Gostou do artigo? Compartilhe!

Massagem terapêutica e massagem relaxante

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é massagem?

Massagem é a manipulação de camadas superficiais e profundas de músculos1 e tecidos conjuntivos usando várias técnicas para melhorar as funções orgânicas, ajudar no processo de cicatrização, quando for o caso, diminuir a atividade reflexa muscular, inibir a excitabilidade do neurônio motor e promover relaxamento e bem-estar.

A massagem pode ser feita com fins terapêuticos ou meramente como uma atividade de lazer. Embora haja uma grande variedade de tipos, muitos deles qualificados com termos ou nomes de pessoas orientais, pode-se resumir a divisão das massagens nesses dois grupos principais: (1) relaxantes e (2) terapêuticas.

A massagem pode ser aplicada com as mãos2, dedos, cotovelos, joelhos, antebraço3 ou pés. E ainda com instrumentos como pedras, bambus, massageadores, martelos, pinos, etc.

Em ambientes profissionais, geralmente o cliente está deitado em uma mesa ou maca de massagem, ou sentado em uma cadeira de massagem, ou mesmo deitado em uma esteira no chão. Já em ambientes amadores, uma cama ou o próprio chão é mais comum. O paciente pode estar total ou parcialmente vestido ou inteiramente despido. Existem também as massagens feitas em piscinas e spas de águas quentes.

Por que fazer massagem?

O objetivo geral é o tratamento de estresse ou dor no corpo. Uma massagem feita com objetivos relaxantes ou terapêuticos reduz o estresse, reduz a frequência cardíaca, diminui a produção de cortisol, regula os níveis de insulina4 no corpo, ajuda a relaxar, melhora a postura e a circulação5, reduz a pressão arterial6, relaxa os músculos1, melhora a flexibilidade, ajuda a respirar melhor, alivia dores de cabeça7 e fortalece o sistema imunológico8.

Testes adicionais mostraram que as massagens favorecem períodos de recuperação mais acelerados do desempenho muscular, aumento do crescimento e remodelação do músculo esquelético9. Além disso, ativa o sistema nervoso10 parassimpático, estimula a liberação de endorfinas e serotonina, prevenindo a fibrose11 ou tecido12 cicatricial, aumentando o fluxo da linfa13 e melhorando o sono.

Saiba mais sobre "Estresse", "Drenagem14 linfática" e "Cefaleia15 tensional".

Considerações sobre a técnica da massagem

Uma pessoa que foi treinada profissionalmente para fazer massagem era tradicionalmente conhecida como massagista, mas esses títulos são antiquados e carregam algumas conotações negativas. Por isso, o termo massoterapeuta parece mais adequado. Os principais profissionais que oferecem massagem terapêutica16 são fisioterapeutas e, às vezes, praticantes de tratamentos tradicionais orientais, e atendem pessoas avulsas ou atletas. Os profissionais de massagem trabalham em vários ambientes médicos e podem viajar para residências ou empresas particulares.

A massagem envolve trabalhar e agir no corpo com pressão, estruturada ou não estruturada, estacionária ou em movimento, feita manualmente ou com auxílio mecânico. Os tecidos-alvo podem incluir músculos1, tendões17, ligamentos18, fáscia19, pele20, articulações21 ou outro tecido conjuntivo22, bem como vasos linfáticos ou órgãos do sistema gastrointestinal.

A massagem feita simplesmente com objetivos relaxantes pode ter uma técnica menos rígida e ser feita mesmo em casa. A massagem terapêutica16, contudo, deve obedecer a uma técnica mais rigorosa e ser feita em ambiente profissional adequado. As massagens são comumente aplicadas com as mãos2, dedos, cotovelos, joelhos, antebraços, pés ou um algum dispositivo, como os citados acima.

Massagem relaxante e massagem terapêutica16

A massagem relaxante gera inúmeros benefícios para o organismo como um todo, tanto ao corpo como à mente. Os movimentos firmes e suaves empregados na massagem relaxante visam ao relaxamento da musculatura, gerando uma sensação de bem-estar, além de outros benefícios.

Esse tipo de massagem é bastante eficaz também em atletas, pois possibilita um aumento de até 60% da regeneração muscular, após intensa atividade física. Além de produzir efeitos nos sistemas muscular e nervoso, esse tipo de massagem age com eficácia nos sistemas linfático23, circulatório e respiratório. Tudo isso acontece porque ela atua no organismo humano aumentando a serotonina, um neurotransmissor que age no cérebro24 normalizando o humor, o sono, o ritmo cardíaco, a temperatura corporal e a sensibilidade à dor.

A massagem terapêutica16, por sua vez, faz parte de um plano de tratamento maior. Embora ela também seja relaxante, o relaxamento não é seu objetivo primeiro. Ela auxilia no tratamento de dores musculares, contorções, luxações, edemas25, distúrbios sexuais e nervosos, fadiga26, estresse, entre outros efeitos terapêuticos. Além dessas vantagens, a massagem terapêutica16 auxilia na diminuição da pressão arterial6, fortalece o sistema imunológico8, combate a insônia e retarda o envelhecimento.

Ainda na medicina, psicoterapeutas também podem utilizar ou recomendar massagem no seu trabalho. Ela pode ser benéfica tanto física quanto psicologicamente. Algumas pessoas podem usar a massagem terapêutica16 como um tratamento autônomo, dentro de um programa para manter-se em boa forma física e num estado de bem-estar geral.

Quais são as contraindicações para a massagem?

Normalmente, não existem contraindicações em pessoas sadias. Toda pessoa sadia, em qualquer idade, pode fazer massagens. As contraindicações básicas incluem trombose venosa profunda27, distúrbios hemorrágicos28, uso de anticoagulantes29, vasos sanguíneos30 danificados, ossos enfraquecidos por câncer31, osteoporose32 ou fraturas ósseas e febre33.

Veja sobre "Como lidar com o estresse", "Insônia", "Ansiedade normal e patológica" e "Por que as pessoas são mais ansiosas hoje do que antigamente".

 

ABCMED, 2019. Massagem terapêutica e massagem relaxante. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1336873/massagem-terapeutica-e-massagem-relaxante.htm>. Acesso em: 19 jul. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
2 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
3 Antebraço:
4 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
5 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Cabeça:
8 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
9 Músculo Esquelético: Subtipo de músculo estriado fixado por TENDÕES ao ESQUELETO. Os músculos esqueléticos são inervados e seu movimento pode ser conscientemente controlado. Também são chamados de músculos voluntários.
10 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
11 Fibrose: 1. Aumento das fibras de um tecido. 2. Formação ou desenvolvimento de tecido conjuntivo em determinado órgão ou tecido como parte de um processo de cicatrização ou de degenerescência fibroide.
12 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
13 Linfa: 1. Pode referir-se à água, especialmente a límpida, no uso formal. 2. Líquido orgânico originado do sangue, composto de proteínas e lipídios, que circula nos vasos linfáticos e transporta glóbulos brancos, especialmente os linfócitos T. 3. Qualquer humor aquoso.
14 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
15 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
16 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
17 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
18 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
19 Fáscia: Fáscia é uma bainha, uma folha ou qualquer outra agregação dissecável de tecido conjuntivo que se forma sob a pele para anexar, fechar e separar músculos e outros órgãos internos. Ela é composta de tecidos conectivos fibrosos, moles, colágenos, soltos e densos espalhados por todo o corpo. O sistema fascial interpenetra e envolve todos os órgãos, músculos, ossos e fibras nervosas, dotando o corpo de uma estrutura funcional e proporcionando um ambiente que permite que todos os sistemas corporais operem de forma integrada.
20 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
21 Articulações:
22 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
23 Linfático: 1. Na histologia, é relativo à linfa, que contém ou que conduz linfa. 2. No sentido figurado, por extensão de sentido, a que falta vida, vigor, energia (diz-se de indivíduo); apático. 3. Na história da medicina, na classificação hipocrática dos quatro temperamentos de acordo com o humor dominante, que ou aquele que, pela lividez das carnes, flacidez dos músculos, apatia e debilidade demonstradas no comportamento, atesta a predominância de linfa.
24 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
25 Edemas: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
26 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
27 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
28 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
29 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
30 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
31 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
32 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
33 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.