Atalho: 619O8OA
Gostou do artigo? Compartilhe!

Transtorno bipolar do humor

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o transtorno bipolar do humor?

O transtorno bipolar do humor é uma enfermidade que cursa com episódios repetitivos ou alternados de depressões e exaltações anormais do humor. Em sua maior parte ele coincide com o que antigamente era chamado psicose1 maníaco-depressiva (PMD) e que teve esse nome mudado, entre outras razões, porque este transtorno nem sempre apresenta sintomas2 psicóticos. Os primeiros episódios podem ser separados entre si por anos, mas se tornam cada vez mais frequentes. Como o paciente volta a seu normal após uma primeira crise e pode levar anos (10 ou mesmo 15 anos) a ter uma segunda, em geral ele se considera curado após esse primeiro episódio.

Quais os sintomas2 do transtorno bipolar do humor?

O característico dessa enfermidade é a sucessão ou alternância irregular de estados depressivos e maníacos, intercalados por períodos de relativa normalidade. (Em psiquiatria chama-se “mania” ao estado de exaltação do humor, com seus inevitáveis correlatos). Muitas vezes o diagnóstico3 correto só pode ser feito depois de muitos anos, porque uma pessoa que tenha tido uma fase de mania ou depressão pode, só depois de um longo período de tempo, apresentar um novo episódio, maníaco ou depressivo.

O transtorno do humor pode ser uni ou bipolar. O transtorno unipolar refere-se a episódios somente de depressão e, o bipolar, de depressão e mania. Tanto a depressão quanto a mania podem durar espontaneamente semanas, meses ou anos. Espontaneamente as depressões parecem durar, em média, 9 meses e, as manias, de 5 a 6 meses. Ambas podem ter o seu curso interrompido pelo tratamento.

Existem formas diferentes do transtorno bipolar do humor?

Existem quatro formas de transtorno bipolar do humor:

  • Tipo I

Presença de fases maníacas e depressivas graves.

  • Tipo II

Presença de estados hipomaníacos (um pouco mais suaves que os estados maníacos).

  • Transtorno Bipolar Misto

Presença de estados mistos, depressivos e eufóricos, que se alternam em poucos dias, ou até mesmo em poucas horas.

  • Transtornos Ciclotímicos

Presença crônica e flutuante do humor, marcada por períodos maníacos e depressivos que, no entanto, não são suficientemente graves como os das verdadeiras depressão e mania.

Como são a depressão e a mania no transtorno bipolar?

A depressão do transtorno bipolar do humor é diferente das depressões reativas que se seguem a um infortúnio qualquer, às quais se está mais acostumado. Ela é mais profunda, não só por ser mais intensa, mas por ser mais corporificada. Além do sentimento de tristeza, ela afeta também o brilho dos olhos4, o timbre da voz, a viçosidade da pele5, a agilidade dos movimentos, os ritmos fisiológicos (sono, apetite, peristaltismo6, ciclo menstrual, etc.) e a velocidade da fala. Nas crises depressivas tem-se: tristeza, angústia, sensação de vazio, desânimo, irritabilidade, desespero, incapacidade de sentir prazer, cansaço, déficit de concentração, lentificação do raciocínio, memória ruim, falta de vontade, iniciativa e interesse; pensamentos negativos, pessimismo, ideias de culpa, fracasso, inutilidade, baixa auto-estima, ideias de suicídio (e verdadeiros suicídios), perda do apetite, insônia, dores pelo corpo, alterações menstruais, etc. Nas depressões graves podem ocorrer alucinações7 e delírios.

Nas manias ocorre: exaltação do humor, alegria exagerada, irritabilidade, agitação, inquietação física e mental, tendência a começar muitas coisas e não conseguir terminar, pensamentos acelerados, atribuição a si mesmo de poderes de influência e grandeza, otimismo e autoconfiança excessivos, aumento exagerado e injustificado dos gastos, distraibilidade fácil, desinibição, comportamento inadequado e provocativo, agressividade física e verbal, erotização aumentada, redução da necessidade de sono. Nos estados maníacos graves podem ocorrer delírios e alucinações7. Nas pessoas predispostas, dificuldades financeiras, doença na família, perda de uma pessoa importante, uso de drogas, etc. podem contribuir para o desencadeamento tanto das depressões, quanto das manias.

Em quem incide o transtorno bipolar do humor?

O transtorno bipolar do humor atinge 1 a 2% da população e incide igualmente em homens e mulheres, geralmente, entre os 15 e 30 anos de idade. Quando um dos pais apresenta transtorno bipolar, existe de 25 a 50% de chance de o filho também apresentar. Os estudos de gêmeos têm mostrado que a taxa de concordância em monozigóticos é de 33 a 90% e a de dizigóticos de cerca de 5 a 25%.

Quais as causas do transtorno bipolar do humor?

As causas específicas do transtorno bipolar do humor não são conhecidas, mas há uma constelação de fatores que interferem sobre ela:

  • Fatores biológicos: distúrbio dos neurotransmissores noradrenérgico, seratonérgico e dopaminérgico. Além destes, outros neurotransmissores e hormônios do eixo hipotálamo8-pituitária-tireoide9 também participam.
  • Fatores genéticos: o transtorno bipolar do humor é uma das anormalidades psicológicas mais hereditárias. Contudo, quando maior a distância de parentesco, menor a possibilidade de ter um transtorno bipolar e vice-versa.
  • Fatores psicossociais: os acontecimentos vitais, tais como dificuldades financeiras, doença na família, perda de uma pessoa importante, uso de drogas, etc. podem contribuir para o desencadeamento da doença.

Como deve ser tratado o transtorno bipolar do humor?

Os quadros de transtorno bipolar do humor devem ser sempre acompanhados por um médico psiquiatra e ter apoio psicológico para os pacientes.

Os quadros agudos recomendam a interrupção imediata dos sintomas2 através dos psicofármacos e, muitas vezes, a internação hospitalar. A depressão aguda deve ser tratada com antidepressivos. A mania pode ser controlada com carbonato de lítio, ácido valproico, carbamazepina, lomotrigina ou topiramato. O ETC (eletrochoque) é útil nos pacientes não responsivos à medicação e que apresentem alto risco de suicídio ou que, por qualquer razão, não possam receber a medicação. O uso dele ficou limitado com o surgimento dos psicofármacos, mas sabe-se que 80% dos pacientes mostram melhora substancial com ele.

A psicoterapia cognitiva10 pode contribuir para a adesão do tratamento, tornando-se um valioso complemento do tratamento farmacológico. Ademais, como o transtorno bipolar envolve também aspectos psicológicos e sociais, a psicoterapia pode ser benéfica.

Como evolui o transtorno bipolar do humor?

O curso do transtorno bipolar do humor é variável. O primeiro episódio maníaco habitualmente ocorre aos 20 anos, mas pode começar antes ou após os 40 anos de idade. A aderência ao tratamento é fundamental para o controle da enfermidade. Bastam alguns dias de interrupção da medicação ou diminuição para que o paciente apresente exacerbação de sintomas2 e novas de crises.

Uma relação médico-paciente que esclareça dúvidas, e o ato de solicitar ajuda durante as crises e discutir os fatores estressantes ajudam no melhor prognóstico11. Hoje em dia há medicações que visam prevenir a ocorrência de novas crises ou torná-las mais brandas.

ABCMED, 2011. Transtorno bipolar do humor. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/226225/transtorno+bipolar+do+humor.htm>. Acesso em: 5 mar. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Olhos:
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Peristaltismo: Conjunto das contrações musculares dos órgãos ocos, provocando o avanço de seu conteúdo; movimento peristáltico, peristalse.
7 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
8 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
9 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
10 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
11 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

28/07/2011 - Comentário feito por publio
Re: Transtorno bipolar do humor
li o artigo e os comentários, e é importante refletir que na maioria dos comentários se referem ou ao filho, marido, parente... mas é de bom habito tentar identificar o transtorno em nós mesmos, e que talvez por esse lado esteja a solução de outros que nos parecem mais aparentes.
no meu ponto de vista esse problema afeta mais a geração dos pais e refletem nos filhos q são mais suscetíveis a esse magnetismo.

28/07/2011 - Comentário feito por Isabel
Re: Transtorno bipolar do humor
Sou solidária com Marcos principalmente, e todos os que passam ou tem essa DOENÇA. Meu caso foi mais grave porque ninguém na minha família se deu conta que eu tinha, e por não entenderem meu problema, estou isolada de todos, somente com apoio de médico e remédios. Também comecei a sentir os sintomas aos 7 anos, tentei suicídio 4 vezes, e só fui descobrir sozinha o que tinha depois de ver reportagens na TV. Então aos 43 anos pesquisei na internet, fazendo diversos testes. Minha médica descobriu que minha doença era causada pelo mau funcionamento da HIPÓFISE, causando distúrbios nas glândulas anexadas, como hipo-tiroidismo. Agora estou estável sob controle mental e médico. Espero melhorar com o tempo...

28/07/2011 - Comentário feito por Tania
Re: Transtorno bipolar do humor
Gostei muito da matéria, até porque me trato a 10 anos, depois da minha aposentadorei que começou os sintomas. Sempre lí muito a respeito, procuro sempre estar atualizada com relação a medicação e mantenho um tratamento estável. Pois quando achei alguns anos atrás que estava bem e não prescisava de medicamentos, pois estava em alta, foi horrível. A síndrome de ausência da medicação é terrivel, o mau estar é muito grande. Obrigada por me enviar sobre esta matéria.
Um grande abraço.

28/07/2011 - Comentário feito por Devanise
Re: Transtorno bipolar do humor
gostei muito da matéria sobre transtorno bipolar pois o meu filho está passando por isso,gostaria também de saber sobre agarofobia,pois tambem meu filho está passando por isso.,Parabéns

28/07/2011 - Comentário feito por Marcos
Re: Transtorno bipolar do humor
Estou com 48 anos de idade, acho que comecei a ter problemas desde criança, basendo-me nos relatos de meus pais. Na época, não havia internet, e era difícil buscarmos informações, se é que existiam...Passei por vários tratamentos, mas como já comentaram, bastava ter uma melhora, para que achasse que a medicação era besteira. Nas poucas vezes que descuidei da medicação, e isso é um caso extremamente sério, a crise veio logo em seguida. Tentei o suicídio aos 16 anos, portanto, com esse transtorno NÃO SE BRINCA. Nas crises, costumam vir à mente esses pensamentos suicidas, porém hoje, como entendi que esse sentimento horrível é um dos sintomas do transtorno, sei que vai passar junto com o quadro depressivo. Conviver conosco não é tarefa fácil. É necessário muita paciência e dedicação. Sei que muitos se sentem culpados por acharem que não estão nos dando a devida atenção. Mas as crises, tanto de mania como depressiva (pelo menos comigo) vêm de forma sutil, e se manifestam de maneira que nossos entes queridos não conseguem muitas vezes detectar.
Se é difícil, para nós, é muito mais difícil para quem convive conosco.
Por outro lado, EM MINHA OPINIÃO, acho que somos pessoas muito sensíveis, querendo dar o que temos de melhor em nós e porisso temos tendência a sofrer mais. Vivemos tentando entender o porquê das coisas de uma maneira mais profunda, porisso muitas vezes não compreendemos como as outras pessoas conseguem viver se conformando com certas coisas, que para nós são desgastantes e difíceis de aceitar. Espero que o que escrevi possa de alguma maneira ajudar as pessoas que tentam nos compreender.

28/07/2011 - Comentário feito por Laura
Re: Transtorno bipolar do humor
Gostei muito da matéria, pois meu filho tem esse problema. Mas agora depois de tanto me informar parece muito mais facil reconhecer o problema até mesmo em outras pessoas. Sofri muito no começo, pois a maioria dos medidos parece não acreditar nessa doença. Mas agora ele já faz tratamento a um ano e mesmo assim só fiquei ainda mais esperta no assunto quando li o livro ( Adolecente Bipolar o que voce e sua familia poder fazer para ajuda-lo) é muito esclarecedor ou pelo menos foi para mim.
Acho muito importante esses artigos para que nós leigos possamos ajudar aqueles que amamos ou até nos mesmos. Meu filho deve ter apresentado o problema + ou - aos 13 anos e veja que consegui começar o tratamento apenas a um ano meio mais ou menos. Mas agora consigo ver alguma melhora, graças a Deus, pois tem horas que parece que a gente não vai aguentar.

28/07/2011 - Comentário feito por sidneia
Re: Transtorno bipolar do humor
uma doença dificil de se lidar meu marido tem transtorno bipolar ja tomou medicaçao hoje nao mais
diz nao precisa eu q sei pq vivo com ele e mto dificil como devo agir sendo q ele nao tomas mais medicaçao

28/07/2011 - Comentário feito por Edilene
Re: Transtorno bipolar do humor
Sofro desse transtorno e é muito dificil conviver com ele e ainda mais dificil para minha familia, pois, muitas vezes eles não entendem ou acham até que não existe. Depois que comecei a me tratar com medicamentos a convivência se tornou muito mais agradável, porém, nos momentos de crise, sinto falta do apoio deles, pois, como disse, ás vezes é muito dificil para eles entenderem o que está se passando comigo, se eu não entendo, imagine eles.

28/07/2011 - Comentário feito por Beatriz
Re: Transtorno bipolar do humor
Ótimo texto, descreve muito bem e de forma clara o transtorno, principalmente quando fala sobre a interrupção medicamentosa (mesmo que por poucos dias), é possível sentir uma grande diferença, logicamente, negativa. Parabéns!

27/07/2011 - Comentário feito por Elizabeth
Re: Transtorno bipolar do humor
Meu marido com quem convivi mais de 35 anos, sempre foi bipolar, porem quando na mania como voce fala para o bipolar que ele esta precisando de ajuda sendo que esta feliz, pra cima auto estima lá em cima, é complicado, e quando desce para a depressão aí ele vai se tratar, com remedios, ele fez até ect melhorou bastante, mas se deparou com a realidade da vida enão suportou, vindo a suicidar-se, tentamos de tudo, todos os remedios, tratamentos , religiões, quando a apessoa nasce com o transtorno é dificil não ser bipolar é de nascencia, a quimica vc pode até consertar mas o mental não. o sofrimento para o depressivo que as vezes fica tempo para cima com a mania , quando fica na depressão é insuportavel para eles, convivi com este sofrimento e sei como eles sofrem , querem viver mas não dão conta, cada minuto para eles são dez anos para nós. é muito sofrido que está perto de um bipolar tem que ter muita paciencia quando eles estiverem na depressão sempre elevar a auto estima deles e não cobrar deles nada, pois eles não tem condições para nada. e quando eles estiverem para cima tentar acompanhá-lo no maximo para que não cometa erros, enfim quem estiver ao lado de um bipolar tem que ser companheira(o), não tente não ver nada, fingir que não está acontecendo , ou vc pega na mão ou vá embora, o que eu não aconcelho pois eles precisam muito dos companheiros(as).

  • Entrar
  • Assinar