente denominado orelha interna está localizado na porção petrosa do osso temporal, recebe terminações nervosas do nervo coclear e vestibular, sendo parte essencial dos órgãos da audição e equilíbrio. É constituído de três estruturas: labirinto membranoso (endolinfático), labirinto ósseo (perilinfático) e cápsula ótica.
17 Trompa de Eustáquio: Passagem estreita que liga a parte superior da garganta à CAVIDADE TIMPÂNICA.
18 Tuba Auditiva: Passagem estreita que liga a parte superior da garganta à CAVIDADE TIMPÂNICA. Sinônimos: Trompa de Eustáquio; Tuba Auditória; Tuba Faringotimpânica
19 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
20 Labirinto: 1. Vasta construção de passagens ou corredores que se entrecruzam de tal maneira que é difícil encontrar um meio ou um caminho de saída. 2. Anatomia: conjunto de canais e cavidades entre o tímpano e o canal auditivo, essencial para manter o equilíbrio físico do corpo. 3. Sentido figurado: coisa complicada, confusa, de difícil solução. Emaranhado, imbróglio.
21 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
22 Nasofaringe: Nasofaringe ou cavum é a parte superior da faringe, localizada logo atrás do nariz e acima do palato mole. Nesta área, drenam as trompas de Eustáquio, comunicação entre o ouvido médio e a faringe, com a função de ventilar adequadamente as orelhas.
23 Otite: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
24 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
25 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
26 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
27 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
28 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
29 Membrana Timpânica: Membrana semi-transparente (oval), que separa da cavidade timpânica (ORELHA MÉDIA) o Meato Acústico Externo. Contém três camadas
30 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
31 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
32 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
33 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
34 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
35 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
36 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
37 Orelha: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
38 Refluxo gastroesofágico: Presença de conteúdo ácido proveniente do estômago na luz esofágica. Como o dito órgão não está adaptado fisiologicamente para suportar a acidez do suco gástrico, pode ser produzida inflamação de sua mucosa (esofagite).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

03/07/2014 - Comentário feito por JOICE
ESTOU PASSANDO POR ISSO NESSE EXATO MOMENTO E O...
ESTOU PASSANDO POR ISSO NESSE EXATO MOMENTO E O MEU TEM UM PROBLEMA MAIOR POR SER NOS DOIS OUVIDOS E FOI DETECTADA OTITE MEDIA A DOR É TERRIVEL E INESPLICAVEL.

13/02/2014 - Comentário feito por Sergio
Re: Otites. O que saber sobre elas?
Com 56 anos de idade (completo dia 15 de fevereiro), aprendi mais um pouco de como devo cuidar de um dos bens mais preciosos do nosso corpo, que são os nossos ouvidos. Muito obrigado por esta rica informação, muito esclarecedora e útil.
Me interessei pelo assunto, por estar com dores, devido a agua ter entrado em um dos meus ouvidos após nadar, e logo fui secar com cotonetes. Comprei o medicamento Cetoprofeno, e como sempre leio a bula antes de usar qualquer medicamento, não encontrei nada que falasse de Otites, e sim de infecções. Fui pesquisando e cheguei a entender através desse artigo o porque este medicamento me foi ministrado. Muito obrigado pela informação, vou tomar o medicamento mais tranquilo. Deus abençoe todos vocês.

  • Entrar
  • Assinar