Gostou do artigo? Compartilhe!

Doença de Whipple

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a doença de Whipple?

A doença de Whipple é uma rara infecção1 bacteriana sistêmica que afeta sobretudo o sistema digestivo2 e as articulações3. Foi descrita pela primeira vez por George Hoyt Whipple em 1907. A doença de Whipple é extremamente incomum, afetando menos de uma em um milhão de pessoas.

Quais são as causas da doença de Whipple?

A doença de Whipple é causada pela bactéria4 Tropheryma whipplei. Essa bactéria4 afeta primeiro o revestimento mucoso do intestino delgado5, formando pequenas lesões6 dentro da parede intestinal, e também danifica as vilosidades (projeções finas e semelhantes a pelos) que revestem o intestino delgado5.

Não se sabe muito sobre essa bactéria4, mas sabe-se que nem todo mundo que carrega essa bactéria4 contrai a doença. Embora ela pareça estar presente no ambiente, os cientistas não sabem de onde ela vem ou como é espalhada para os seres humanos. Alguns pesquisadores acreditam que as pessoas com a doença podem ter um defeito genético na resposta do sistema imunológico7 que as torna mais propensas a adoecer quando expostas à bactéria4.

Quais são as principais características clínicas da doença de Whipple?

A doença de Whipple interfere com a digestão8 normal, prejudicando a degradação de alimentos, como gorduras e carboidratos, e dificultando a capacidade do organismo de absorver nutrientes. Consequentemente, a doença de Whipple causa principalmente má-absorção intestinal, mas também pode infectar outros órgãos além do intestino, incluindo o cérebro9, coração10 e olhos11.

Os sinais12 e sintomas13 digestivos comuns na doença de Whipple podem incluir diarreia14, cólicas15 abdominais e perda de peso associada à má absorção de nutrientes. Outros sinais12 e sintomas13 frequentes associados à doença de Whipple são articulações3 inflamadas, particularmente os tornozelos, joelhos e pulsos, fadiga16, fraqueza e anemia17.

Menos comumente pode ocorrer febre18, tosse, linfonodos19 aumentados, escurecimento da pele20 em áreas expostas ao sol e em cicatrizes21, dor no peito22 e baço23 aumentado. Os sinais12 e sintomas13 neurológicos podem incluir dificuldade para andar, deficiência visual, incluindo falta de controle dos movimentos oculares, confusão mental e perda de memória.

Na maioria das pessoas com essa doença os sintomas13 tendem a se desenvolver lentamente, ao longo de muitos anos. Em alguns casos, sintomas13 como dor nas articulações3 e perda de peso se desenvolvem anos antes dos sintomas13 digestivos que levam ao diagnóstico24.

Saiba mais sobre "Anemias", "Esplenomegalia25", "Febre18" e "Íngua".

Como o médico diagnostica a doença de Whipple?

Num exame físico, o médico irá procurar por sinais12 que sugiram a presença dessa condição, como sensibilidade abdominal e escurecimento da pele20, especialmente em partes do corpo expostas ao sol. Um passo importante no diagnóstico24 da doença de Whipple é a coleta de uma amostra de tecido26 do revestimento do intestino delgado5 para biópsia27.

Para fazer isso, o médico normalmente realizará uma endoscopia28 alta que atinja o intestino delgado5, de onde retirará amostras de tecido26. Este tecido26 é examinado sob um microscópio para verificar a presença de bactérias causadoras da doença e das lesões6 causadas por ela. Alguns exames de sangue29, como um hemograma completo ou dosagens das concentrações de albumina30, por exemplo, podem detectar certas condições associadas à doença, particularmente anemia17.

Como o médico trata a doença de Whipple?

O tratamento da doença de Whipple é feito com antibióticos, isoladamente ou em combinação. O tratamento deve ser feito a longo prazo, durando cerca de um ou dois anos. O alívio dos sintomas13, contudo, vem muito mais rápido, geralmente na primeira ou segunda semana após o início do tratamento. O médico deve escolher antibióticos que não apenas eliminam infecções31 do trato intestinal, mas também que atravessem a barreira hematoencefálica, para eliminar as bactérias que podem ter entrado no cérebro9.

Os sintomas13 devem melhorar dentro de uma a duas semanas após ter sido iniciado o tratamento antibiótico e desaparecer completamente dentro de um mês. Mas, embora os sintomas13 melhorem rapidamente, testes laboratoriais adicionais podem revelar a presença da bactéria4 por dois ou mais anos depois de haver começado a terapia antibiótica.

O médico deve acompanhar o tratamento para determinar quando o paciente pode parar de tomar antibióticos e para indicar se houve o desenvolvimento de resistência a qualquer um dos medicamentos. Mesmo após um tratamento bem sucedido a doença de Whipple pode recorrer, tornando necessário repetir a terapia antibiótica.

Devido às dificuldades de absorção de nutrientes, o médico pode recomendar que o paciente tome suplementos vitamínicos e minerais para garantir uma nutrição32 adequada. Podem também ser necessárias suplementações de vitamina33 D, ácido fólico, cálcio, ferro e magnésio.

Como evolui a doença de Whipple?

Sem tratamento adequado, a doença de Whipple pode ser grave e até mesmo fatal. No entanto, o uso adequado de antibióticos pode a tratar com êxito. A maioria das pessoas sem afetação do sistema nervoso34 recupera-se completamente após um ciclo completo de antibióticos.

Quais são as complicações possíveis da doença de Whipple?

A doença de Whipple é uma doença progressiva e potencialmente fatal. Embora a infecção1 seja rara, as mortes associadas continuam a ser relatadas, em grande parte devido ao diagnóstico24 tardio e ao atraso no tratamento. A morte geralmente é causada pela disseminação da infecção1 para o sistema nervoso central35, o que pode causar danos irreversíveis.

Leia também sobre "Hemograma completo", "Endoscopia28 digestiva alta" e "Biópsia27".

 

ABCMED, 2019. Doença de Whipple. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1339333/doenca+de+whipple.htm>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Sistema digestivo: O sistema digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
3 Articulações:
4 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
5 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
6 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
7 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
8 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
9 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
10 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
11 Olhos:
12 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
15 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
16 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
17 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
18 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
19 Linfonodos: Gânglios ou nodos linfáticos.
20 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
21 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
22 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
23 Baço:
24 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
25 Esplenomegalia: Aumento tamanho do baço acima dos limites normais
26 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
27 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
28 Endoscopia: Método no qual se visualiza o interior de órgãos e cavidades corporais por meio de um instrumento óptico iluminado.
29 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
30 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
31 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
32 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
33 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
34 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
35 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.