Gostou do artigo? Compartilhe!

Cistos renais: o que são? Quais são as causas? E os sintomas? Como são o diagnóstico e o tratamento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são cistos renais?

Cistos renais são dilatações de certas partes do néfron1, que é a unidade funcional do rim2. O néfron1 é constituído pelo glomérulo3 e pelos túbulos renais que levam a urina4 até a pelve renal5. Na maioria das vezes, os cistos são bolsas de paredes finas e bem definidas e são cheios de um líquido semelhante ao plasma6 ou por algum material sólido. Os cistos renais podem ser simples, preenchidos por líquido (a maioria: cerca de 70%) ou complexo, preenchido também por algum material sólido. Em certos casos há áreas de fibrose7 e contornos irregulares. Essas alterações podem acometer apenas um dos rins8 ou ambos os rins8 e habitualmente são poucos e de tamanhos diminutos. Quando são muitos, fala-se de rim2 policístico ou doença renal9 policística.

Quais são as causas dos cistos renais?

Habitualmente os cistos renais são causados por aumento da pressão no interior do rim2, aumento do gradiente de soluções salinas que banham o néfron1 ou obstruções que atinjam essa estrutura renal9. Há também várias doenças genéticas que ocasionam cistos renais.

Quais são os principais sinais10 e sintomas11 dos cistos renais?

Os cistos renais podem ocorrer em qualquer idade, desde o nascimento, mas são mais comuns após os 50 anos de idade. Em muitos casos são assintomáticos, mas podem apresentar dores na região lombar12, urina4 com sangue13, infecção14 urinária e pressão alta. As infecções15 dos cistos são raras, mas podem levar à formação de abscessos16. Eventualmente, pode haver ruptura dos cistos, causando sangramento interno ou urina4 com sangue13.

Cistos Renais

Como o médico diagnostica os cistos renais?

Como muitas vezes os cistos são assintomáticos, o diagnóstico17 muitas vezes corresponde a um achado ocasional de exames de imagens abdominais realizados por outros motivos. As queixas do paciente, quando existem, são inespecíficas e no exame físico os cistos renais geralmente não têm tamanho para serem palpáveis. O melhor recurso diagnóstico17 dos cistos renais é a ultrassonografia18 abdominal e renal9. Ela também permite a diferenciação entre cisto simples e complexo. Casos de cistos complexos podem exigir tomografia computadorizada19 ou ressonância magnética20 para sua diferenciação com um tumor21. Se houver infecção14 ou sangramento urinário, o exame de urina22 é mandatório.

Como o médico trata os cistos renais?

Geralmente os cistos renais surgem naturalmente com a idade e não demandam tratamento, a não ser que sejam muito grandes, infeccionem ou causem dores. Conforme o caso, ele pode ser aspirado ou removido cirurgicamente. Os pacientes com rins8 policísticos hereditários podem, em certos casos, receber transplante renal9.

Como evoluem os cistos renais?

Os cistos renais simples NÃO evoluem para malignidade, mas os cistos complexos podem ser confundidos com tumores e verdadeiros tumores podem assumir aparência cística.

O portador de cisto deve ser acompanhado anualmente para prevenir eventuais complicações (hematúria23, cálculo24, infecção14, obstruções etc.).

A maioria dos cistos renais acompanha a pessoa por toda a vida, sem causar nenhum problema maior.

ABCMED, 2014. Cistos renais: o que são? Quais são as causas? E os sintomas? Como são o diagnóstico e o tratamento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/517377/cistos-renais-o-que-sao-quais-sao-as-causas-e-os-sintomas-como-sao-o-diagnostico-e-o-tratamento.htm>. Acesso em: 15 jul. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Néfron: Unidades funcionais do rim formadas pelos glomérulos renais e seus respectivos túbulos.
2 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
3 Glomérulo: 1. Pequeno tufo ou novelo de fibras nervosas ou vasos sanguíneos, especialmente de capilares. 2. Rede de capilares recoberta por células epiteliais nos rins, é o local onde o sangue é filtrado e os produtos de excreção são removidos. 3. Inflorescência cimosa na qual as flores são subsésseis e muito próximas entre si, formando um aglomerado de aspecto globoso.
4 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
5 Pelve Renal: Expansão achatada, em forma de funil, conectando o URETER aos CÁLICES RENAIS.
6 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
7 Fibrose: 1. Aumento das fibras de um tecido. 2. Formação ou desenvolvimento de tecido conjuntivo em determinado órgão ou tecido como parte de um processo de cicatrização ou de degenerescência fibroide.
8 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
9 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Região Lombar:
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
15 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
16 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
19 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
20 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
21 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
22 Exame de urina: Também chamado de urinálise, o teste de urina é feito através de uma amostra de urina e pode diagnosticar doenças do sistema urinário e outros sistemas do organismo. Alguns testes são feitos em uma amostra simples e outros pela coleta da urina durante 24 horas. Pode ser feita uma cultura da urina para verificar o crescimento de bactérias na urina.
23 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
24 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Nefrologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

03/06/2016 - Comentário feito por rx
muito boa a explicação!!! bem cla...
muito boa a explicação!!! bem claro, não deixa duvida!!! Fico mais tranquilo!!!

26/10/2015 - Comentário feito por Sandra
Em janeiro e março deste ano, tive sepse...
Em janeiro e março deste ano, tive sepse urinária, choque séptico, fiquei na UTI...e segundo os médicos tirar alguns pequenos cálculos renais para evitar ou prevenir outra infecção, foi colocado cateter duplo J, enfim pensei que a situação estava resolvida.
Fiz hoje, 26/10/15, ressonância magnética da coluna lombar e fui orientada pelo técnico que fez o exame a procurar um urologista ou nefrologista, pois tinha sido visualizado um cisto cistico na parte alta do meu ureter , mas como o exame foi específico para coluna, não iria ser relatado no laudo médico, nada sobre o cisto no ureter. Fiquei preocupada e recorri a internet para saber o que é cisto cistico e gostei muito da explicação, que inclusive identificou muito com o que sinto atualmente. Quero parabenizar a equipe!

17/07/2015 - Comentário feito por Sérgio
Muito boa a explanação! Parab&eac...
Muito boa a explanação! Parabéns!

  • Entrar
  • Assinar