Gostou do artigo? Compartilhe!

Transtorno de oposição desafiante

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o transtorno de oposição desafiante?

Chama-se transtorno de oposição desafiante ou transtorno desafiador de oposição ao comportamento frequente e persistente, na criança ou adolescente, caracterizado por uma atitude desafiadora, raivosa, argumentativa, desafiante ou vingativa em relação a figuras de autoridade.

Quais são as causas do transtorno de oposição desafiante?

Não há uma causa claramente conhecida do transtorno desafiador opositivo. As causas contribuintes podem ser uma combinação de fatores herdados e ambientais, incluindo disposição natural da criança, possivelmente diferenças neurobiológicas na função cerebral e problemas com os pais que podem envolver falta de supervisão e disciplina inconsistente ou severa. Possíveis fatores de risco incluem:

  1. Temperamento que não regula as emoções e que não tolera frustrações.
  2. Criança que sofre abuso ou negligência1, é submetida a uma disciplina severa, mas inconsistente, ou na qual a supervisão dos pais deixa a desejar.
  3. Discórdia entre os pais.
  4. Uso de substâncias psicoativas por um ou ambos os pais.
  5. Reforço pelos pais dos comportamentos de oposição e desafio.

Quais são as características do transtorno de oposição desafiante?

É difícil fazer a diferença entre uma criança de vontade forte e outra com um transtorno desafiador de oposição. É normal que uma criança exiba transitoriamente um comportamento de oposição em certos estágios do seu desenvolvimento. Sinais2 do transtorno desafiador de oposição geralmente começam durante os anos pré-escolares, mas podem se desenvolver mais tarde, nos primeiros anos da adolescência. Esses comportamentos causam dificuldades significativas no relacionamento com a família, atividades sociais, escola e trabalho.

Leia sobre "Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade", "Depressão em crianças" e "Autismo".

Como o médico diagnostica o transtorno de oposição desafiante?

O diagnóstico3 de transtorno desafiador de oposição é eminentemente4 clínico. O DSM-5 (Quinta edição do Manual Diagnóstico3 e Estatístico de Transtornos Mentais), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria, lista os seguintes critérios para o diagnóstico3 dessa condição:

  1. Humor irritado e irritável.
  2. Perda fácil da paciência.
  3. Facilmente incomodado por outras pessoas.
  4. Muitas vezes está com raiva5 e ressentido.
  5. Comportamento argumentativo e desafiador.
  6. Ativamente desafia ou recusa-se a cumprir os pedidos ou regras dos adultos.
  7. Deliberadamente irrita ou perturba as pessoas.
  8. Culpa os outros por seus erros ou mau comportamento.
  9. É rancoroso e/ou vingativo.

O transtorno desafiador de oposição geralmente ocorre junto com outros problemas de saúde6 mental ou comportamentais e por isso os sintomas7 dele podem ser difíceis de distinguir daqueles relacionados a outros problemas. A avaliação de seu filho provavelmente incluirá uma avaliação da sua saúde6 geral, frequência e intensidade de comportamentos, emoções e comportamento em várias configurações, situações familiares e interações, estratégias no gerenciamento de comportamentos problemáticos e presença ou não de outros problemas de saúde6 mental, aprendizagem ou comunicação.

Saiba mais sobre "Impulsividade", "Personalidade borderline" e "Crises da adolescência".

Como o médico trata o transtorno de oposição desafiante?

Os pais não precisam tentar sozinhos gerenciar o relacionamento com um filho com transtorno desafiador de oposição. Profissionais de saúde6 mental e especialistas em desenvolvimento infantil podem ajudar. O tratamento para o transtorno desafiador de oposição envolve principalmente intervenções de base familiar, mas pode incluir outros tipos de psicoterapia e treinamento, tanto para a criança quanto para os pais. É importante tratar quaisquer outros problemas concomitantes que possam estar associados ao transtorno desafiador de oposição. Terapia adicional e, possivelmente, medicamentos, podem ser necessários para tratar esses problemas de saúde6 mental.

Assim, a abordagem terapêutica8 envolve treinamento dos pais, terapia de interação pai-filho, terapia individual e familiar, treinamento de resolução de problemas cognitivos9 e treinamento de habilidades sociais.

Como prevenir o transtorno de oposição desafiante?

Não há maneira garantida de prevenir o transtorno desafiador de oposição. No entanto, um adequado gerenciamento precoce do problema pode ajudar a melhorar o comportamento e evitar que ele piore.

Quais são as complicações possíveis do transtorno de oposição desafiante?

Crianças e adolescentes com transtorno desafiador de oposição podem ter problemas em casa com pais e irmãos, na escola com professores e no trabalho com supervisores e outras figuras de autoridade. Elas devem se esforçar para criar e manter amigos e relacionamentos.

Além disso, pode haver outras consequências negativas do problema: desempenho pobre na escola e no trabalho, comportamento antissocial, falta de controle dos impulsos, uso de substâncias proibidas e suicídio.

Muitas crianças e adolescentes com esse problema também apresentam outros transtornos mentais, como transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), transtorno de conduta, depressão, ansiedade e distúrbios de aprendizagem e comunicação.

Leia também sobre "Dificuldades de adaptação das crianças à escola" e "Ansiedade de separação".

 

ABCMED, 2018. Transtorno de oposição desafiante. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1326168/transtorno-de-oposicao-desafiante.htm>. Acesso em: 3 jun. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Negligência: Falta de cuidado; incúria. Falta de apuro, de atenção; desleixo, desmazelo. Falta de interesse, de motivação; indiferença, preguiça. Inobservância e descuido na execução de ato.
2 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
5 Raiva: 1. Doença infecciosa freqüentemente mortal, transmitida ao homem através da mordida de animais domésticos e selvagens infectados e que produz uma paralisia progressiva juntamente com um aumento de sensibilidade perante estímulos visuais ou sonoros mínimos. 2. Fúria, ódio.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
9 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.