Gostou do artigo? Compartilhe!

Queda da própria altura

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a queda da própria altura?

A queda da própria altura é aquela em que a vítima cai no próprio nível em que se encontra. Significa perder repentinamente a posição ereta, como na situação “tropeçou e caiu”. Significa cair de uma posição vertical para outra horizontal. Ela difere das quedas de alturas em que a pessoa cai para níveis diferentes e inferiores àquele em que se encontra.

Essas quedas são tão frequentes que podem ser consideradas um problema de saúde1 pública, seja por seus efeitos diretos e indiretos sobre a saúde1 da população, seja por piorar estados mórbidos prévios.

Quais são as causas das quedas da própria altura?

As quedas da própria altura podem se dever a fatores internos (condições fisiológicas2) ou a fatores externos (ambientais).

As primeiras ocorrem, por exemplo, quando o paciente sofre um desmaio inesperado, como acontece com os epilépticos. Pode acontecer também por uma fratura3 espontânea em pacientes com doenças ósseas ou osteoporose4 ou em pacientes que, por qualquer razão, perderam o equilíbrio (bêbados, por exemplo) ou apresentaram tonteiras por vários motivos. Pessoas com deficiências motoras ou que estejam mentalmente confusas ou desorientadas têm maior probabilidade de sofrerem quedas.

As segundas são quedas em que a pessoa cai por ter escorregado, tropeçado, embaraçado os pés em fios ou tapetes, por exemplo.

Alguns fatores favorecem as quedas da própria altura: chão escorregadio, calçados inapropriados, objetos deixados pelo chão (principalmente brinquedos), escadas, uso de álcool e drogas, acidentes da marcha, animais soltos dentro de casa, buracos nas calçadas, etc.

Leia mais sobre "Desmaios", "Epilepsias", "Distúrbios do equilíbrio", "Osteopenia", "Osteoporose4" e "Fraturas ósseas".

Quais são as principais características clínicas da queda da própria altura?

A queda da própria altura geralmente é menos grave que as quedas de altura, mas também pode causar lesões5 graves à saúde1 do indivíduo. Grande número de quedas nem chegam a causar algum problema e elas podem ser consideradas banais. Para as outras, o resultado depende em grande parte das consequências da queda: bater com a cabeça6, impactar ou fraturar um osso, distender um músculo, etc. Em casos determinados, dependendo de suas consequências, as quedas da própria altura podem inclusive ser letais.

Embora esse tipo de queda seja mais comum em idosos, epilépticos e usuários de drogas, pode, eventualmente, ocorrer a qualquer pessoa. As quedas podem ser repentinas e sem aviso prévio ou serem precedidas de manifestações que as prenunciam. Estas últimas permitem que o indivíduo adote alguma medida de proteção, o que não é possível com as outras. Por isso, as pessoas que sofrem quedas repentinas são muito mais sujeitas a sofrerem lesões5 (às vezes graves) que aquelas cuja queda apresenta manifestação prévia.

É importante também levar em conta o local em que a queda se verifica. Por exemplo, o banheiro é cheio de peças rígidas, favorecendo os traumatismos; nas ruas é possível bater a cabeça6 contra o meio fio, etc. Assim, um simples tombo pode ter consequências imediatas importantes, motivar uma internação ou uma cirurgia ou deixar sequelas7. É comum que haja fraturas, hematomas8 subdurais, sangramentos e mesmo óbitos e impactos negativos como sequelas7, medos e depressão.

Situação especial das quedas da própria altura em idosos

Uma situação de importância especial se refere às quedas em idosos. Elas são eventos frequentes, na maioria das vezes causadoras, no mínimo, de escoriações9 e lesões5. Mas é comum que haja também lesões5 mais graves como fraturas no fêmur10 proximal11 (que podem ter consequências fatais) e dos membros superiores (ombro e punho).

Além disso, as consequências de quedas em idosos podem dar origem a outras doenças (pneumonias, tromboflebites12, infecção13 do trato urinário14, diminuição do fluxo sanguíneo, osteoporose4 e demência15) ou à piora de doenças pré-existentes. Muito frequentemente é necessária a internação para o acompanhamento e o tratamento do idoso e isso pode causar novos problemas. Além das chances de contrair infecção13 hospitalar, o paciente acamado pode sofrer trombose16 em razão da imobilidade a que é forçado.

Após a recuperação, é comum que o idoso apresente ptofobia (medo excessivo de assumir a postura de pé) ou um pavor descontrolado de andar novamente. É comum que a pessoa apresente alterações de marcha e do equilíbrio e tenha que reduzir suas atividades. Geralmente, o paciente passa a depender de bengalas para se locomover. Socialmente, o idoso deixa de frequentar locais e pessoas que faziam parte de sua rotina, estabelecendo um certo isolamento e, às vezes, certa depressão.

Veja também sobre "Traumatismos cranianos", "Hematomas8 subdurais", "Tonturas17" e "Demência15".

 

ABCMED, 2018. Queda da própria altura. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1321278/queda+da+propria+altura.htm>. Acesso em: 14 nov. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
3 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
4 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
5 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
6 Cabeça:
7 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
8 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
9 Escoriações: Ato ou efeito de escoriar-se; esfolar-se, ferir-se.
10 Fêmur: O mais longo e o maior osso do esqueleto; está situado entre o quadril e o joelho. Sinônimos: Trocanter
11 Proximal: 1. Que se localiza próximo do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Em anatomia geral, significa o mais próximo do tronco (no caso dos membros) ou do ponto de origem (no caso de vasos e nervos). Ou também o que fica voltado para a cabeça (diz-se de qualquer formação). 3. Em botânica, o que fica próximo ao ponto de origem ou à base. 4. Em odontologia, é o mais próximo do ponto médio do arco dental.
12 Tromboflebites: Processo inflamatório de um segmento de uma veia, geralmente de localização superficial (veia superficial), juntamente com formação de coágulos na zona afetada. Pode surgir posteriormente a uma lesão pequena numa veia (como após uma injeção ou um soro intravenoso) e é particularmente frequente nos toxico-dependentes que se injetam. A tromboflebite pode desenvolver-se como complicação de varizes. Existe uma tumefação e vermelhidão (sinais do processo inflamatório) ao longo do segmento de veia atingido, que é extremamante doloroso à palpação. Ocorrem muitas vezes febre e mal-estar.
13 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Trato Urinário:
15 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
16 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
17 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.