Atalho: 663HWDR
Gostou do artigo? Compartilhe!

Meningites: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são meningites1?

Meningites1 são inflamações2 das membranas (chamadas meninges3) que envolvem o encéfalo4 e a medula espinhal5. Essas inflamações2 podem ser causadas por infecções6 de vírus7, bactérias e outros micro-organismos. Ou podem ser não infecciosas, motivadas pela irritação causada por certos agentes, inclusive por certas drogas. Devido à proximidade dessas membranas com o sistema nervoso8 e com centros vitais, a meningite9 pode deixar sequelas10 nervosas graves ou mesmo levar à morte. Os casos mais benignos, contudo, podem curar-se completamente.

Como se adquire a meningite9?

A forma mais comum de contágio11 é através de contato prolongado ou intenso com secreções respiratórias de pessoas infectadas. A meningite9 também pode ser contraída pela saliva, porém compartilhar pratos, copos e talheres não representa um grande risco. No entanto, beijos prolongados podem ser uma via de transmissão. As bactérias causadoras de meningite9 não sobrevivem no ambiente e por isso não é necessário o isolamento do lugar onde o doente tenha estado.

Algumas pessoas, mesmo não tendo uma meningite9, podem ser portadoras do meningococo (geralmente na orofaringe12) e transmiti-lo a outras pessoas que, então, adoecem. A meningite9 pode também estar associada a uma infecção13 respiratória, a otites14, a amigdalites, a tumores ou traumas cranioencefálicos, etc.

Os estados de imunossupressão15 e, portanto, de maior vulnerabilidade às infecções6, tornam o indivíduo mais propenso a apresentar este tipo de doença.

As pessoas em contato com o doente também estão mais sujeitas à infecção13 e por isso devem usar máscaras e fazer profilaxia com antibióticos - quando necessário e orientado por um médico.

Quais os sintomas16 da meningite9?

Os sintomas16 mais comuns e mais chamativos da meningite9 são dor de cabeça17, rigidez da nuca e febre18. A dor de cabeça17 é intensa e está praticamente presente em todos os casos; a rigidez da nuca se expressa pela impossibilidade de flexionar o pescoço19; a febre18 geralmente é alta e persistente.

Vômitos20 intensos são de ocorrência frequente. Em crianças abaixo de seis meses pode haver abaulamento21 das fontanelas22, alterações do estado mental com confusão mental, alteração do nível de consciência, intolerância à luz e aos sons altos. Em crianças pequenas podem estar presentes apenas sintomas16 inespecíficos, como irritabilidade e sonolência.

Na meningite9 por meningococo comumente há a presença de erupções cutâneas23.

É possível e frequente que ocorram problemas adicionais que passem a exigir tratamentos específicos e que indiquem um prognóstico24 pior, tais como septicemia25, queda da pressão arterial26, ritmo cardíaco acelerado, temperatura corporal baixa, respiração rápida, coagulação27 intravascular28 e aumento paradoxal29 de risco de sangramento. Pode ocorrer também inchaço30 do tecido31 cerebral, ocasionando aumento de pressão dentro do crânio32, o que pode ter graves consequências, às vezes letais. As convulsões focais, que envolvem partes do corpo, podem ser de difícil controle.

Sintomas16 visuais ou perda da audição podem persistir após o episódio de meningite9. A inflamação33 do cérebro34 ou de seus vasos sanguíneos35, bem como a formação de coágulos sanguíneos, pode levar a fraqueza muscular, perda de sensibilidade ou movimentos anormais em partes do corpo.

Como se diagnostica a meningite9?

Três sinais36 clínicos são classicamente relevantes: rigidez de nuca, febre18 alta e alteração do estado mental. No entanto, as três características só estão conjuntamente presentes em menos da metade dos casos, mas se nenhum desses sinais36 estiver presente é muito improvável que se trate de meningite9. Em crianças muito pequenas, o diagnóstico37 pode ser mais difícil, porque não há queixas de dor de cabeça17 e a rigidez da nuca nem sempre ocorre.

Em primeiro lugar, portanto, os dados do exame clínico ajudam a levantar a suspeita diagnóstica. A cultura ou os exames de sangue38, como o hemograma completo e a dosagem da proteína C-reativa, também pode indicar uma suspeição. Em seguida, uma punção lombar pode ser usada para excluir ou confirmar o diagnóstico37, através do exame e cultura do líquor39. Nos casos em que ela seja inexequível ou não recomendada pode-se recorrer a uma tomografia computadorizada40 ou a uma ressonância magnética41, mas esses exames quase nunca são de primeira escolha.

Como se trata a meningite9?

O tratamento depende do agente que está causando a doença.

Algumas formas de meningite9 podem ser prevenidas por meio de vacinas. Uma vez instalada a doença ela constitui-se numa emergência42 médica. Quanto mais cedo o tratamento for instituído, melhor o prognóstico24, tanto em relação a possíveis sequelas10 como em relação à mortalidade43.

O tratamento das meningites1 infecciosas é feito pela administração de antibióticos ou de antivirais, conforme o caso. Em algumas situações podem ser usados corticoides para prevenir complicações da inflamação33.

Devem ser adotados também os cuidados gerais requeridos por cada caso clínico, considerando as características individualmente.

A meningite9 pode ter complicações de longo prazo, como epilepsia44, hidrocefalia45 e déficit cognitivo46, as quais demandam providências terapêuticas específicas posteriores.

ABCMED, 2011. Meningites: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/245080/meningites-causas-sintomas-diagnostico-tratamento-e-prevencao.htm>. Acesso em: 11 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Meningites: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
2 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
3 Meninges: Conjunto de membranas que envolvem o sistema nervoso central. Cumprem funções de proteção, isolamento e nutrição. São três e denominam-se dura-máter, pia-máter e aracnóide.
4 Encéfalo: A parte do SISTEMA NERVOSO CENTRAL contida no CRÂNIO. O encéfalo embrionário surge do TUBO NEURAL, sendo composto de três partes principais, incluindo o PROSENCÉFALO (cérebro anterior), o MESENCÉFALO (cérebro médio) e o ROMBENCÉFALO (cérebro posterior). O encéfalo desenvolvido consiste em CÉREBRO, CEREBELO e outras estruturas do TRONCO ENCEFÁLICO (MeSH). Conjunto de órgãos do sistema nervoso central que compreende o cérebro, o cerebelo, a protuberância anular (ou ponte de Varólio) e a medula oblonga, estando todos contidos na caixa craniana e protegidos pela meninges e pelo líquido cefalorraquidiano. É a maior massa de tecido nervoso do organismo e contém bilhões de células nervosas. Seu peso médio, em um adulto, é da ordem de 1.360 g, nos homens e 1.250 g nas mulheres. Embriologicamente, corresponde ao conjunto de prosencéfalo, mesencéfalo e rombencéfalo. Seu crescimento é rápido entre o quinto ano de vida e os vinte anos. Na velhice diminui de peso. Inglês
5 Medula Espinhal:
6 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
8 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
9 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
10 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
11 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
12 Orofaringe: Parte mediana da faringe, entre a boca e a rinofaringe.
13 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Otites: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
15 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Cabeça:
18 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
19 Pescoço:
20 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
21 Abaulamento: 1. Ato, processo ou efeito de abaular. 2. Convexidade que se dá a diversas superfícies (ruas, estradas, coberturas etc.) para facilitar o escoamento de águas pluviais. 3. Em forma de curva, arqueada ou convexa.
22 Fontanelas: Na anatomia geral, são espaços membranosos entre os ossos do crânio que ainda não se encontram ossificados quando do nascimento do bebê; fontículos ou moleiras. Na anatomia zoológica, são depressões rasas e pálidas da cabeça de certos cupins; fenestras.
23 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
24 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
25 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
26 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
27 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
28 Intravascular: Relativo ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
29 Paradoxal: Que contém ou se baseia em paradoxo(s), que aprecia paradoxo(s). Paradoxo é o pensamento, proposição ou argumento que contraria os princípios básicos e gerais que costumam orientar o pensamento humano, ou desafia a opinião consabida, a crença ordinária e compartilhada pela maioria. É a aparente falta de nexo ou de lógica; contradição.
30 Inchaço: Inchação, edema.
31 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
32 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
33 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
34 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
35 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
36 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
37 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
38 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
39 Líquor: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
40 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
41 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
42 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
43 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
44 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
45 Hidrocefalia: Doença produzida pelo aumento do conteúdo de Líquido Cefalorraquidiano. Nas crianças pequenas, manifesta-se pelo aumento da cabeça, e nos adultos, pelo aumento da pressão interna do cérebro, causando dores de cabeça e outros sintomas neurológicos, a depender da gravidade. Pode ser devido a um defeito de escoamento natural do líquido ou por um aumento primário na sua produção.
46 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

29/12/2014 - Comentário feito por Mary
muito boa a explicação, vamos fic...
muito boa a explicação, vamos ficar mais atentos.

25/08/2013 - Comentário feito por beatriz
Re: Meningites: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção
amei,agora vou ficar bem atenta e me previnir

14/05/2013 - Comentário feito por emily
Re: Meningites: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção
adooooreiiiiii pois so assim fiquei atenta e viz meu trabalho
kkks

03/11/2011 - Comentário feito por Marinalva
Re: Meningites: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção
Eu li o artigo adorei, pois é escrito com uma linguagem de fácil entendimento e com informaçõe q são importantes p identificarmos a doença.. Parabens por esse trabalho q é de muita importancia p os leitores.

  • Entrar
  • Assinar