Gostou do artigo? Compartilhe!

Situs inversus - o que é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é situs inversus?

Situs inversus é uma condição rara (atinge cerca de 0,01% das pessoas) em que alguns ou todos os órgãos ficam localizados no lado oposto em relação ao local onde eles deveriam ser normalmente encontrados, como se fosse uma imagem de espelho.

Fala-se de situs inversus totalis quando todos os órgãos do abdômen e do tórax1 são invertidos; de situs inversus parcial quando só alguns órgãos do abdômen e tórax1 são invertidos; de situs inversus abdominal quando todos os órgãos do abdômen são invertidos e de dextrocardia quando apenas o coração2 se situa à direita, ao invés de estar do lado esquerdo do peito3. Chama-se situs ambiguous à condição em que o fígado4 está localizado na linha média do corpo, o baço5 é ausente ou múltiplo e há sinais6 de má rotação intestinal.

Em 1643, Marco Severino registrou a dextrocardia pela primeira vez. Também Leonardo da Vinci já fazia referência a essa condição. Mais de um século depois, Matthew Baillie descreveu o situs inversus totalis.

Saiba mais sobre a "Dextrocardia".

Quais são as causas do situs inversus?

Essa assimetria anatômica é estabelecida durante a formação embrionária, especificamente, na rotação dos órgãos. O situs inversus é uma variação genética congênita7, porém a genética do situs inversus é complexa. A condição é geneticamente heterogênea e diferentes fatores genéticos podem causar a doença entre pessoas ou famílias diferentes.

Mais comumente a herança foi descrita como autossômica8 recessiva, mas também há casos (mais raros) em que ela é autossômica8 dominante ou ligada ao cromossomo9 X. Se o situs inversus estiver associado a outra síndrome10 ou condição subjacente, o padrão de hereditariedade11 pode ser o mesmo que o dessa condição subjacente.

Quais são as principais características clínicas do situs inversus?

O situs inversus afeta igualmente ambos os sexos. Em geral, a inversão de órgãos não diminui a expectativa de vida12 da pessoa, nem prejudica sua qualidade de vida. Algumas pessoas nem sabem que portam o problema, e só acabam descobrindo acidentalmente. Entretanto, até 5% dos indivíduos com diagnóstico13 de situs inversus apresenta alguma malformação14 cardíaca capaz de gerar sintomas15, das quais a transposição dos grandes vasos é a mais comum.

Embora muitas pessoas afetadas que portam o situs inversus não apresentem sintomas15 é muito útil conhecer essa condição, porque ela interfere em certos diagnósticos. Por exemplo, se um indivíduo afetado for acometido de apendicite16, terá dores no lado esquerdo do abdome17, e não do direito, como seria esperado. Quando o situs inversus ocorre em associação com outras condições, sinais6 e sintomas15 adicionais relacionados a essas condições podem estar presentes.

Leia sobre "Apendicite16".

Como o médico diagnostica o situs inversus?

A maioria dos casos de situs inversus pode ser identificado por um exame físico completo. Muitas vezes é constatado quando o médico, usando um estetoscópio, ouve sons do lado contrário ao que seriam esperados como, por exemplo, sons do coração2 do lado direito do tórax1, ao invés do lado esquerdo. Para confirmar o diagnóstico13 podem ser feitos estudos de imagens radiográficas, ultrassonografia18, tomografias ou ultrassonografias do tórax1 e abdome17 e eletrocardiografia.

Como o médico trata o situs inversus?

Não existe tratamento para o situs inversus. Na maioria das vezes também não há necessidade de tratar a reversão de órgãos, mas desordens ou anormalidades orgânicas específicas associadas podem requerer tratamento. No caso de haver um defeito no coração2, por exemplo, ele deve ser tratado como tal por um cardiologista19. Assim também com qualquer outro órgão.

Como evolui o situs inversus?

Como dito, a reversão de órgãos não diminui a expectativa de vida12 de uma pessoa nem prejudica sua qualidade de vida. Algumas pessoas nem sabem ser portadoras dessa condição até ela ser diagnosticada por acidente, em um procedimento médico não relacionado a esse fato.

Como prevenir consequências negativas do situs inversus?

As pessoas que saibam ter situs inversus devem informar essa condição a todos os médicos que as atendam. Além de evitar uma desnecessária confusão, isso vai facilitar o diagnóstico13 de enfermidades que se apresentam com sintomas15 específicos, mas que estejam invertidas de lado, como a apendicite16, por exemplo.

Quais são as complicações possíveis do situs inversus?

Complicações do situs inversus ocorrem com pouca frequência, mas podem incluir doenças cardíacas, complicações pulmonares e problemas com a doação de órgãos, bem como erros diagnósticos de doenças e condições comuns.

Os médicos estimam que no situs inversus há uma discinesia ciliar primária, na qual os cílios20 no interior dos pulmões21 que oferecem proteção contra a infecção22 sofrem uma disfunção que prejudica o movimento normal deles. Isso pode levar a infecções23 respiratórias e maior risco de sinusite24 crônica. O situs inversus também pode gerar dificuldades ou erros diagnósticos, porque os sintomas15 vão estar do lado "errado".

Veja também sobre "Malformações25 fetais" e "Sinusite24".

 

ABCMED, 2018. Situs inversus - o que é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1325663/situs+inversus+o+que+e.htm>. Acesso em: 31 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
2 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
3 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
4 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
5 Baço:
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
8 Autossômica: 1. Referente a autossomo, ou seja, ao cromossomo que não participa da determinação do sexo; eucromossomo. 2. Cujo gene está localizado em um dos autossomos (diz-se da herança de características). As doenças gênicas podem ser classificadas segundo o seu padrão de herança genética em: autossômica dominante (só basta um alelo afetado para que se manifeste a afecção), autossômica recessiva (são necessários dois alelos com mutação para que se manifeste a afecção), ligada ao cromossomo sexual X e as de herança mitocondrial (necessariamente herdadas da mãe).
9 Cromossomo: Cromossomos (Kroma=cor, soma=corpo) são filamentos espiralados de cromatina, existente no suco nuclear de todas as células, composto por DNA e proteínas, sendo observável à microscopia de luz durante a divisão celular.
10 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
11 Hereditariedade: Conjunto de eventos biológicos responsáveis pela transmissão de uma herança a seus descendentes através de seus genes. Existem dois tipos de hereditariedade: especifica e individual. A hereditariedade especifica é responsavel pela transmissão de agentes genéticos que determinam a herança de características comuns a uma determinada espécie. A hereditariedade individual designa o conjunto de agentes genéticos que atuam sobre os traços e características próprios do indivíduo que o tornam um ser diferente de todos os outros.
12 Expectativa de vida: A expectativa de vida ao nascer é o número de anos que se calcula que um recém-nascido pode viver caso as taxas de mortalidade registradas da população residente, no ano de seu nascimento, permaneçam as mesmas ao longo de sua vida.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Apendicite: Inflamação do apêndice cecal. Manifesta-se por abdome agudo, e requer tratamento cirúrgico. Sua complicação mais freqüente é a peritonite aguda.
17 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
18 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
19 Cardiologista: Médico especializado em tratar pessoas com problemas cardíacos.
20 Cílios: Populações de processos móveis e delgados que são encontrados revestindo a superfície dos ciliados (CILIÓFOROS) ou a superfície livre das células e que constroem o EPITÉLIO ciliado. Cada cílio nasce de um grânulo básico na camada superficial do CITOPLASMA. O movimento dos cílios propele os ciliados através do líquido no qual vivem. O movimento dos cílios em um epitélio ciliado serve para propelir uma camada superficial de muco ou fluido.
21 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
22 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
23 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
24 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
25 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pediatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.