Gostou do artigo? Compartilhe!

Como a poluição do ar afeta a saúde?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Como a poluição do ar afeta a saúde1?

Resumidamente, a Organização Mundial de Saúde1 (OMS) se expressa sobre o assunto nos seguintes termos:

O ar que respiramos está cada vez mais perigosamente poluído: nove em cada dez pessoas respiram ar poluído, que mata 7 milhões de pessoas todos os anos. Os efeitos da poluição do ar para a saúde1 são sérios. Esses efeitos são equivalentes ao do tabaco e muito maior do que, por exemplo, os efeitos de comer muito sal. É difícil de escapar da poluição do ar, não importa quão rica seja a área em que a pessoa vive. A poluição está ao nosso redor e poluentes microscópicos2 no ar podem passar pelas defesas do nosso corpo, penetrando em nosso sistema respiratório3 e circulatório, danificando nossos pulmões4, coração5 e cérebro6. A poluição do ar está intimamente ligada à mudança climática e o principal propulsor da mudança climática é a combustão de combustíveis fósseis. A falta de poluição visível não é indicação de ar saudável. Em todo o mundo, tanto as cidades quanto as aldeias estão expostas a poluentes tóxicos no ar que excedem os valores médios recomendados pela OMS”.

Quais partículas poluem o ar?

As principais partículas que poluem o ar são:

  1. Carbono Negro: o carbono negro vem da queima de combustível (especialmente diesel, madeira, carvão e outros). As pessoas com maior exposição ao carbono negro por um longo período correm maior risco de ataques cardíacos e derrames cerebrais. Além disso, o carbono negro está associado à hipertensão arterial7, asma8, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), bronquite e uma variedade de tipos de câncer9.
  2. Óxidos de nitrogênio: o óxido de nitrogênio e o dióxido de nitrogênio são produzidos principalmente pelo setor de transportes. Por isso, é encontrado em altas concentrações ao redor das estradas e pode resultar em desenvolvimento e exacerbações de asma8 e bronquite, bem como levar a um maior risco de doença cardíaca.
  3. Ozônio: o ozônio no alto da atmosfera pode nos proteger da radiação ultravioleta. Mas o ozônio no nível do solo é um irritante respiratório bem estabelecido. O ozônio é formado na atmosfera através de reações de compostos orgânicos voláteis e óxidos de nitrogênio, ambos formados como resultado da combustão de combustíveis fósseis. A exposição a curto prazo ao ozônio pode causar dor no peito10, tosse e irritação na garganta11, enquanto a exposição a longo prazo pode levar à diminuição da função pulmonar e causar doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Além disso, a exposição ao ozônio pode agravar doenças pulmonares existentes.
  4. Dióxido de enxofre: o dióxido de enxofre é emitido no ar pela queima de combustíveis fósseis que contêm enxofre. Causa irritação nos olhos12, piora a asma8, aumenta a suscetibilidade a infecções13 respiratórias e afeta o sistema cardiovascular14. Quando o dióxido de enxofre combina com água, forma ácido sulfúrico, que é o principal componente da chuva ácida, um conhecido contribuinte para o desmatamento.
Saiba mais sobre "Hipertensão arterial7", "Asma8", "Doença pulmonar obstrutiva crônica", "Bronquite" e "Tosse".

Quais são as doenças causadas pela poluição do ar?

A poluição do ar proveniente do tráfego de veículos e da indústria está levando à morte prematura mais pessoas que a malária e a AIDS combinadas. Poluentes provenientes da queima de combustíveis fósseis têm sido associados ao pequeno crescimento dos pulmões4 em crianças, asma8, doenças cardíacas e o aparecimento de diabetes15 mellitus tipo 2.

A exposição de mulheres grávidas à poluição do ar também pode afetar o crescimento do cérebro6 do feto16. Mesmo a exposição a curto prazo à poluição pode agravar doenças pulmonares, aumentar a suscetibilidade a infecções13 respiratórias e causar ataques cardíacos em pessoas com doença cardíaca.

As pessoas que permanecem saudáveis também podem sofrer impactos do ar poluído, incluindo irritação e/ou dificuldades respiratórias durante o exercício ou atividades ao ar livre, tosse, aperto no peito10 e falta de ar. O risco real de efeitos adversos depende do estado de saúde1 atual da pessoa, do tipo e concentração de poluentes e da duração da exposição ao ar poluído. A exposição a longo prazo ao ar poluído pode ter efeitos permanentes sobre as condições de vida das pessoas, tais como: envelhecimento acelerado dos pulmões4, diminuição da função pulmonar e vida útil encurtada.

As pessoas mais suscetíveis a problemas graves de saúde1 causados pela poluição do ar são indivíduos com doença cardíaca, indivíduos com doenças pulmonares, grávidas, trabalhadores ao ar livre, idosos, crianças com menos de 14 anos e atletas que se exercitam vigorosamente ao ar livre.

O que se pode fazer para diminuir os efeitos da poluição?

Num nível global, a OMS tem promovido conferências envolvendo diferentes países destinadas a discutir como combater a poluição do ar e seus efeitos. Essas conferências ajudam os países a prevenir a morbidade17 e a mortalidade18 prematura advindas da poluição. Também aconselham sobre atividades de monitoramento e modelagem para melhorar a qualidade das avaliações do ar.

No nível individual, a exposição à poluição do ar livre pode ser reduzida verificando-se o Índice de Qualidade do Ar, evitando o tráfego pesado, quando possível, e evitando o fumo passivo do tabaco. Em muitas cidades onde a poluição é muito alta, o uso de máscaras pode reter algumas partículas poluentes.

A poluição do ar interior das residências pode ser reduzida certificando-se de que o local é bem ventilado e limpo, para evitar o acúmulo de agentes como poeira e/ou mofo. Ao mesmo tempo, deve-se remover quaisquer poluentes e/ou irritantes conhecidos, como aerossóis, suprimentos de limpeza rigorosos, etc. As pessoas que trabalham com gases ou poeiras tóxicas ou poluentes devem usar máscaras protetoras adequadas.

Leia sobre "Diabetes mellitus19", "Oxigenioterapia", "Fumo passivo" e "Parar de fumar".

 

ABCMED, 2019. Como a poluição do ar afeta a saúde?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1334323/como+a+poluicao+do+ar+afeta+a+saude.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Microscópicos: 1. Relativo à microscopia ou a microscópio. 2. Que se realiza com o auxílio do microscópio. 3. Visível somente por meio do microscópio. 4. Muito pequeno, minúsculo.
3 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
4 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
7 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
8 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
9 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
10 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
11 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
12 Olhos:
13 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
15 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
16 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
17 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
18 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
19 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.