Gostou do artigo? Compartilhe!

Dor crônica: o que devemos saber?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é dor crônica?

A dor crônica é definida como “aquela que se estende além do período esperado". Não há consenso sobre qual seja esse período. Alguns chamam de aguda a dor que dura menos de um mês, subaguda1 a dor que dura de um a seis meses e de crônica aquela dor que dura mais de seis meses; outros só consideram como crônica aquela dor que dure mais de doze meses. A dor crônica tanto pode ser devido a desordens do sistema de percepção quanto por desarranjo dos mecanismos de inibição da dor. É um erro considerar-se a dor crônica como um mero prolongamento da dor aguda, porque ela tem uma natureza diferente. Os circuitos nervosos responsáveis pela dor crônica são diferentes daqueles associados à dor aguda.

Quais são as causas da dor crônica?

A dor crônica pode surgir como dor de cabeça2, dor nas juntas, dor devido a lesões3 e dores nas costas4. Outras espécies de dores incluem tendinites, dores da síndrome5 do túnel do carpo ou dores que afetam partes específicas do corpo como, por exemplo, ombros, pelve6 ou cabeça2. Dores musculares ou nervosas também podem se tornar dores crônicas. Em alguns casos, a dor crônica pode ser causada por fatores genéticos que levem a uma redução no limiar para dor. Os dois traços psicológicos mais associados à dor crônica, conforme apurados pelos testes de personalidade, são a conversão e os traços neuróticos. Para alguns investigadores são esses traços que tornam as dores crônicas, mas outros acham, ao contrário, que é a dor que causa esse neuroticismo7.

Qual é a fisiopatologia8 da dor crônica?

Na dor crônica há uma persistente ativação da transmissão nociceptiva (dor que aparece em consequência da aplicação de estímulos que produzem danos aos órgãos somáticos ou viscerais) para a coluna dorsal da medula9, que assim tem o seu limiar para a dor rebaixado. Esse processo, uma vez instalado, é difícil de ser revertido. A dor crônica pode ter entre suas causas um fator genético, mas as dores de outras etiologias são consequentes a doenças que afetam a estrutura cerebral. As imagens de ressonância magnética10 mostram uma conectividade anatômica e funcional anormal e uma perda de matéria cinza reversível uma vez que a dor seja resolvida. Nos casos de dores crônicas, a representação neurológica do corpo está desorganizada e essa alteração resulta na experiência de hiperalgesia11. Também o eletroencefalograma12 mostra uma atividade alterada nos indivíduos com dor crônica, sugerindo alterações neuroplásticas. Essa “memória dolorosa” está ligada a mediadores químicos muito semelhantes aos envolvidos no processo intelectual de memorização.

Quais são as principais características da dor crônica?

A dor crônica pode se originar de um trauma ou lesão13 inicial que a cause ou pode haver uma causa continuada. Algumas pessoas podem sofrer de dor crônica mesmo na ausência de qualquer dano. A ansiedade, o estresse, a depressão, a raiva14 e a fadiga15 interagem de uma maneira complexa com a dor e podem piorar o quadro. Por outro lado, esses sentimentos negativos podem amplificar as sensações de dor, ocasionando assim um círculo vicioso. Há evidências de que uma dor que não cessa pode afetar negativamente o sistema autoimune16 de defesa. Em resumo, a dor crônica geralmente é uma dor leve ou severa que não cessa e que causa intenso sentimento de desconforto, fadiga15, incapacidade de conciliar o sono, dificuldades de executar qualquer atividade, aumento da necessidade de repouso e alterações do humor.

Como a dor crônica pode ser tratada?

Uma completa e definitiva remissão das dores crônicas é rara, mas muito pode ser feito no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas acometidas. Em virtude das ligações corpo-mente, um tratamento efetivo requer a participação do psicólogo e outros profissionais, juntamente com o médico e, muitas vezes, de outros profissionais das áreas da saúde17. A dor aguda geralmente pode ser resolvida por um só profissional, mas a dor crônica geralmente demanda uma equipe multiprofissional. A dor pode ser tratada com analgésicos18 e anti-inflamatórios, mas eles têm ação passageira e nem sempre eficaz.

Como evolui a dor crônica?

A dor crônica pode estar associada com depressão, ansiedade e com decréscimo da atividade física e/ou intelectual. Pessoas com dor crônica apresentam um grau de mortalidade19 em um determinado período de tempo maior que o normal.

ABCMED, 2015. Dor crônica: o que devemos saber?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/748227/dor-cronica-o-que-devemos-saber.htm>. Acesso em: 18 fev. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Subaguda: Levemente aguda ou que apresenta sintomas pouco intensos, mas que só se atenuam muito lentamente (diz-se de afecção ou doença).
2 Cabeça:
3 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Costas:
5 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
6 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
7 Neuroticismo: Compreende um domínio da personalidade. As características dele são muito associadas a dimensões neuróticas da personalidade, como ansiedade, depressão, tensão, irracionalidade; geralmente apresenta características de baixa auto-estima e tendência a sentimentos de culpa.
8 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
9 Medula: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
10 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
11 Hiperalgesia: É uma exacerbação da sensibilidade à dor; hiperalgia.
12 Eletroencefalograma: Registro da atividade elétrica cerebral mediante a utilização de eletrodos cutâneos que recebem e amplificam os potenciais gerados em cada região encefálica.
13 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
14 Raiva: 1. Doença infecciosa freqüentemente mortal, transmitida ao homem através da mordida de animais domésticos e selvagens infectados e que produz uma paralisia progressiva juntamente com um aumento de sensibilidade perante estímulos visuais ou sonoros mínimos. 2. Fúria, ódio.
15 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
16 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
17 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
18 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
19 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.