Atalho: 6RLOA6B
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é obstrução intestinal?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O alimento que entra pela boca1 passa por várias modificações em diferentes órgãos do corpo até ser eliminado pelo ânus2 sob a forma de fezes. O bolo alimentar é impulsionado da boca1 ao ânus2 por contrações musculares propulsivas (movimentos peristálticos3 intestinais) das paredes das vísceras digestivas (no sentido progressivo), comandadas por mecanismos neuroendócrinos, e detido por esfíncteres4 que barram seu retorno e etapas já ultrapassadas do aparelho digestivo5. Quando ocorre uma obstrução em qualquer parte desse aparelho, grande parte dos sintomas6 decorre de alterações de seu funcionamento normal. Quando ocorre no intestino, falamos em obstrução intestinal, que pode ser definida como a oclusão total ou parcial do intestino, dificultando ou impedindo a passagem progressiva do seu conteúdo. A obstrução intestinal não é uma doença, mas uma síndrome7 (conjunto de sinais8 e sintomas6) que pode ocorrer em diferentes doenças.

Quais são as causas da obstrução intestinal?

A falta de progressão do bolo fecal no interior do intestino tanto pode se dar por um obstáculo mecânico (obstrução verdadeira) quanto por uma paralisia9 dos movimentos peristálticos3 do íleo10, chamada íleo paralítico11.

As obstruções mecânicas podem acontecer por impedimentos no interior do intestino e suas paredes, por compressão de órgãos externos ou por torção12 anormal de suas alças. As causas mecânicas mais comuns são: tumores, aderências ou cicatrizes13 formadas após cirurgia abdominal (as causas mais comuns), infecções14, vermes, corpos estranhos ingeridos, hérnias15, fezes compactadas, volvo (torção12 completa de uma alça intestinal ao redor de seu ponto de fixação).

As causas do íleo paralítico11 geralmente incluem: distúrbios hidroeletrolíticos, cirurgia intra-abdominal, isquemia16 arterial mesentérica17, infecção18 intra-abdominal, distúrbios metabólicos, saturnismo19, problemas renais ou pulmonares, uso de medicamentos, presença de bactérias ou vírus20 e alimentos estragados.

Quais são os sinais8 e sintomas6 da obstrução intestinal?

Os sinais8 e sintomas6 da obstrução intestinal dependem da severidade e localização da lesão21, mas no geral compreendem: distensão abdominal (acúmulo de fezes e gases), inchaço22 abdominal, dores e cólicas23, mau hálito, constipação24, diarreia25, vômitos26. Em pessoas muito emagrecidas é possível ver-se as contrações das alças intestinais em sua luta contra a obstrução. A distensão abdominal grave pode chegar a prejudicar a movimentação do diafragma27 e assim, a respiração. Nas obstruções baixas prolongadas ou totais, pode haver a presença de vômitos26 fecaloides. Se a obstrução for no intestino grosso28, a válvula íleocecal, que fica na transição dos dois intestinos29, pode não permitir que o retorno do conteúdo fecal reflua para o intestino delgado30, provocando a ruptura do ceco31, com graves consequências.

Como o médico diagnostica a obstrução intestinal?

O diagnóstico32 da obstrução intestinal é feito pela história e exame clínico do paciente. Ao auscultar o abdome33 com um estetoscópio, por exemplo, podem ser ouvidos sons agudos do intestino, na região da obstrução mecânica. O íleo paralítico11, ao contrário, é marcado por redução ou ausência de sons. Além disso, o diagnóstico32 pode ser complementado por tomografia abdominal, radiografia do abdome33 com o uso de contraste ou por enema34 de bário.

Como o médico trata a obstrução intestinal?

O tratamento da obstrução intestinal varia de acordo com sua causa. Sintomaticamente, pode-se fazer a colocação de um tubo passando pelo nariz35 até o estômago36 ou intestino para aliviar a distensão abdominal e o vômito37. Se houver sinais8 de morte do tecido38, a cirurgia pode ser necessária.

Como prevenir a obstrução intestinal?

Não há como prevenir a obstrução intestinal em si mesma. Alguma prevenção pode ser adotada quanto as suas causas.

Como evolui a obstrução intestinal?

Nas obstruções de mais longa duração pode ocorrer desequilíbrio eletrolítico, infecção18, icterícia39 ou perfuração do intestino.

Se a obstrução bloquear o fornecimento de sangue40 ao intestino, pode ocasionar gangrena41.

No recém-nascido, o íleo paralítico11 (principal causa de obstrução intestinal nesta idade) põe sua vida em risco e pode causar infecção18 sanguínea generalizada.

ABCMED, 2012. O que é obstrução intestinal?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/330999/o-que-e-obstrucao-intestinal.htm>. Acesso em: 22 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
2 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
3 Movimentos peristálticos: Conjunto das contrações musculares dos órgãos ocos, provocando o avanço de seu conteúdo; peristalse, peristaltismo.
4 Esfíncteres: Estruturas musculares que contornam um orifício ou canal natural, permitindo sua abertura ou fechamento, podendo ser constituídos de fibras musculares lisas e/ou estriadas.
5 Aparelho digestivo: O aparelho digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
8 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
9 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
10 Íleo: A porção distal and mais estreita do INTESTINO DELGADO, entre o JEJUNO e a VALVA ILEOCECAL do INTESTINO GROSSO. Sinônimos: Ileum
11 Íleo paralítico: O íleo adinâmico, também denominado íleo paralítico, reflexo, por inibição ou pós-operatório, é definido como uma atonia reflexa gastrintestinal, onde o conteúdo não é propelido através do lúmen, devido à parada da atividade peristáltica, sem uma causa mecânica. É distúrbio comum do pós-operatório podendo-se afirmar que ocorre após toda cirurgia abdominal, como resposta “fisiológica“ à intervenção, variando somente sua intensidade, afetando todo o aparelho digestivo ou parte dele.
12 Torção: 1. Ato ou efeito de torcer. 2. Na geometria diferencial, é a medida da derivada do vetor binormal em relação ao comprimento de arco. 3. Em física, é a deformação de um sólido em que os planos vizinhos, transversais a um eixo comum, sofrem, cada um deles, um deslocamento angular relativo aos outros planos. 4. Em medicina, é o mesmo que entorse. 5. Na patologia, é o movimento de rotação de um órgão sobre si mesmo. 6. Em veterinária, é a cólica de alguns animais, especialmente a do cavalo.
13 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
14 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
15 Hérnias: É uma massa circunscrita formada por um órgão (ou parte de um órgão) que sai por um orifício, natural ou acidental, da cavidade que o contém. Por extensão de sentido, excrescência, saliência.
16 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
17 Mesentérica: Relativo ao mesentério, ou seja, na anatomia geral o mesentério é uma dobra do peritônio que une o intestino delgado à parede posterior do abdome.
18 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Saturnismo: Intoxicação aguda ou crônica por chumbo ou por algum de seus sais. Também conhecida como Plumbismo, a intoxicação pelo chumbo ocorre quando o chumbo absorvido causa sinais e sintomas tais como náuseas, vômitos, linha azul na gengiva, aumento dos reticulócitos (reticulocitose); hemácias com granulações basófilas e elevada concentração de chumbo no sangue e na urina. Os principais achados clínicos são cólica, anemia, neurite, encefalopatia e tremores.
20 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
21 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
22 Inchaço: Inchação, edema.
23 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
24 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
25 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
26 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
27 Diafragma: 1. Na anatomia geral, é um feixe muscular e tendinoso que separa a cavidade torácica da cavidade abdominal. 2. Qualquer membrana ou placa que divide duas cavidades ou duas partes da mesma cavidade. 3. Em engenharia mecânica, em um veículo automotor, é uma membrana da bomba injetora de combustível. 4. Na física, é qualquer anteparo com um orifício ou fenda, ajustável ou não, que regule o fluxo de uma substância ou de um feixe de radiação. 5. Em ginecologia, é um método contraceptivo formado por uma membrana de material elástico que envolve um anel flexível, usado no fundo da vagina de modo a obstruir o colo do útero. 6. Em um sistema óptico, é uma abertura que controla a seção reta de um feixe luminoso que passa através desta, com a finalidade de regular a intensidade luminosa, reduzir a aberração ou aumentar a profundidade focal.
28 Intestino grosso: O intestino grosso é dividido em 4 partes principais: ceco (cecum), cólon (ascendente, transverso, descendente e sigmoide), reto e ânus. Ele tem um papel importante na absorção da água (o que determina a consistência do bolo fecal), de alguns nutrientes e certas vitaminas. Mede cerca de 1,5 m de comprimento.
29 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
30 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
31 Ceco: Bolsa cega (ou área em fundo-de-saco) do INTESTINO GROSSO, localizada abaixo da entrada do INTESTINO DELGADO. Apresenta uma extensão em forma de verme, o APÊNDICE vermiforme.
32 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
33 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
34 Enema: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
35 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
36 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
37 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
38 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
39 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
40 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
41 Gangrena: Morte de um tecido do organismo. Na maioria dos casos é causada por ausência de fluxo sangüíneo ou infecção. Pode levar à amputação do local acometido.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

11/01/2014 - Comentário feito por Debora
Re: O que é obstrução intestinal?
minha mae feiz uma cirugia de aderencia intestinal e ainda passa mal...vomita e tem diarreia o q pode ser

  • Entrar
  • Assinar