Gostou do artigo? Compartilhe!

Prostatectomia - como é o procedimento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é prostatectomia?

A prostatectomia (do Grego: prostátēs = próstata1 + ektomē = excisão) inclui vários procedimentos cirúrgicos para remover a próstata1, no todo ou em parte, e pode ser realizada de várias maneiras, dependendo da condição envolvida e da abordagem de tratamento recomendada pelo médico.

O que é a próstata1?

A próstata1 é uma glândula2 sexual masculina, do tamanho de uma noz, situada abaixo da bexiga3 e próxima da porção inicial da uretra4. É composta por três lobos5, um central e um de cada lado que, juntos com as vesículas seminais6, produzem o líquido espermático. A próstata1 envolve a uretra4, que transporta a urina7 da bexiga3 para o pênis8, e tem por função a produção do fluido que protege e nutre os espermatozoides9 no sêmen10, tornando-o mais líquido.

Logo atrás da próstata1 estão localizadas as glândulas11 denominadas vesículas seminais6, que produzem a maior parte do líquido para o sêmen10. Durante o orgasmo masculino, a parte muscular da próstata1 ajuda a impulsionar o líquido prostático e os espermatozoides9 para a uretra4 e produzir a ejaculação12. Como se vê, ela está envolvida tanto no sistema reprodutor quanto no sistema urinário13 masculino.

Leia sobre "Prostatite14", "Antígeno15 Prostático Específico ou PSA" e "Vasectomia - sete perguntas e respostas".

Por que fazer uma prostatectomia?

O mais comum é que a prostatectomia seja usada para tratar o câncer16 de próstata1 ou, eventualmente, a hiperplasia17 prostática benigna. Esta operação é também feita em outras condições benignas, tais como incapacidade de esvaziar completamente a bexiga3, sangramento recorrente da próstata1, cálculos na bexiga3 com aumento da próstata1, micção18 muito lenta, retenção urinária19 (hidronefrose20), além de outros quadros de câncer16 da pelve21. Pode haver ainda outros motivos para que o médico recomende uma prostatectomia.

Em que consiste a prostatectomia?

Em geral, antes de fazer uma prostatectomia o paciente terá feito uma biópsia22 da próstata1 para determinar a natureza benigna ou maligna da lesão23 a ser operada. É usual que o médico faça também uma cistoscopia24 para verificar o tamanho da próstata1 e examinar o sistema urinário13. O médico também pode realizar outros testes, como exames de sangue25 ou exames para medir a próstata1 e o fluxo de urina7 e solicitar um enema26 antes da cirurgia.

A prostatectomia exige que o paciente seja hospitalizado. Uma abordagem cirúrgica comum de prostatectomia inclui fazer uma incisão27 cirúrgica e remover a próstata1 totalmente ou parte dela. Isso pode ser realizado com uma incisão27 retro púbica ou supra púbica ou uma incisão27 no períneo28, através da pele29 entre o escroto30 e o reto31.

Existem ainda dois tipos principais de prostatectomia:

A prostatectomia simples, também conhecida como prostatectomia subtotal, que envolve a remoção de apenas uma parte da próstata1. Tipicamente, os cirurgiões só aconselham essa cirurgia para a remoção de tumores benignos.

A prostatectomia simples é geralmente recomendada para homens com hiperplasia17 prostática benigna que esteja causando sintomas32 urinários graves e pode ser realizada de forma aberta ou robotizada. Essa cirurgia remove apenas a parte obstrutiva da próstata1 que esteja bloqueando o fluxo de urina7 e, na maioria dos casos, pode ser feita por meio de técnicas endoscópicas, sem a necessidade de cirurgia aberta, laparoscópica ou robótica.

A prostatectomia radical é feita para remover toda a próstata1, e também os gânglios linfáticos33 circundantes, as vesículas seminais6 e o ducto deferente34, realizada para tratamento de tumores malignos, como o câncer16 de próstata1 localizado. A prostatectomia radical pode usar diferentes técnicas, incluindo:

  1. Prostatectomia radical assistida por robô
  2. Prostatectomia radical aberta
  3. Prostatectomia radical laparoscópica

Além dos riscos associados a qualquer cirurgia, os riscos específicos da prostatectomia radical incluem infecção35 do trato urinário36, incontinência urinária37, disfunção erétil (impotência38), lesão23 no reto31, estenose39 (estreitamento) da uretra4 ou do colo40 da bexiga3 e formação de cistos contendo linfa41 (linfocele42).

Como evolui em geral a prostatectomia?

A prostatectomia simples aberta fornece alívio a longo prazo dos sintomas32 urinários devido a um aumento da próstata1. Complicações graves são raras. A prostatectomia assistida por robô pode resultar em redução da dor e da perda de sangue25, trauma tecidual reduzido, menor tempo de internação e um período de recuperação mais rápido do que a prostatectomia tradicional.

Quais são as complicações possíveis da prostatectomia?

Algumas possíveis complicações da prostatectomia são: incontinência urinária37, disfunção erétil, esterilidade43, linfedema e mudança no comprimento do pênis8 (diminuição).

Veja também sobre "Toque retal", "Hiperplasia17 benigna da próstata1", "Câncer16 de próstata1" e "Ressecção endoscópica da próstata1",

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da Mayo Clinic e do Johns Hopkins Medicine.

ABCMED, 2020. Prostatectomia - como é o procedimento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-do-homem/1369798/prostatectomia+como+e+o+procedimento.htm>. Acesso em: 28 set. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
2 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
3 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
4 Uretra: É um órgão túbulo-muscular que serve para eliminação da urina.
5 Lobos: Lobo Frontal Lobo Parietal Lobo Temporal Lobo Occipital
6 Vesículas seminais: Divertículos glandulares em forma de bolsa encontrados em cada ducto deferente em machos vertebrados. Une-se com o ducto ejaculatório e serve como depósito temporário de sêmem.
7 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
8 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
9 Espermatozóides: Células reprodutivas masculinas.
10 Sêmen: Sêmen ou esperma. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O sêmen é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
11 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
12 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
13 Sistema urinário: O sistema urinário é constituído pelos rins, pelos ureteres e pela bexiga. Ele remove os resíduos do sangue, mantêm o equilíbrio de água e eletrólitos, armazena e transporta a urina.
14 Prostatite: Quadro de inflamação da próstata.
15 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
16 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
17 Hiperplasia: Aumento do número de células de um tecido. Pode ser conseqüência de um estímulo hormonal fisiológico ou não, anomalias genéticas no tecido de origem, etc.
18 Micção: Emissão natural de urina por esvaziamento da bexiga.
19 Retenção urinária: É um problema de esvaziamento da bexiga causado por diferentes condições. Normalmente, o ato miccional pode ser iniciado voluntariamente e a bexiga se esvazia por completo. Retenção urinária é a retenção anormal de urina na bexiga.
20 Hidronefrose: Dilatação da via excretora de um ou ambos os rins. Em geral é produzida por uma obstrução ao nível do ureter ou uretra por cálculos, tumores, etc.
21 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
22 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
23 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
24 Cistoscopia: Visualização da bexiga urinária através de um instrumento óptico (cistoscópio) que é introduzido pela uretra.
25 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
26 Enema: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
27 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
28 Períneo: Região que constitui a base do púbis, onde estão situados os órgãos genitais e o ânus.
29 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
30 Escroto:
31 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
32 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
33 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
34 Ducto deferente: Ducto deferente ou canal deferente é um canal muscular que conduz os espermatozóides a partir do epidídimo até a próstata.
35 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
36 Trato Urinário:
37 Incontinência urinária: Perda do controle da bexiga que provoca a passagem involuntária de urina através da uretra. Existem diversas causas e tipos de incontinência e muitas opções terapêuticas. Estas vão desde simples exercícios de fisioterapia até complicadas cirurgias. As mulheres são mais freqüentemente acometidas por este problema.
38 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
39 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
40 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
41 Linfa: 1. Pode referir-se à água, especialmente a límpida, no uso formal. 2. Líquido orgânico originado do sangue, composto de proteínas e lipídios, que circula nos vasos linfáticos e transporta glóbulos brancos, especialmente os linfócitos T. 3. Qualquer humor aquoso.
42 Linfocele: A linforragia é o derramamento persistente de linfa, depois de ferido um vaso linfático. Ela pode ser uma complicação em pacientes submetidos à cirurgia de revascularização. Frequentemente, a linfa não extravasada fica contida pelos tecidos vizinhos e o processo inflamatório desencadeado pela sua presença favorece o desenvolvimento de uma cápsula ao seu redor, dando origem a uma linfocele. Em geral, as pequenas linfoceles regridem espontaneamente dentro de 2 a 3 dias. Entretanto, o aumento da pressão linfática, inflamação, infecção e a presença de próteses podem levar ao aumento do volume das linfoceles, tornando imperioso o seu tratamento para evitar a infecção da ferida operatória e da restauração vascular local.
43 Esterilidade: Incapacidade para conceber (ficar grávida) por meios naturais. Suas causas podem ser masculinas, femininas ou do casal.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Urologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.