Atalho: 6MYNGYW
Gostou do artigo? Compartilhe!

Líquido amniótico: o que é normal? O que não é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o líquido amniótico1?

O líquido amniótico1 é o fluido que preenche a bolsa amniótica2 e no qual o embrião fica imerso durante a gestação. No início da gravidez3 ele tem aspecto transparente e à medida que ela evolui fica mais espesso e esbranquiçado (leitoso). Envolvendo o bebê, o líquido amniótico1 o protege de choques e movimentos bruscos, não deixa o cordão umbilical4 sofrer compressões e mantém a temperatura adequada dentro do útero5. Além disso, torna menor a energia gasta com os movimentos fetais, tem importantes propriedades bacteriostáticas e ajuda na alimentação do bebê.

O exame do líquido amniótico1 através da amniocentese6 (retirada por punção de certa porção do líquido amniótico1 para análise em laboratório) pode produzir informações sobre doenças e alterações genéticas e cromossômicas do feto7. Quando se fala que "a bolsa rompeu”, significa que o líquido amniótico1 está sendo expulso e isso marca o início do parto.

Como é produzido o líquido amniótico1?

A bolsa amniótica2 normalmente forma-se a partir da segunda semana de gestação e é ela que coleciona em seu interior o líquido amniótico1. Durante os primeiros quatro meses da gravidez3, o líquido amniótico1 é produzido pela placenta e pelas membranas que envolvem a bolsa. Depois disso, é formado também pelas excreções dos rins8 do bebê, que eliminam sódio e concentram a ureia9, modificando assim a sua composição química. O líquido amniótico1 deglutido pelo feto7 é reabsorvido no intestino dele e chega até os rins8, onde é filtrado e novamente excretado para a bolsa amniótica2. O aumento do líquido amniótico1 durante a gestação não é somente devido à excreção urinária, mas também depende da pele10, da placenta, do trato gastrointestinal, do sistema respiratório11 e do cordão umbilical4.

Líquido amniótico

Qual a quantidade ideal do líquido amniótico1?

O líquido amniótico1 é continuamente produzido e reabsorvido pelo organismo durante a gestação. A quantidade total de líquido amniótico1 aumenta com o decorrer da gravidez3 e deve chegar a seu máximo de 800 a 1.000 ml nas 34ª a 36ª semanas de gestação. Depois desse tempo, o volume vai diminuindo aos poucos, até o final da gravidez3.

A avaliação da quantidade do líquido amniótico1 por meio da ultrassonografia12 tornou-se um importante método de acompanhar a vitalidade e o desenvolvimento anatômico fetal e é, hoje em dia, um exame de rotina no acompanhamento pré-natal. Quando esse líquido está em menor ou maior quantidade do que deveria (oligodrâmnio ou polihidrâmnio13, respectivamente) indica problemas para a mãe e para o bebê e requer correção.

Quais as causas conhecidas para o oligodrâmnio?

Nem sempre é possível reconhecer as causas da diminuição do volume do líquido amniótico1, mas alguns fatores intervenientes nesse processo são sabidos:

  • Desidratação14 materna, com diminuição geral dos líquidos do corpo da grávida.
  • Ruptura parcial da bolsa amniótica2, com perda de líquido amniótico1 pela vagina15.
  • Problemas na placenta, que pode não estar produzindo sangue16 e nutrientes em quantidade adequada, fazendo com que bebês17 pequenos produzam uma menor quantidade de urina18.
  • Malformações19 interferindo na produção de urina18 pelo bebê.
  • Síndrome20 da transfusão21 feto7-fetal: no caso de gravidez3 de gêmeos pode acontecer que um bebê receba menos sangue16 e nutrientes que o outro, ficando com menos líquido amniótico1. Normalmente, cada um dos gêmeos tem a sua própria bolsa.
  • Medicamentos: alguns remédios podem causar uma diminuição do líquido amniótico1.

Se a quantidade de líquido estiver muito baixa e a gravidez3 estiver no seu terceiro trimestre, o médico pode optar por antecipar o parto, mas geralmente ele apenas acompanhará mais de perto a gravidez3 para se certificar que não esteja havendo sofrimento fetal, até que o parto se dê espontaneamente.

Quais as causas conhecidas para o polihidrâmnio13?

Geralmente uma quantidade maior que 2.000 ml de líquido no último trimestre da gravidez3, comumente associado com:

  • Diabetes mellitus22 da mãe.
  • Gravidez3 múltipla (de gêmeos).
  • Transtornos cromossômicos do feto7.
  • Anormalidades congênitas23.
ABCMED, 2012. Líquido amniótico: o que é normal? O que não é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/gravidez/318650/liquido+amniotico+o+que+e+normal+o+que+nao+e.htm>. Acesso em: 21 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Líquido amniótico: Fluido viscoso, incolor ou levemente esbranquiçado, que preenche a bolsa amniótica e envolve o embrião durante toda a gestação, protegendo-o contra infecções e choques mecânicos e térmicos.
2 Bolsa amniótica: Bolsa amniótica ou âmnio é um dos anexos embrionários que alguns vertebrados (répteis, aves e mamíferos) possuem durante o seu desenvolvimento embrionário. Também conhecida como saco amniótico, é onde o feto se desenvolve no líquido amniótico.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Cordão Umbilical: Estrutura flexível semelhante a corda, que conecta um FETO em desenvolvimento à PLACENTA, em mamíferos. O cordão contém vasos sanguíneos que transportam oxigênio e nutrientes da mãe ao feto e resíduos para longe do feto.
5 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
6 Amniocentese: Consiste na obtenção do líquido amniótico que banha o feto através da punção da cavidade amniótica. Realizada entre 15 a 18 semanas de gravidez, para avaliar problemas genéticos do bebê.
7 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
8 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
9 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
10 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
11 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
12 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
13 Polihidrâmnio: Também conhecido como hidrâmnios é o nome técnico para o excesso de líquido amniótico no útero durante a gestação.
14 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
15 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
18 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
19 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
20 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
21 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
22 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
23 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia e Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

17/03/2014 - Comentário feito por larissa
Re: Líquido amniótico: o que é normal? O que não é?
Boa noite !
Gostaria de saber se na gravidez temos duas bolças ?pq perdi liquido e meu medico disse que tinha sido a primeira bolça rompida não a principal .

12/10/2013 - Comentário feito por nelma
Re: Líquido amniótico: o que é normal? O que não é?
eu queria saber porque tem mulheres que ,perde sangue em um parto normal no lugar de liquido. ?

28/05/2013 - Comentário feito por michelle
Re: Líquido amniótico: o que é normal? O que não é?
É normal perde liquido na gestação de 7 meses?

20/09/2012 - Comentário feito por edizio
Re: Líquido amniótico: o que é normal? O que não é?
Muito bom as informações, mais se possivel gostaria de algo sobre (SAM) Sindrome de aspiração de Mecônio adoro as informações.

19/09/2012 - Comentário feito por Fabio
Re: Líquido amniótico: o que é normal? O que não é?
Olá,

Queria comentar que a medida do líquido amniótico é realizada por meio de um índice, que é conhecido como ILA (Índice de Liquido Amniótico).

Segue link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842005000600002

  • Entrar
  • Assinar