Gostou do artigo? Compartilhe!

Dores nas costas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Considerações sobre as dores nas costas1

A queixa de dores nas costas1 é uma das mais comuns na clínica médica. Elas podem ser leves ou intensas, intermitentes2 ou constantes e irradiarem para outras regiões do corpo. As dores nas costas1 podem originar-se da coluna vertebral3, músculos4, nervos e órgãos torácicos ou abdominais ou a partir de outras estruturas na região. Sendo assim, os fatores de risco e as formas de prevenção dependerão de suas causas. Essas características ajudam o médico a pôr-se na pista de sua causa, embora não faça isso de maneira absoluta. O termo médico para dores nas costas1 é dorsalgia, mas ele não é de uso comum. Chama-se lombalgia5, termo um pouco mais comum, às dores na parte inferior das costas1 ou região lombar6.

Felizmente, a maioria das dores nas cotas, a despeito de serem muito incomodativas, não representam um problema médico grave, no entanto, as condições abaixo merecem uma atenção médica especial:

Quais são as causas das dores nas costas1?

As causas de dores nas costas1 podem ir desde uma coisa simples e auto resolutiva, como exercícios físicos praticados inadequadamente, até outras causas que encerram muita gravidade, como um câncer13 de pulmão14, por exemplo. Grande parte das dores nas costas1 parte de algum nível da coluna vertebral3. Dentre as causas possíveis, mais comuns, encontram-se: quedas, contraturas por tensão nervosa, má postura, artroses, lombalgias, hérnia de disco15, espondilite, espondilolistese, deformidades da coluna, estreitamento do canal espinhal, infecções16 ou metástases17 dos ossos da coluna vertebral3, etc.

Nas pessoas obesas, o excesso de peso que tem de ser suportado pela coluna pode ser a causa da dor. Nos idosos, as alterações degenerativas18 nos ossos, articulações19 e ligamentos20 também são frequentes causas de quadros dolorosos. Dores oriundas de órgãos abdominais podem ser projetadas nas costas1 como, por exemplo, as devidas a cálculos da vesícula21 ou nos rins22, apendicite23, infecções16 da bexiga24, cistos ou tumores ovarianos, torção25 testicular, pancreatites, etc.

Quais são as principais características das dores nas costas1?

Algumas dores nas costas1 podem irradiar-se para os braços e mãos26 ou para as pernas e pés. O tipo e intensidade da dor dependem das suas causas.

Como o médico diagnostica as dores nas costas1?

A tentativa de diagnosticar as causas das dores nas costas1 geralmente começa por uma radiografia para determinar se existe ou não alguma fratura27 óssea. Posteriormente, se necessário, uma ressonância pode refinar o diagnóstico28 e verificar se há ou não compressão da medula espinhal29 e das raízes nervosas30. Além disso, os exames de imagens torácicas e abdominais ajudam a localizar ou descartar enfermidades localizadas em vísceras internas.

Como o médico trata as dores nas costas1?

Se as dores nas costas1 forem devidas a uma enfermidade orgânica bem definida, deve-se procurar eliminar essa causa, se possível. Fora isso, o tratamento deve ser feito por meio de exercícios físicos orientados e fisioterapias. O tratamento também pode ser feito com analgésicos31, relaxantes musculares e anti-inflamatórios, conforme aconselhado pelo médico. Algumas situações especiais como, por exemplo, a hérnia de disco15 ou as compressões medulares, que não respondem ao tratamento clínico, podem requerer cirurgia.

Como evoluem as dores nas costas1?

A evolução das dores nas costas1 depende de suas causas. Algumas são passageiras e auto resolutivas, mas outras dependem de poder remover-se a situação causal. Há as que são insolúveis quanto às causas e só podem ser enfrentadas sintomaticamente com analgésicos31.

Como prevenir as dores nas costas1?

  • Evite más posturas que, ao longo do tempo, causam deformidades na coluna.
  • Evite carregar pesos excessivos.
  • Evite a obesidade32, que sobrecarrega continuadamente a coluna.
  • Evite situações de stress, que provocam contraturas musculares.
  • Evite fumar, porque o fumo reduz o fornecimento de sangue33 para os ossos da coluna, causando degeneração34 acelerada.
  • Faça exercícios físicos bem orientados, regularmente. Procure dormir em colchão duro e sentar-se em cadeiras de encosto reto35.
  • Se tiver de levantar objetos pesados faça-o a partir de uma postura agachada, mantendo as costas1 retas.
  • Se tiver de passar longos períodos de tempo assentado, mude frequentemente de posição ou fique de pé de vez em quando.

Quais são as complicações das dores nas costas1?

A estenose36 do canal vertebral37, quando na região lombar6, pode levar o indivíduo a sentir dores nas pernas, nas coxas38 e nos glúteos39, dificuldades de caminhar e incontinência fecal40 ou urinária.

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites do Australian Government – Department of Veterans’ AffairsMayo Clinic e da American Academy of Orthopaedic Surgeons – Orthoinfo.

ABCMED, 2016. Dores nas costas. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/816894/dores+nas+costas.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Costas:
2 Intermitentes: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
3 Coluna vertebral:
4 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
5 Lombalgia: Dor produzida na região posterior inferior do tórax. As pessoas com lombalgia podem apresentar contraturas musculares, distensões dos ligamentos da coluna, hérnias de disco, etc. É um distúrbio benigno que pode desaparecer com uso de antiinflamatórios e repouso.
6 Região Lombar:
7 Incontinência: Perda do controle da bexiga ou do intestino, perda acidental de urina ou fezes.
8 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
11 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
12 Mieloma: Variedade de câncer que afeta os linfócitos tipo B, encarregados de produzir imunoglobulinas. Caracteriza-se pelo surgimento de dores ósseas, freqüentemente a nível vertebral, anemia, insuficiência renal e um estado de imunodeficiência crônica.
13 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
14 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
15 Hérnia de disco:
16 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
17 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
18 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
19 Articulações:
20 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
21 Vesícula: Lesão papular preenchida com líquido claro.
22 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
23 Apendicite: Inflamação do apêndice cecal. Manifesta-se por abdome agudo, e requer tratamento cirúrgico. Sua complicação mais freqüente é a peritonite aguda.
24 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
25 Torção: 1. Ato ou efeito de torcer. 2. Na geometria diferencial, é a medida da derivada do vetor binormal em relação ao comprimento de arco. 3. Em física, é a deformação de um sólido em que os planos vizinhos, transversais a um eixo comum, sofrem, cada um deles, um deslocamento angular relativo aos outros planos. 4. Em medicina, é o mesmo que entorse. 5. Na patologia, é o movimento de rotação de um órgão sobre si mesmo. 6. Em veterinária, é a cólica de alguns animais, especialmente a do cavalo.
26 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
27 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
28 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
29 Medula Espinhal:
30 Raízes nervosas:
31 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
32 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
33 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
34 Degeneração: 1. Ato ou efeito de degenerar (-se). 2. Perda ou alteração (no ser vivo) das qualidades de sua espécie; abastardamento. 3. Mudança para um estado pior; decaimento, declínio. 4. No sentido figurado, é o estado de depravação. 5. Degenerescência.
35 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
36 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
37 Canal vertebral: Numa imagem de uma vértebra há um “buraco“ separando o corpo de sua extremidade. Esse buraco é o forame vertebral. O encaixe entre as vértebras da coluna é mais ou menos simétrico e isso forma um canal, que é conhecido como o canal vertebral. É por ele que passam a medula espinhal. O canal vertebral segue as diferentes curvas da coluna vertebral. É grande e triangular nas regiões onde a coluna possui maior mobilidade (cervical e lombar) e é pequeno e redondo na região que não possui muita mobilidade (torácica).
38 Coxas: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
39 Glúteos:
40 Incontinência fecal: É a perda do controle das evacuações. Pode ocorrer por um curto período durante episódios de diarréia ou quando fezes endurecidas ficam alojadas no reto (impactação fecal). Os indivíduos com lesões anais ou medulares, prolapso retal (protrusão do revestimento do reto através do ânus), demência, lesão neurológica causada pelo diabetes, tumores do ânus ou lesões pélvicas ocorridas durante o parto podem desenvolver uma incontinência fecal persistente.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.