Atalho: 6FCO78B
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que são gastrites?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são gastrites1?

Gastrite2 é uma inflamação3 do revestimento mucoso do estômago4, devido a algum agente agressor. Pode ser aguda ou crônica.

As gastrites1 agudas são de abordagem mais simples porque em geral são de instalação súbita, desaparecem rapidamente e são mais facilmente relacionadas a um agente agressor. As gastrites1 crônicas atróficas5 ocasionam uma sensível redução do ácido gástrico6, com prejuízos para a digestão7 dos alimentos.

Quais são as causas das gastrites1?

As gastrites1 agudas são causadas por elementos que agridem a mucosa8 gástrica como certos medicamentos (ácido acetilsalicílico, certos anti-inflamatórios, corticoides, etc.), bebidas alcoólicas, substâncias corrosivas (ingeridas acidentalmente ou não), álcool, alimentos contaminados, etc. Outras causas mais raras são enfermidades como a sarcoidose9 e a doença de Crohn10.

A hemorragia digestiva alta11, que pode ocorrer na gastrite2 aguda, dá-se em virtude de estresse prolongado em pacientes com queimaduras extensas, politraumatizados ou com septicemia12.

As gastrites1 crônicas se devem a vários fatores agressores. O Helicobacter pylori, bactéria13 que pode causar úlceras14 no estômago4, e o refluxo da bile15, por exemplo, podem causar gastrites1 crônicas.

Quais são os sinais16 e sintomas17 das gastrites1?

Muitas gastrites1 crônicas são assintomáticas. Mas nelas e nas gastrites1 agudas, com mais frequência, pode haver alguns dos seguintes sintomas17: dor, azia18 (ou “queimação”), mal-estar gástrico, sensação de plenitude gástrica, dispepsia19, perda de apetite, diarreia20, ardência na língua21 (glossite22), irritação nos cantos dos lábios e, mais raramente, hemorragia23 digestiva superior.

gastrite

Como o médico diagnostica as gastrites1?

A história clínica do paciente pode ser suficiente. O médico procura conhecer os hábitos alimentares do paciente, que medicamentos ele está usando, se consome bebidas alcoólicas ou se tem outras doenças já diagnosticadas.

Os dados clínicos podem ser complementados pela endoscopia24 digestiva alta, que não só permite a visualização direta da mucosa8 gástrica, como permite a aplicação de tratamentos tópicos. Muitas gastrites1 crônicas nada mostram visualmente e o diagnóstico25 só pode ser feito ao microscópio, por meio de biópsia26 da mucosa8.

Como é o tratamento das gastrites1?

O tratamento das gastrites1 depende de suas causas, mas no geral implica em afastar os fatores agressivos e aplicar medicações que reduzem, inibem ou neutralizam o suco gástrico.

Nos casos de gastrites1 crônicas ou em casos de sangramento pode ser aplicado algum tratamento tópico27 por via endoscópica.

Algumas orientações úteis para quem sofre de gastrite2:

  • Comer em pequenas quantidades, várias vezes ao dia.
  • Mastigar bem os alimentos.
  • Evitar os "fast-foods".
  • Não consumir bebidas alcoólicas.
  • Evitar alimentos gordurosos ou condimentados, frituras e doces concentrados.
  • O consumo de café ou de outras bebidas que contêm cafeína não é contraindicado.
  • Cuidados devem ser tomados para reduzir a transmissão de agentes infecciosos.
  • Caso precise fazer uso de alguma medicação que agride a mucosa8 do estômago4, procure proteger antes a mucosa8 gástrica. Para isso, procure a orientação de um clínico geral ou de um gastroenterologista.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Cleveland Clinic e da Johns Hopkins Medicine.

ABCMED, 2012. O que são gastrites?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/296470/o+que+sao+gastrites.htm>. Acesso em: 23 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gastrites: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
2 Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
3 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
4 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
5 Atróficas: Relativas à atrofia, atrofiada. Que atrofiam; que minguam, atrofiadoras, atrofiantes. Que se tornam mais debilitadas e menos intensas.
6 Ácido Gástrico: Ácido clorídrico presente no SUCO GÁSTRICO.
7 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
8 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
9 Sarcoidose: Sarcoidose ou Doença de Besnier-Boeck é caracterizada pelo aparecimento de pequenos nódulos inflamatórios (granulomas) em vários órgãos. A doença pode afetar qualquer orgão do corpo, mas os mais atingidos são os pulmões , os gânglios linfáticos (ínguas ), o fígado, o baço e a pele.
10 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
11 Hemorragia digestiva alta: É um termo que se refere a qualquer sangramento proveniente do gastrointestinal superior. O limite anatômico para o sangramento gastrointestinal superior é o ligamento de Treitz, que liga a quarta porção do duodeno ao diafragma, perto da flexura esplênica do cólon.
12 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
13 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
14 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
15 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
16 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.
19 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
20 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
21 Língua:
22 Glossite: Inflamação da mucosa que reveste a língua, produzida por infecção viral, radiação, carências nutricionais, etc.
23 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
24 Endoscopia: Método no qual se visualiza o interior de órgãos e cavidades corporais por meio de um instrumento óptico iluminado.
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
27 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

07/06/2015 - Comentário feito por Anabela
foi-me diagnosticado um hernia de hiato e um ga...
foi-me diagnosticado um hernia de hiato e um gastrite. Fiz biopsia e estou a aguardar resultados. Devo continuar a tomar os comprimidos que protegem o estomago até vir o resultado da biopsia e a nível da alimentação o que devo começar a fazer já para minimizar os sintomas.
Muitos parabéns pelo site , pois é muito útil e bastante esclarecedor.

Obrigado

  • Entrar
  • Assinar