Gostou do artigo? Compartilhe!

As raízes evolutivas da agressividade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a agressividade?

A agressividade (latim: aggredi = provocação, ataque) é uma característica inerente à natureza dos animais e do ser humano, que tem sido objeto de estudo e reflexão ao longo da história. Desde os primórdios da civilização, a agressividade tem sido uma força poderosa que pode ser canalizada para o bem ou para o mal. Ela pode ser adaptativa ou desadaptativa, dependendo do contexto e das consequências para o indivíduo e o grupo.

Embora com características diferentes, a agressividade como comportamento existe em toda a escala evolutiva, mesmo nos animais mais primitivos. Nos animais, ela tem de ser entendida a partir de comportamentos destrutivos, mas, nos humanos, a agressividade vai desde sentimentos e vocalizações hostis até atos físicos mutilantes, destrutivos ou mortais.

Nos animais, a agressividade é um comportamento natural que pode ser uma resposta a uma série de fatores, como defesa territorial, proteção de filhotes, competição por recursos, medo, estresse ou até mesmo como parte de rituais de acasalamento. Alguns animais são mais propensos a exibir comportamentos agressivos, enquanto outros podem ser mais pacíficos.

Enquanto a agressividade humana é quase sempre uma agressividade dentro da mesma espécie (de pessoa para pessoa ou de grupo humano para grupo humano), a agressividade dos animais geralmente acontece entre espécies diferentes. Dentro da mesma espécie, ela se reduz à defesa de território ou dos filhotes, à conquista das fêmeas ou à disputa de alimentos. Nessas condições, raramente ela leva à morte.

Leia sobre "Esgotamento menta ou síndrome1 de Burnout", "Estresse", "Inveja 'do bem' e inveja 'do mal'" e "Ciúme normal e ciúme patológico". 

As raízes evolutivas da agressividade

A discussão sobre as origens da agressividade humana há muito tem interessado a áreas de estudos científicos, incluindo filosofia, antropologia2, medicina, sociologia, psicologia e segurança pública, dentre outras.

A agressividade é um comportamento complexo presente em várias espécies animais, incluindo os seres humanos, e pode ter surgido como um recurso da seleção natural ou como uma resposta de defesa contra ameaças ou predadores. Em ambientes naturais, animais agressivos teriam uma vantagem na competição por recursos de sobrevivência3. A seleção natural parece ter favorecido os indivíduos mais agressivos, pois eles teriam uma vantagem quanto a sobreviverem.

A agressividade pode ter surgido também como recurso para estabelecer e manter hierarquias sociais e o status do indivíduo dentro do grupo. Da mesma forma, a agressividade pode ter sido uma forma de resolver disputas entre indivíduos sem recorrer a danos físicos sérios. Em algumas situações, a exibição de comportamento agressivo (rosnar, mostrar os dentes, etc.) pode evitar confrontos físicos que poderiam ser mais prejudiciais.

Embora a agressividade possa parecer à primeira vista que só é contraproducente, ela também pode ter impulsionado a cooperação entre membros do mesmo grupo, já que um grupo coeso e coordenado em seus esforços de defesa e obtenção de recursos pode ter mais chances de sobreviver e prosperar.

Por fim, a agressividade também pode ter uma base genética, o que significa que alguns indivíduos podem ser geneticamente mais predispostos que outros a serem agressivos. No entanto, alguns estudos estimam que apenas cerca de 40% da tendência para o comportamento agressivo está relacionada a fatores genéticos e que o comportamento agressivo também é influenciado, em grande parte, pelo ambiente e experiências de vida.

Quais são as características da agressividade nos animais e nos humanos?

A agressividade nos animais não é necessariamente uma característica negativa, mas sim uma adaptação evolutiva que desempenha um papel na sobrevivência3 e reprodução4. Muitos animais defendem seus territórios contra intrusos para garantir acesso a recursos como comida, abrigo ou parceiros reprodutivos. Uma agressão entre membros da mesma espécie pode ocorrer durante disputas por hierarquia social ou recursos de sobrevivência3. Alguns animais podem exibir agressão para proteger seus filhotes de predadores ou de potenciais ameaças. Animais carnívoros ou predadores apresentam agressão ao caçar suas presas para obter alimento. Quando um animal se sente ameaçado ou acuado, pode responder com agressividade como uma forma de autodefesa. Em algumas espécies sociais, a agressão pode ser usada para estabelecer e manter hierarquias dentro do grupo. A agressividade pode variar de uma espécie para outra, bem como dentro de uma mesma espécie, devido a fatores genéticos, ambientais e sociais. Além disso, a agressividade também pode ser influenciada pelo período reprodutivo.

Por sua vez, a agressividade humana envolve não só um comportamento, mas uma emoção complexa e multifacetada que pode se manifestar de várias formas, desde a raiva5 explosiva até a hostilidade velada. Ela não é necessariamente uma característica negativa em si: a forma como é expressa e direcionada é que determina sua natureza positiva ou negativa. Em muitos casos, a agressividade surge como um comportamento competitivo ou como uma resposta a estímulos ameaçadores ou desafiadores e é, portanto, um comportamento útil desde o ponto de vista do indivíduo. Em qualquer dos casos, ela é uma reação instintiva de autopreservação. No entanto, a sociedade moderna frequentemente desaprova a expressão aberta da agressividade, favorecendo abordagens mais pacíficas e cooperativas para resolver conflitos.

As consequências da agressividade variam amplamente, dependendo do contexto em que se realiza e da intensidade que tem. Em situações extremas, a agressividade desenfreada pode levar animais e pessoas à violência física, resultando em ferimentos graves ou até mesmo em morte. A agressividade também pode ter efeitos negativos nas relações interpessoais, prejudicando a comunicação, o entendimento e o convívio. Além disso, os aspectos negativos da agressividade podem levar ao isolamento social, a problemas legais e a prejuízos emocionais para aqueles que a experimentam ou são alvo dela.

Veja mais sobre "Os sentimentos humanos mais comuns", "Transtornos afetivos" e "O desenvolvimento da personalidade segundo a Psicanálise".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas principalmente dos sites do CVV – Centro de Valorização da Vida e da UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.

ABCMED, 2023. As raízes evolutivas da agressividade. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1460785/as-raizes-evolutivas-da-agressividade.htm>. Acesso em: 18 abr. 2024.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Antropologia: Ciência que estuda o homem no sentido mais amplo. Ela engloba origem, evolução, desenvolvimentos físico, material e cultural, fisiologia, psicologia, características raciais, costumes sociais, crenças etc.
3 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
4 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
5 Raiva: 1. Doença infecciosa freqüentemente mortal, transmitida ao homem através da mordida de animais domésticos e selvagens infectados e que produz uma paralisia progressiva juntamente com um aumento de sensibilidade perante estímulos visuais ou sonoros mínimos. 2. Fúria, ódio.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.