Gostou do artigo? Compartilhe!

Oncocitoma – conceito, causas, características clínicas, diagnóstico e tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é oncocitoma?

Um oncocitoma é um tumor1 constituído por oncócitos, células2 epiteliais caracterizadas por uma grande quantidade de mitocôndrias, resultando em um citoplasma3 granular acidofílico abundante. As células2 e o tumor1 que elas compõem são geralmente benignos, mas às vezes podem ser pré-malignos ou malignos.

Quais são as causas do oncocitoma?

Como a divisão celular dos oncócitos não está impedida, é possível que eles deem origem a hiperplasias e neoplasias4 benignas ou (mais raramente) malignas. Pode haver causas ou desencadeamentos mais específicos, na dependência do órgão em que os tumores se localizam.

Leia sobre "Prevenção do câncer5", "Limitar o consumo do álcool reduz o risco de câncer5" e "Nódulos da tireoide6".

Qual é o substrato fisiológico7 do oncocitoma?

Um oncocitoma é um tumor1 epitelial composto por oncócitos, grandes células2 glandulares epiteliais eosinofílicas com núcleos pequenos, redondos e de aparência benigna, com nucléolos grandes. A localização dos tumores parece ser incidental. A incidência8 deles é maior entre pacientes do sexo masculino que do sexo feminino.

Essas células2 foram identificadas por Hamperl, em 1931, e, em 1932, Jaffé introduziu o termo oncocitoma para esses tumores. Embora outras designações tenham sido sugeridas, como adenoma9 oxifílico e mitocondrioma, ela permanece desde então.

Quais são as principais características clínicas do oncocitoma?

Esses tumores foram encontrados nos rins10, glândulas salivares11, tireoide12 e outros tecidos e órgãos (paratireoide, glândula lacrimal13, adenohipófise14 e pâncreas15), todos com características muito assemelhadas, independentemente do local em que ocorrem.

Oncocitoma renal16

O oncocitoma renal16 se origina das células2 intercaladas dos ductos coletores do rim17. É um tumor1 benigno, mais comum em homens que em mulheres, que cresce assintomático, embora raros casos de metástases18 tenham sido relatados. Geralmente é descoberto por acaso na 6ª ou 7ª décadas da vida, quando um exame de imagem é feito em razão de outros motivos.

Em geral ele cresce por expansão, à razão de 0,5 centímetros ao ano, e pode atingir grandes tamanhos (até 15 cm), embora quando diagnosticado geralmente tenha 4 ou 5 centímetros. Pode afetar e prejudicar estruturas vizinhas, por contiguidade, como a artéria renal19, por exemplo.

Nos exames de imagens costuma ser difícil diferenciá-lo de tumores malignos, pelo que quase sempre uma biópsia20 é requerida ou ele só é reconhecido como tal depois da extração cirúrgica. Esse tumor1 representa 5% a 15% das neoplasias4 renais cirurgicamente ressecadas.

Oncocitoma das glândulas salivares11

O oncocitoma de glândulas salivares11 é um crescimento neoplásico21 benigno e bem circunscrito, localizado na glândula parótida22 na maioria dos casos. Geralmente são unilaterais e raramente bilaterais. Cerca de 20% deles está relacionado à terapia de radiação feita ou outros motivos. Compreende cerca de 1 a 2% de todos os tumores da glândula23 salivar, sendo mais frequente que a oncocitose ou que os carcinomas oncocíticos.

Macroscopicamente é uma massa tumoral de tamanho inferior a 4 cm, firme, lobulada, de cor vermelho-amarronzada, de crescimento lento e indolor, que aparece, em média, após os 60 anos de idade. A histopatologia24 é marcada por folhas de grandes oncócitos epiteliais poliédricos e inchados com núcleos localizados centralmente. Os oncocitomas das glândulas salivares11 são mais comuns nas mulheres que em homens.

Oncocitoma da tireoide12

Pode ser benigno (adenoma9) ou maligno (carcinoma25), o que impõe a necessidade de um diagnóstico26 diferencial perfeito. Os adenomas oncocíticos são nódulos sólidos encapsulados com uma superfície característica de cor marrom.

A aparência do carcinoma25 minimamente invasivo é indistinguível da de um adenoma9, enquanto o carcinoma25 amplamente invasivo é obviamente característico. Não existe característica citológica confiável que distinga o adenoma9 oncocitário do carcinoma25 e o único critério para o diagnóstico26 de malignidade é a identificação de invasão. Os pacientes apresentam nódulo27 tireoidiano, geralmente com função tireoidiana normal. Se o tumor1 for grande ou invasivo pode haver outros sintomas28, como dificuldade em engolir ou falar, por exemplo.

Como o médico diagnostica o oncocitoma?

Quase sempre os oncocitomas são diagnosticados incidentalmente por exames de imagens feitos em razão de outros motivos. Embora essas imagens tenham algumas características próprias, elas não são suficientemente específicas para garantir um diagnóstico26 definitivo. Somente a biópsia20 ou o exame anatomopatológico de material extirpado pela cirurgia é capaz de selar o diagnóstico26.

Como o médico trata o oncocitoma?

Como são de lenta progressão, geralmente assintomáticos e raramente se tornam malignos, os oncocitomas podem apenas ser monitorados, mas como são radiologicamente indistinguíveis de um carcinoma25, devem ser removidos cirurgicamente, por via das dúvidas.

Veja também sobre "Bócio29", "Adenocarcinoma30" e "Biópsia20 da tireoide12".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites do Oncoguia e do GARD – Genetic and Rare Diseases Information Center.

ABCMED, 2020. Oncocitoma – conceito, causas, características clínicas, diagnóstico e tratamento. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1365943/oncocitoma-conceito-causas-caracteristicas-clinicas-diagnostico-e-tratamento.htm>. Acesso em: 15 ago. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Citoplasma: A parte da célula que contém o CITOSSOL e pequenas estruturas, excluindo o NÚCLEO CELULAR, MITOCÔNDRIA e os VACÚOLOS grandes. (Tradução livre do original
4 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
5 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
6 Nódulos da tireoide: Nódulos da tireoide resultam em crescimentos anormais de células da tireoide, que formam protuberâncias dentro da glândula, normalmente visíveis sob a pele do pescoço.
7 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
8 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
9 Adenoma: Tumor do epitélio glandular de características benignas.
10 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
11 Glândulas salivares: As glândulas salivares localizam-se no interior e em torno da cavidade bucal tendo como objetivo principal a produção e a secreção da saliva. São elas: parótidas, submandibulares, sublinguais e várias glândulas salivares menores.
12 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
13 Glândula Lacrimal: O sistema produtor e condutor das lágrimas. Inclui as glândulas lacrimais, margens das pálpebras, saco conjuntival e o sistema de drenagem das lágrimas.
14 Adenohipófise: Lobo glandular anterior da hipófise, também conhecido como adenohipófise. Secreta os HORMÔNIOS ADENOHIPOFISÁRIOS que regulam funções vitais como CRESCIMENTO, METABOLISMO e REPRODUÇÃO.
15 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
16 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
17 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
18 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
19 Artéria Renal: Ramo da aorta abdominal que irriga os rins, glândulas adrenais e ureteres.
20 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
21 Neoplásico: Que apresenta neoplasia, ou seja, que apresenta processo patológico que resulta no desenvolvimento de neoplasma ou tumor. Um neoplasma é uma neoformação de crescimento anormal, incontrolado e progressivo de tecido, mediante proliferação celular.
22 Glândula parótida: A maior dos três pares de GLÂNDULAS SALIVARES, que ficam do lado da FACE, imediatamente abaixo e em frente à ORELHA.
23 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
24 Histopatologia: Histologia de tecidos orgânicos que apresentam lesões. A histologia é uma disciplina biomédica que realiza estudos da estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
25 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
28 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
29 Bócio: Aumento do tamanho da glândula tireóide, que produz um abaulamento na região anterior do pescoço. Em geral está associado ao hipotireoidismo. Quando a causa desta doença é a deficiência de ingestão de iodo, é denominado Bócio Regional Endêmico. Também pode estar associado a outras doenças glandulares como tumores, infecções ou inflamações.
30 Adenocarcinoma: É um câncer (neoplasia maligna) que se origina em tecido glandular. O termo adenocarcinoma é derivado de “adeno”, que significa “pertencente a uma glândula” e “carcinoma”, que descreve um câncer que se desenvolveu em células epiteliais.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cancerologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.