Gostou do artigo? Compartilhe!

Ultrassom terapêutico - O que é? Quais são as aplicações? E as contraindicações?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é ultrassom terapêutico?

O ultrassom terapêutico corresponde ao uso da energia ultrassônica para produção de vibrações mecânicas emitidas por um transdutor. Essas vibrações são capazes de produzir efeitos terapêuticos diversos nos tecidos orgânicos, decorrentes do movimento de agitação (efeitos mecânicos) ou do calor gerado (efeitos térmicos). A quantidade de calor gerado depende de fatores como o regime de emissão (contínuo ou pulsado), a intensidade, a frequência e a duração do tratamento.

Quando usar o ultrassom terapêutico?

O ultrassom pode ser usado na regeneração tissular1. O processo de reparo tecidual compõe-se de três fases: inflamatória, proliferativa e remodelagem. Na fase inflamatória, atua como acelerador do processo inflamatório. Na fase proliferativa, o ultrassom proporciona uma potencialização da motilidade e proliferação dos fibroblastos2. Na fase de remodelagem, ele aumenta a resistência tênsil, a reorientação e a quantidade de fibras colágenas.

O ultrassom terapêutico atua por meio de efeitos mecânicos ou térmicos e pode ser aplicado em muitas situações terapêuticas para beneficiar o paciente. O ultrassom de baixa frequência tem sido praticado extensamente desde os anos 50 para algumas condições, tais como tendinite3 e bursite4. Como ondas de choque5, usadas para tratar pedras nos rins6 e cálculos biliares, aumentou o uso nos anos 80. Essas ondas de ultrassom são utilizadas para fragmentar essas pedras em partes menores, que podem, então, ser removidas do corpo através dos processos naturais de eliminação.

Atualmente, há diversas outras aplicações do ultrassom terapêutico, as quais incluem, por exemplo, ablação7 da fibroide uterina, remoção da catarata8, cicatrização e hemostasia9 dos tecidos, absorção transdérmica de drogas, auxílio na cura de fraturas ósseas, fisioterapia10, controle bacteriano, higiene dental e trombólise11 venosa (dissolução de trombos12).

Os principais efeitos térmicos do ultrassom terapêutico são: aumento da permeabilidade13 das membranas, vasodilatação e aumento da taxa metabólica local, liberação de histamina14 e agentes quimiotáticos, analgesia, ação tixotrópica (propriedade de "amolecer" estruturas com consistência física mais rígida), aumento da síntese e elasticidade15 do colágeno16, da condução nervosa, da taxa de síntese de proteínas17 e das atividades dos fibroblastos2, estimulação da angiogênese18, incremento da penetração de agentes farmacológicos através da pele19 e aumento das propriedades viscosas e elásticas dos tecidos conjuntivos.

No pós-operatório de mamoplastias20 (cirurgias plásticas das mamas21), o uso do ultrassom é importante no sentido de incrementar a circulação22 sanguínea e linfática, ocasionando uma melhor nutrição23 celular e facilitando a reabsorção de hematomas24 e equimoses25. O uso do ultrassom acelera a fase inflamatória do processo de cicatrização tissular1 aumentando a adesão de leucócitos26 nas células27 endoteliais danificadas. Quando aplicado na fase de proliferação, estimula a divisão celular e aumenta a capacidade da célula28 de sintetizar e secretar os componentes dos fibroblastos2.

Saiba mais sobre "Cálculo29 renal30", "Colelitíase31 ou pedras na vesícula biliar32", "Fratura33 óssea" e "Mamoplastia34".

Como se faz a aplicação do ultrassom terapêutico?

A técnica de aplicação mais utilizada é a de contato direto, realizada quando a superfície a ser tratada não possui muitas irregularidades, permitindo o contato total da pele19 com toda a área do transdutor (terminal disparador de ondas de ultrassom). O cabeçote fica em contato direto com a pele19 do paciente, entretanto se faz necessário a utilização de uma substância de acoplamento (geralmente um gel) visando minimizar os efeitos da reflexão. Para assegurar o tratamento mais uniforme possível de uma área, é necessário manter o cabeçote de tratamento em movimento contínuo e uniforme. Adicionalmente, o gel facilita o deslocamento do transdutor sobre a pele19.

As ondas ultrassônicas podem se propagar de dois modos: (1) contínuo, em que não ocorre interrupção da onda ultrassônica e que promove a geração de calor, ou (2) pulsado, em que há interrupções na liberação da energia nos tecidos irradiados e que não produz calor.

O tempo de aplicação do ultrassom deve variar de acordo com o tamanho da área irradiada, mas não deve ultrapassar 15 minutos de aplicação total.

Contraindicações do ultrassom terapêutico

O ultrassom terapêutico deve ser aplicado com muito cuidado em áreas com hipoestesia35 (diminuição da sensibilidade), pois pode produzir lesões36 na pele19 e periósteo37, uma vez que o mecanismo de defesa está abolido. Nas áreas com insuficiência38 vascular39 pode haver dificuldade de arrefecimento da área pelo sangue40. Os implantes metálicos constituem outra contraindicação, já que 90% de radiação emitida é refletida e tende a se concentrar nos tecidos vizinhos.

O ultrassom terapêutico, quando aplicado sobre epífises41 férteis, pode causar uma ossificação precoce e interferir no crescimento ósseo. O cimento de fixação das endopróteses possui um alto coeficiente de absorção das ondas ultrassônicas e os componentes à base de polímeros poderiam sofrer ação dos efeitos térmicos do ultrassom contínuo.

Durante a aplicação do ultrassom terapêutico podem ocorrer ligeiras alterações no metabolismo42 da glicemia43 que, em geral, desaparecem com a redução das doses. Por isso, deve ser usado com cuidado em diabéticos. O ultrassom pode influenciar no funcionamento de marca-passos, mas isso só ocorre se as ondas sônicas atingirem diretamente o aparelho. Por fim, deve-se tomar cuidado com as feridas abertas, pois há risco de infecção44.

Veja sobre outras aplicações do ultrassom: "Ultrassonografia45", "Ultrassonografia45 transvaginal" e "Ultrassonografia45 na gravidez46".

 

ABCMED, 2019. Ultrassom terapêutico - O que é? Quais são as aplicações? E as contraindicações?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/1332683/ultrassom-terapeutico-o-que-e-quais-sao-as-aplicacoes-e-as-contraindicacoes.htm>. Acesso em: 24 abr. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tissular: Relativo a tecido orgânico.
2 Fibroblastos: Células do tecido conjuntivo que secretam uma matriz extracelular rica em colágeno e outras macromoléculas.
3 Tendinite: Inflamação de um tendão. Produz-se em geral como conseqüência de um traumatismo. Existem doenças imunológicas capazes de produzir tendinite entre outras alterações.
4 Bursite: Doença ortopédica caracterizada pela inflamação da bursa, uma bolsa cheia de líquido, existente no interior das articulações, cuja finalidade é amortecer o atrito entre ossos, tendões e músculos. A bursite pode acontecer em qualquer articulação (joelhos, cotovelos, quadris, etc.), mas é mais comum no ombro.
5 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
6 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
7 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
8 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
9 Hemostasia: Ação ou efeito de estancar uma hemorragia; mesmo que hemóstase.
10 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
11 Trombólise: Nome dado ao processo usado para dissolver um coágulo que existe na corrente sanguínea.
12 Trombos: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
13 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
14 Histamina: Em fisiologia, é uma amina formada a partir do aminoácido histidina e liberada pelas células do sistema imunológico durante reações alérgicas, causando dilatação e maior permeabilidade de pequenos vasos sanguíneos. Ela é a substância responsável pelos sintomas de edema e irritação presentes em alergias.
15 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
16 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
17 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
18 Angiogênese: O crescimento de novos vasos sanguíneos, seja espontâneo ou induzido por medicamentos. O crescimento destes novos vasos sanguíneos pode ajudar a melhorar uma doença oclusiva das artérias coronárias, criando novos caminhos para a passagem do sangue
19 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
20 Mamoplastias: Cirurgia estética no seio; mastoplastia.
21 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
22 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
23 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
24 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
25 Equimoses: Manchas escuras ou azuladas devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, as equimoses desaparecem passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
26 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
27 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
28 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
29 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
30 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
31 Colelitíase: Formação de cálculos no interior da vesícula biliar.
32 Vesícula Biliar: Reservatório para armazenar secreção da BILE. Através do DUCTO CÍSTICO, a vesícula libera para o DUODENO ácidos biliares em alta concentração (e de maneira controlada), que degradam os lipídeos da dieta.
33 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
34 Mamoplastia: Cirurgia estética no seio; mastoplastia.
35 Hipoestesia: Perda ou diminuição de sensibilidade em determinada região do organismo.
36 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
37 Periósteo: Membrana de tecido conectivo que reveste exteriormente os ossos e da qual podem formar-se elementos ósseos.
38 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
39 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
40 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
41 Epífises: Extremidade dilatada dos ossos longos, separada da parte média pelo disco epifisário (até o crescimento ósseo cessar). Neste período, o disco desaparece e a extremidade se une à parte média do osso.
42 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
43 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
44 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
45 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
46 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.