Gostou do artigo? Compartilhe!

Vigorexia - conceito, causas, características clínicas, diagnóstico e tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é vigorexia?

A vigorexia (também chamada Síndrome1 de Adônis, Transtorno Dismórfico Muscular ou Anorexia2 Mental Reversa) é a contra parte da anorexia2 mental. Na anorexia2, uma pessoa (geralmente uma mulher jovem), apesar de estar anormalmente magra, ainda se sente necessitada de perder mais peso. A vigorexia, ao inverso, é uma doença psicológica em que uma pessoa (geralmente um homem jovem) se enxerga muito magro e fraco, precisando ganhar mais músculos3, apesar de já tê-los bem desenvolvidos.

Esse transtorno leva à prática exaustiva de exercícios físicos, sempre com aumento de carga, além de preocupação excessiva com a alimentação e uso de anabolizantes, o que pode trazer riscos para a saúde4.

Quais são as causas da vigorexia?

A idealização social e cultural do corpo masculino e feminino pode resultar no desenvolvimento de complexo de inferioridade em algumas pessoas que julgam não o possuir, levando a uma irrazoável tentativa de obter este “corpo ideal”. A mídia e as academias de musculação exercem maior pressão sobre os homens para que obtenham esse físico idealizado. 

A isso tudo se soma algum grau de distúrbio psicológico que promove uma alteração na percepção da imagem corporal.

Leia sobre "Síndrome1 da distorção da imagem corporal", "Consequências do emagrecimento rápido" e "Perigo das dietas para emagrecer".

Qual é o substrato histórico da vigorexia?

O complexo de Adonis é um termo que vem da mitologia grega antiga. Adonis era um semideus visto como a imagem perfeita da masculinidade. Seu corpo era a imagem perfeita do físico masculino definitivo e era tão lindo que ele ganhou o amor de Afrodite, a mais bela de todas as deusas. Por isso, hoje em dia, o termo “Complexo de Adonis” é usado para se referir a problemas de imagem corporal que afetam homens jovens. Isso demonstra que a preocupação com a corporalidade tem raízes na essência mais profunda do ser humano.

Quais são as características clínicas da vigorexia?

A vigorexia é um distúrbio psicológico de espectro obsessivo-compulsivo, em que uma pessoa crê que seu corpo é insuficientemente musculoso e que ela deve melhorar constantemente sua aparência fazendo crescer seus músculos3. A busca para melhorar o corpo exige uma quantidade excessiva de tempo e esforço, levando à negligência5 de outros aspectos da vida diária para se concentrar no controle de peso, rotinas de exercícios e um regime alimentar rigoroso. O uso de esteroides anabolizantes para aumentar o tônus muscular6 também é comum por essas pessoas.

O comportamento mais ou menos típico de uma pessoa com vigorexia é estar constantemente olhando para si mesmo no espelho; estar frequentemente comparando seu corpo ao corpo de outra pessoa; sentir-se estressado ao faltar a uma sessão de exercício físico ou pular uma refeição; ter uma preocupação frequente em cumprir sua meta diária de ingestão de proteínas7; deixar em segundo plano a família, os amigos, o estudo ou o trabalho.

Além disso, fazer exercícios e malhar passa a ser a prioridade central de suas vidas, frequentemente fazendo levantamento de pesos por longas horas a cada dia, apesar de sentir dor ou apresentar lesão8 muscular. Constantemente critica o próprio físico, mostrando-se insatisfeito com ele. Muitas vezes exibe outras preocupações com o corpo que não a musculatura: cabelo9, pele10, tamanho do pênis11, etc.

As pessoas que sofrem de vigorexia podem também aumentar os riscos para a própria saúde4 como resultado de um esforço excessivo e uso abusivo de esteroides ou outras drogas de desenvolvimento muscular.

Como o médico diagnostica a vigorexia?

A dismorfia12 muscular é diagnosticada a partir de: uma aparência especialmente musculosa e um comportamento que envolve a priorização de exercícios e manutenção da dieta acima de tudo; ter receio de exibir o próprio corpo por achá-lo insuficiente; experimentar o isolamento social ou a perda de emprego devido à dedicação a um regime de condicionamento físico; malhar independentemente de lesões13 físicas; e estar tomando esteroides anabolizantes.

Algumas pessoas podem confundir a vigorexia com o fisiculturismo, mas eles não são a mesma coisa. O fisiculturismo é um estilo de vida caracterizado pela prática normal de musculação associada a uma rotina saudável. A vigorexia, por sua vez, é uma doença definida pela obsessão do desenvolvimento de músculos3, nunca tida como perfeitamente satisfatória, é uma visão14 distorcida da própria imagem corporal, com comprometimento grave da vida social.

Como tratar a vigorexia?

O tratamento da vigorexia deve ser feito por uma equipe multiprofissional especializada, com médico, psicólogo, nutricionista15 e um profissional de educação física, e dependerá da gravidade da doença. Para sintomas16 relativamente leves, a pessoa deve ser encaminhada para uma psicoterapia cognitivo17-comportamental. Casos mais graves podem necessitar de um antidepressivo à base de serotonina, associado à psicoterapia.

Veja também sobre "O nosso corpo e as mudanças da imagem corporal", "Bulimia18 nervosa", "Anorexia2 mental" e "Ortorexia nervosa".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da U.S. National Library of Medicine e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2020. Vigorexia - conceito, causas, características clínicas, diagnóstico e tratamento. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1384138/vigorexia-conceito-causas-caracteristicas-clinicas-diagnostico-e-tratamento.htm>. Acesso em: 21 jun. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
3 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Negligência: Falta de cuidado; incúria. Falta de apuro, de atenção; desleixo, desmazelo. Falta de interesse, de motivação; indiferença, preguiça. Inobservância e descuido na execução de ato.
6 Tônus muscular: Estado de tensão elástica (contração ligeira) que o músculo apresenta em repouso e que lhe permite iniciar a contração imediatamente depois de receber o impulso dos centros nervosos. Num estado de relaxamento completo (sem tônus), o músculo levaria mais tempo para iniciar a contração.
7 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
8 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
10 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
11 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
12 Dismorfia: 1. Em patologia, deformidade ou dismorfia é um defeito de conformação de um órgão ou parte do corpo; também conhecido como disformia, disformidade ou dismorfose. 2. Dismorfia corporal é um transtorno mental que tem como principal sintoma a insatisfação extrema com a imagem corporal. Ela faz com que a pessoa tenha uma visão distorcida do próprio corpo e desenvolva uma aversão à própria imagem.
13 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
14 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
15 Nutricionista: Especialista em nutricionismo, ou seja, especialista no estudo das necessidades alimentares dos seres humanos e animais, e dos problemas relativos à nutrição.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
18 Bulimia: Ingestão compulsiva de alimentos, em geral seguida de indução do vômito ou uso abusivo de laxantes. Trata-se de uma doença psiquiátrica, que faz parte dos chamados Transtornos Alimentares, juntamente com a Anorexia Nervosa, à qual pode estar associada.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.