Gostou do artigo? Compartilhe!

“Convulsões” emocionais

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são “convulsões” emocionais?

Não há epilepsia1 de causa emocional, embora causas emocionais possam funcionar como gatilho para desencadear crises convulsivas verdadeiras em indivíduos que sofrem de epilepsia1. Mas há crises de natureza emocional em pacientes psiquiátricos que simulam as convulsões da epilepsia1 (pseudocrises), as quais no entanto não envolvem descargas elétricas anormais no cérebro2.

Quais são as causas das “convulsões” emocionais?

As “convulsões” emocionais são uma manifestação conversiva. Pessoas que não conseguem expressar seus sofrimentos por meio da fala os expressam por meio de sintomas3 orgânicos no próprio corpo. Algumas pessoas o fazem por meio de manifestações que imitam as convulsões da epilepsia1.

A raiz dessas “convulsões” sempre reside em algum acontecimento psicológico muito sofrido, com o qual a pessoa não consegue lidar racionalmente. Mais frequentemente são situações amorosas desfavoráveis, humilhações, abandonos, etc.

Leia sobre "Convulsões", "Crise convulsiva febril", "Crises de ausência" e "Epilepsias".

Quais são as características clínicas das “convulsões” emocionais?

Há como diferenciar essas pseudocrises epilépticas das verdadeiras crises epilépticas. Embora o prefixo “pseudo” possa sugerir que essas crises não sejam verdadeiras, deve-se perceber que ele se aplica apenas à natureza epiléptica das crises. As crises em si, nada têm de pseudo; são verdadeiras crises de outra natureza que não neurológica. É uma crise “que parece, mas não é” uma convulsão4 epiléptica, porém, é uma verdadeira crise psicogênica5.

Embora para o leigo as verdadeiras crises epilépticas possam ser confundidas com essas pseudocrises, para os especialistas, na maioria das vezes, há elementos diferenciais nítidos, embora também eles possam ter dificuldade de diferenciá-las em alguns casos.

Alguns dados diferenciais são:

  1. As crises “convulsivas” psicogênicas costumam ser muito mais demoradas que uma crise convulsiva epiléptica, que só dura alguns minutos.
  2. Nas crises epilépticas, geralmente os pacientes permanecem de olhos6 abertos, ao contrário das crises psicogênicas, em que os pacientes ficam de olhos6 forçadamente fechados, exibindo um tremor das pálpebras7, e mostram alguma resistência quando se procura abri-los.
  3. Nas crises epilépticas, os pacientes mostram palidez, visto que o sangue8 migra da pele9 para os músculos10 e órgãos internos; já nas crises de natureza psicológica, os pacientes não apresentam esse sintoma11.
  4. Nas crises epilépticas é comum o paciente ficar roxo ou cianótico12, porque há um período longo de apneia13 (ausência de respiração). Nas crises psicogênicas isso não ocorre.
  5. Nas crises epilépticas é comum que o paciente apresente uma salivação espumante excessiva que lhe escorre da boca14, devido tanto à compressão das glândulas salivares15 ocasionada pelas contrações musculares como pela ausência de deglutição16. Nas crises psicogênicas, os pacientes não apresentam saliva ou apresentam saliva não espumante.
  6. Nas crises epilépticas os pacientes em geral apresentam mordeduras na língua17, às vezes graves, em resultado ao estado de relaxamento da língua17 que se interpõe entre os dentes durante as contrações dos músculos mastigatórios18. Nas crises psicogênicas, os pacientes não apresentam mordidas na língua17.
  7. Nas crises epilépticas, os pacientes caem inconscientes em qualquer lugar e de qualquer maneira, podendo se ferir gravemente. Nas crises psicogênicas, eles procuram cair em um lugar que apresente algum grau de segurança para não se machucarem.
  8. As crises epilépticas podem ocorrer aleatoriamente em qualquer lugar, inclusive durante o sono. As crises psicogênicas ocorrem sempre na presença de outras pessoas e perto delas, e em seguida a algum aborrecimento emocional, de modo que têm, pois, um papel de comunicação.
  9. Os pacientes acordam das crises epilépticas ainda confusos e levam um certo tempo para se recuperarem integralmente. Os pacientes com crises psicogênicas “acordam” mais bem orientados.
  10. As crises convulsivas normalmente começam em sua intensidade máxima e vão diminuindo aos poucos, o que não se observa nas crises psicogênicas ou, eventualmente, até acontece o contrário.
  11. As crises convulsivas seguem um curso mais ou menos padrão em todas as pessoas. Os pacientes com crises psicogênicas costumam adotar posturas inusitadas e até bizarras durante as crises, como opistótonos (posição anormal causada por fortes espasmos19 musculares) forçados e exagerados.
  12. As crises epilépticas ocorrem igualmente em homens e mulheres. As crises psicogênicas ocorrem mais frequentemente em mulheres.
  13. Nas crises epilépticas, o eletroencefalograma20 mostra evidentes descargas elétricas neuronais. Nas crises psicogênicas isso não ocorre.

Como o médico diagnostica as “convulsões” emocionais? 

Não há nenhum exame específico que diagnostique as “convulsões” psicogênicas. O diagnóstico21 delas se baseia na observação dos sinais22 acima e de exames que excluam outras enfermidades, principalmente a epilepsia1. O médico também procurará saber sobre o histórico de saúde23 mental do paciente.

Uma avaliação neurológica é sempre fundamental a fim de se ter certeza de que não se trata de crises epilépticas verdadeiras, com causas físicas e não apenas emocionais.

Como tratar as “convulsões” emocionais?

O tratamento deve ser focado na solução dos problemas psicológicos de base, o controle dos quais fará com que as convulsões cessem. A psicoterapia é essencial para ajudar o paciente a lidar com os fatores estressores24, alterar os padrões de pensamento e adotar novos comportamentos. Os medicamentos podem ser necessários para minimizar alguns sintomas3, mas não é tratamento para as condições subjacentes.

Veja também sobre "Crise parcial complexa", "Eletroencefalograma20" e "Melatonina".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites da Mayo Clinic e da Cleveland Clinic.

ABCMED, 2021. “Convulsões” emocionais. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1390480/convulsoes+emocionais.htm>. Acesso em: 15 abr. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
5 Psicogênica: 1. Relativo à psicogenia ou psicogênese, ou seja, relativo à origem e desenvolvimento do psiquismo. 2. Relativo a ou próprio de fenômenos somáticos com origem psíquica.
6 Olhos:
7 Pálpebras:
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
10 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
11 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Cianótico: Relativo à cianose, ou seja, à coloração azul violácea da pele e das mucosas devida à oxigenação insuficiente do sangue e ligada a várias causas (distúrbio de hematose, insuficiência cardíaca etc.).
13 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
14 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
15 Glândulas salivares: As glândulas salivares localizam-se no interior e em torno da cavidade bucal tendo como objetivo principal a produção e a secreção da saliva. São elas: parótidas, submandibulares, sublinguais e várias glândulas salivares menores.
16 Deglutição: Passagem dos alimentos desde a boca até o esôfago; ação ou efeito de deglutir; engolir. É um mecanismo em parte voluntário e em parte automático (reflexo) que envolve a musculatura faríngea e o esfíncter esofágico superior.
17 Língua:
18 Músculos Mastigatórios: Origem
19 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
20 Eletroencefalograma: Registro da atividade elétrica cerebral mediante a utilização de eletrodos cutâneos que recebem e amplificam os potenciais gerados em cada região encefálica.
21 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
22 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
23 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
24 Estressores: Que ou o que provoca ou conduz ao estresse.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.