Gostou do artigo? Compartilhe!

Ansiedade de separação

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é ansiedade?

Considerada por muitos como “o mal do século”, a ansiedade é um sentimento tão peculiarmente desagradável que só quem a sente sabe o quão ruim ela é. Suar, tremer, gaguejar… Enfim, todos os piores sentimentos do ser humano ficam à flor da pele1 quando se está sofrendo de ansiedade.

Ela se expressa de vários modos, como preocupação, tensão, medo, pavor, sintomas2 físicos ou qualquer outro sentimento ruim em excesso. Como reação normal, a ansiedade desempenha um importante papel defensivo ante situações estressantes e prepara as pessoas para a luta ou fuga. Nesse sentido, a ansiedade é reacional e transitória.

No entanto, algumas pessoas sentem ansiedade sem qualquer motivo desencadeante ou sem proporção com um motivo determinado. Essa ansiedade geralmente interfere na vida e nas atividades cotidianas prejudicando-as. É tida, então, como patológica e as pessoas acometidas por ela parecem ter uma predisposição constitucional (provavelmente genética) para a ansiedade.

Saiba mais sobre "Ansiedade infantil".

O que é ansiedade de separação?

O ser humano começa completamente ligado física e emocionalmente à mãe. De início, a criança se vê, e efetivamente é, como uma extensão dela. Só passa a assumir sua individualidade e autonomia aos poucos e ao longo de muitos anos. Durante a gestação, há uma ligação real mãe-bebê, seguida por outra etapa em que essa ligação passa a ser intermitente3, na amamentação4, e ainda outra, menos regular, mas não menos importante, nos cuidados e ajuda à criança (alimentação, higiene, andar, falar, etc.). Nessa fase, já é possível que o pai também tenha alguma participação.

Depois, vem uma separação comportamental: a creche, a escola, a ausência dos pais para trabalhar e, eventualmente, a separação ou morte de um deles ou de ambos. Apesar de uma significativa ligação com ambos os pais, costuma-se reservar a expressão "ansiedade de separação" para as reações do bebê e da criança pequena (até os dois anos de idade) à separação da mãe.

Com o desenvolvimento físico e mental, a criança vai começar a perceber que tem seu próprio corpo, pensamentos e sentimentos e aí vai cada vez mais querer fazer as coisas do seu jeito. O processo de separação normalmente é acompanhado da ansiedade de separação, que pode ser difícil tanto para a criança, como para seus pais.

A ansiedade de separação costuma ter seu pico entre o 10º e o 18º meses de vida e, se for muito excessiva ou muito persistente, perturbando a vida normal da criança, pode-se estar diante de um transtorno da ansiedade de separação.

Quais são as principais manifestações da ansiedade de separação?

Alguns sintomas2 denunciam a ansiedade de separação: na criança muito pequena, o choro aparentemente imotivado, perda de apetite, irritação e recusa de ir ao colo5 de estranhos. Um pouco mais tarde podem aparecer dificuldade de afastar-se da mãe, medos excessivos ante estímulos menores, sintomas2 físicos pouco definidos e oscilantes (dor de cabeça6 e de barriga, náuseas7 e vômitos8, etc.), preocupações excessivas, recusa em ir à escola, medo persistente e excessivo de ficar em casa sozinho, recusa em adormecer desacompanhado ou fora de casa e pesadelos repetidos.

E o que leva a ansiedade de separação normal a se transformar numa perturbação? Entre os motivos que estão na origem e manutenção da perturbação da ansiedade de separação contam-se: instabilidade familiar, dificuldades de adaptação a novas realidades, como entrada no Jardim de Infância, por exemplo, mudanças bruscas na vida da criança, superproteção por parte dos cuidadores e menor autonomia para as crianças ou, ao contrário, excessiva permissividade.

Leia sobre "Dificuldades de adaptação das crianças à escola".

Como lidar com a ansiedade de separação?

  • A mãe deve ter a sabedoria de equilibrar a proteção que deve dar a seu filho com a vontade dele de explorar o mundo por si mesmo. Uma criança que tenha amor e cuidados constantes e autonomia para ser ela mesma, adquire a confiança necessária para se soltar.
  • A progressiva confiança que a criança vai adquirindo em sua mãe depende de pequenos gestos da parte dela como, por exemplo, responder imediatamente ao choro do bebê, atendê-lo prontamente quando ele está com fome ou com as fraldas molhadas, etc.
  • A casa deve ser um ambiente seguro e agradável para a criança. Por exemplo: em vez de ter-se de falar "nãos" para ela, a mãe deve colocar objetos perigosos ou frágeis fora do alcance da criança.
  • A mãe deve ajudar a criança a fazer as coisas que lhes são permitidas, não fazer para ela. Assim, evita frustrar seus desejos e ter de aplicar-lhe uma observação condenatória.
  • Durante algum tempo a criança pensa na ausência da mãe como definitiva, mesmo quando ela se afasta rapidamente. De nada adianta dizer “mamãe vai ali, mas volta rapidinho” ou sair escondido para que a criança não perceba a ausência. Pelo contrário, ao sair a mãe deve despedir do bebê, cara-a-cara e dizer exatamente quando voltará, mesmo que ele não entenda e chore. Com o passar do tempo, isso reforçará a confiança na sua mãe e passará a aceitar mais facilmente a situação.
  • A mãe nunca deve mentir para a criança, achando que isso vai tornar a situação mais fácil. O melhor é sempre dizer a verdade, mesmo acreditando que a criança não compreenda. Com o crescimento, ela passará a compreender as situações e a reagir mais adequadamente a elas.
  • Algumas medidas relativamente simples ajudam a controlar a ansiedade de separação: diminuição da ansiedade dos pais, transmissão de confiança, com um contexto tranquilo, com rotinas e regras estáveis, ajuda para que a criança monte estratégias para lidar com o que teme e outras coisas de mesmo sentido.
  • A mãe precisa achar o ponto de equilíbrio entre o "estar perto e disponível" e o "manter-se afastada e ocupada com outros assuntos além da criança" para que, durante a infância, a criança tenha espaço para construir por ela mesma o seu eu autônomo e responsável.
Veja mais em "Ansiedade generalizada", "Ansiedade não patológica" e "Psicoterapia".

 

ABCMED, 2017. Ansiedade de separação. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1304308/ansiedade+de+separacao.htm>. Acesso em: 26 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
4 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
5 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
6 Cabeça:
7 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
8 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pediatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.