Gostou do artigo? Compartilhe!

Artrite idiopática juvenil

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a artrite1 idiopática2 juvenil?

Chama-se artrite1 à inflamação3 em uma ou mais articulações4. Existem muitos tipos diferentes de artrites, cada uma com sua causa específica. A Artrite1 Idiopática2 Juvenil é uma doença inflamatória crônica de causa ainda desconhecida, que atinge uma ou várias articulações4 e que incide em jovens, da infância aos 16-17 anos.

É o tipo mais comum de artrite1 em jovens abaixo dessa idade. Foi primeiramente nomeada pelo médico inglês Sir George Frederic Still.

Quais são as causas da artrite1 idiopática2 juvenil?

As causas da Artrite1 Idiopática2 Juvenil ainda não são totalmente conhecidas, embora se pense que sua origem esteja ligada a fatores ambientais e genéticos hereditários. Talvez ela ocorra devido a que o sistema imunológico5 do corpo ataque suas próprias células6 e tecidos. Certas mutações genéticas poderiam tornar uma pessoa mais susceptível aos fatores ambientais, tais como os vírus7, por exemplo.

Quais são as principais características clínicas da artrite1 idiopática2 juvenil?

A Artrite1 Idiopática2 Juvenil se inicia até os 16-17 anos de idade e a inflamação3 aguda dura, em cada vez, em torno de seis semanas. Existem três tipos de Artrite1 Idiopática2 Juvenil:

(1) tipo poliarticular, que atinge quatro ou mais articulações4;

(2) tipo pauciarticular, que atinge menos de quatro articulações4;

(3) artrite1 de início sistêmico8, caracterizada por febre9 alta em picos, lesões10 de pele11 e acometimento em um número variável de articulações4.

Os sinais12 e sintomas13 mais gerais da Artrite1 Idiopática2 Juvenil são dor, especialmente na parte da manhã, inchaço14, sobretudo notado nas articulações4 maiores, e rigidez articular. Em alguns casos, a Artrite1 Idiopática2 Juvenil afeta todo o corpo e causa inchaço14 dos gânglios linfáticos15, erupções cutâneas16 e febre9. Os sintomas13 podem ser oscilantes, às vezes aumentando e às vezes diminuindo ou desaparecendo.

Saiba mais sobre "Vírus7", "Febre9" e "Edema17 ou inchaço14".

Como o médico diagnostica a artrite1 idiopática2 juvenil?

Diferenciar o diagnóstico18 de Artrite1 Idiopática2 Juvenil de outras patologias articulares pode se tornar difícil porque a dor nas articulações4 pode advir de muitos problemas diferentes. No entanto, os exames complementares podem ajudar a excluir condições que produzem sinais12 e sintomas13 semelhantes.

Os exames de sangue19 devem incluir taxa de sedimentação de eritrócitos20, proteína C-reativa (PCR21), anticorpo22 anti-nuclear e fator reumatoide. Contudo, em muitas crianças com Artrite1 Idiopática2 Juvenil, nenhuma anormalidade significativa será encontrada nestes exames.

Imagens de radiografias ou de ressonância magnética23 ajudarão a excluir outras condições, tais como fraturas, tumores ou defeitos congênitos24. As imagens também podem ser usadas após o diagnóstico18 ter sido estabelecido para monitorar o desenvolvimento ósseo e detectar danos nas articulações4.

Como o médico trata a artrite1 idiopática2 juvenil?

O tratamento da Artrite1 Idiopática2 Juvenil centra-se no controle da dor, melhorando a função articular e prevenindo lesões10 e complicações. Para conseguir isso, o médico pode usar uma combinação de estratégias, incluindo medicamentos, fisioterapia25 e até mesmo cirurgia, em casos muito graves.

Leia sobre "Fratura26 óssea" e "Fisioterapia25".

Como evolui a artrite1 idiopática2 juvenil?

Algumas crianças com Artrite1 Idiopática2 Juvenil sentem sintomas13 apenas por alguns meses, enquanto outras os terão pelo resto de suas vidas.

Quais são as complicações possíveis da artrite1 idiopática2 juvenil?

Algumas vezes a Artrite1 Idiopática2 Juvenil pode causar complicações graves, tais como problemas de crescimento e inflamação3 ocular.

Veja também sobre "Artrite reumatoide27", "Artrite1 séptica", "Artralgia28 ou 'dor nas juntas'" e "Artrite1".

 

ABCMED, 2017. Artrite idiopática juvenil. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1298363/artrite+idiopatica+juvenil.htm>. Acesso em: 25 out. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
2 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
3 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
4 Articulações:
5 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
8 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
9 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
12 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Inchaço: Inchação, edema.
15 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
16 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
17 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
18 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
19 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
20 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
21 PCR: Reação em cadeia da polimerase (em inglês Polymerase Chain Reaction - PCR) é um método de amplificação de DNA (ácido desoxirribonucleico).
22 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
23 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
24 Defeitos congênitos: Problemas ou condições que estão presentes ao nascimento.
25 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
26 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
27 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
28 Artralgia: Dor em uma articulação.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Reumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.