Gostou do artigo? Compartilhe!

Dor no joelho: tendinite ou rotura do tendão patelar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são as lesões1 do ligamento patelar2?

O joelho é composto por três ossos: o fêmur3, a tíbia4 e a patela5, os quais recebem a inserção de vários tendões6 e ligamentos7 que conferem estabilidade e mobilidade a esta estrutura. O ligamento patelar2, ou tendão patelar8, é a parte central do tendão9 do músculo quadríceps femoral10, que continua até a tíbia4, fazendo parte do chamado mecanismo extensor do joelho, já que a contração desse músculo, estando íntegras todas as estruturas auxiliares, faz a extensão da perna.

O ligamento patelar2 é sobrecarregado na prática de vários esportes, principalmente os de salto, como vôlei, basquete e certas modalidades de atletismo, mas também em outros, como futebol, corrida e tênis. As lesões1 desse ligamento11 também são frequentes nos “atletas de final de semana”, devido à falta de condicionamento físico adequado. A face12 posterior do ligamento patelar2 está separada da membrana sinovial13 por um coxim gorduroso14 e da tíbia4 por uma bolsa sinovial15. Esse coxim16 muitas vezes inflama-se e gera sintomas17 que frequentemente são confundidos com tendinite18.

Quais são as lesões1 mais comuns do ligamento patelar2?

As lesões1 mais frequentes do ligamento patelar2 são as tendinites e as roturas do tendão9. Em geral, essas lesões1 ocorrem nas proximidades da inserção do tendão9 na patela5.

  • Tendinites: as lesões1 do tendão patelar8 fazem parte das doenças que causam as "dores anteriores do joelho". As tendinites afetam o tendão patelar8 em diferentes graus de gravidade. As tendinites mais leves causam apenas um espessamento discreto do tendão9, mas na medida em que progridem ou se agravam surgem alterações degenerativas19, acompanhadas ou não de calcificações. Em fases mais avançadas elas podem causar rupturas parciais do tendão9, o que o enfraquecem.
  • Roturas do tendão9: a rotura do tendão patelar8 pode ser completa ou incompleta. Se ocorrer uma ruptura completa, o mecanismo extensor da perna fica inviabilizado. A rotura completa, na grande maioria das vezes, ocorre em tendões6 que já apresentavam algum grau de tendinite18. As rupturas em tendões6 sem antecedentes de processos inflamatórios são raras. Nos casos de rotura do tendão9, a indicação é de tratamento cirúrgico, para sua reinserção óssea, geralmente na patela5.
  • “Over use” (uso excessivo): as sobrecargas causadas por tensões repetitivas excessivas sobre os joelhos podem levar a lesões1 dos tendões6 e ligamentos7, pelo fato dessas estruturas possuírem uma capacidade de regeneração muito lenta.

Quais são as causas das lesões1 do ligamento patelar2?

As causas mais comuns de lesões1 do ligamento patelar2 são os processos inflamatórios de natureza traumática, por submetê-lo a esforços excessivos ou intensamente repetitivos que, por vezes, podem ocasionar rupturas do tendão9. As rupturas do tendão patelar8 são facilitadas pela associação com degenerações, microtraumas repetitivos e exagero das cargas impostas ao joelho. Algumas enfermidades sistêmicas como diabetes mellitus20, insuficiência renal21 crônica, artrite reumatoide22 e lúpus23 eritematoso24 sistêmico25 favorecem essas rupturas, bem como podem acontecer também nas pessoas que tenham feito múltiplas infiltrações de corticosteroides, nos usuários de esteroides anabolizantes e corticosteroides.

Quais são os principais sinais26 e sintomas17 das lesões1 do ligamento patelar2?

Os principais sinais26 e sintomas17 dependem da natureza das lesões1 do ligamento patelar2. Assim, podemos ter:

Tendinite18: dor intensa no joelho, dor ao andar, correr ou saltar, sensibilidade aumentada em torno do tendão9, hematomas27 na região do joelho e dificuldades em dobrar e esticar a perna.

Rotura do ligamento11: a ruptura completa é totalmente incapacitante. Os sintomas17 principais são aparecimento de dor súbita, incapacidade de extensão ativa, patela5 fora de sua posição anatômica, inchaço28, hematoma29 e limitação funcional.

Como o médico diagnostica as lesões1 do ligamento patelar2?

O diagnóstico30 da lesão31 do ligamento patelar2 deve começar pela história clínica do paciente que inclua os possíveis fatores causais e os sintomas17. A seguir, o médico deve proceder ao exame físico do joelho e complementá-lo com exames de imagens. Nas tendinites surgirão os sintomas17 clássicos de dor intensa, sensibilidade em torno do tendão9, presença de hematoma29 e dificuldades em dobrar e esticar a perna. Quando houver ruptura, o exame físico revelará as deformidades inerentes à situação e as radiografias contribuirão para avaliar a condição óssea da patela5. Os exames de ultrassonografia32 e ressonância magnética33 permitem analisar as características da ruptura e das lesões1 associadas.

Como o médico trata as lesões1 do ligamento patelar2?

A tendinite18 é de evolução insidiosa e se cura completamente, quando tratada no início. Porém, se evolui para uma fase crônica, o tratamento pode levar meses, devendo a pessoa se afastar de suas atividades durante esse período, o que geralmente acarreta um grande prejuízo. O tratamento correto deve incluir o uso de anti-inflamatórios, a aplicação de compressas de gelo (três ou quatro vezes ao dia) e deve ser acompanhado de fisioterapia34, para completa recuperação da função. Alguns casos mais graves e complicados podem terminar em intervenção cirúrgica e afastamento definitivo das atividades. Se a pessoa for um desportista, pode se ver obrigada a abandonar o seu esporte. As rupturas demandam sempre tratamento cirúrgico, mas se esse tratamento for precoce e feito adequadamente, costuma ter muito bons resultados.

Como evoluem as lesões1 do ligamento patelar2?

Em geral as lesões1 do ligamento patelar2 curam-se completamente. No entanto, quando não tratadas de maneira adequada, podem ter uma cura difícil e lenta e podem evoluir para lesões1 mais graves, deixando sequelas35 irremediáveis.

ABCMED, 2013. Dor no joelho: tendinite ou rotura do tendão patelar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/374415/dor-no-joelho-tendinite-ou-rotura-do-tendao-patelar.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
2 Ligamento Patelar: Fita de tecido fibroso que liga o ápice da PATELA à parte inferior do tubérculo da TÍBIA. Na realidade, o ligamento é a continuação caudal do tendão comum do QUADRÍCEPS FEMORAL, estando a patela implantada no tendão. Assim, o ligamento patelar pode ser considerado como uma conexão entre tendão do quadríceps femoral e tíbia; assim, às vezes é denominado tendão patelar.
3 Fêmur: O mais longo e o maior osso do esqueleto; está situado entre o quadril e o joelho. Sinônimos: Trocanter
4 Tíbia: Osso localizado no lado ântero-medial da perna. Ela apresenta duas epífises e uma diáfise e articula-se proximalmente com o fêmur e a fíbula e distalmente com o tálus e a fíbula.
5 Patela: 1. Osso sesamoide situado na parte anterior do joelho, ela era anteriormente denominada rótula. 2. Na anatomia zoológica, nos arácnidos, é o segmento entre a tíbia e o fêmur.
6 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
7 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
8 Tendão Patelar: Fita de tecido fibroso que liga o ápice da PATELA à parte inferior do tubérculo da TÍBIA. Na realidade, o ligamento é a continuação caudal do tendão comum do QUADRÍCEPS FEMORAL, estando a patela implantada no tendão. Assim, o ligamento patelar pode ser considerado como uma conexão entre tendão do quadríceps femoral e tíbia; assim, às vezes é denominado tendão patelar.
9 Tendão: Tecido fibroso pelo qual um músculo se prende a um osso.
10 Músculo Quadríceps Femoral: Quadríceps femural. Nome coletivo do músculo (de quatro cabeças) da coxa, composto pelo reto femural e pelos vastos intermédio, lateral e medial.
11 Ligamento: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
12 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
13 Membrana Sinovial: Membrana interna de uma cápsula articular, que reveste uma articulação móvel e livre. É frouxamente ligada à cápsula fibrosa externa e secreta LÍQUIDO SINOVIAL. Sinônimos: Sinovium; Sinóvio
14 Coxim gorduroso: Também conhecido como panículo adiposo, corresponde a 20% do peso de um homem e 25% do peso de uma mulher. Ele forma uma proteção contra impactos.
15 Bolsa sinovial: Bolsa sinovial ou bursa são fendas no tecido conjuntivo entre os músculos, tendões, ligamentos e ossos. Elas são formadas por sacos fechados de revestimento sinovial e têm a função de facilitar o deslizamento de músculos ou de tendões sobre as proeminências dos ossos ou dos ligamentos.
16 Coxim: 1. Tipo de almofada usada como assento. Leito ou sofá sem costas e sem braços, composto de colchão fino; divã. 2. Parte da sela sobre a qual o cavaleiro se assenta. 3. Em tecnologia, é um compartimento cilíndrico que movimenta as extremidades do eixo de um aparato técnico. Suporte de ferro que se coloca sobre travessas para assentar os carris.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Tendinite: Inflamação de um tendão. Produz-se em geral como conseqüência de um traumatismo. Existem doenças imunológicas capazes de produzir tendinite entre outras alterações.
19 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
20 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
21 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
22 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
23 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
24 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
25 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
26 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
27 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
28 Inchaço: Inchação, edema.
29 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
30 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
31 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
32 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
33 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
34 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
35 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia E Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

27/01/2014 - Comentário feito por Jussara
Re: Dor no joelho: tendinite ou rotura do tendão patelar?
Estou com uma lesão em um dos ligamentos do tendão no joelho. A única solução é a cirurgia? Tenho medo, pois conheço pessoas que passaram por este problema, fizeram a cirurgia e não voltaram ao normal.
Existe outra opção?

30/12/2013 - Comentário feito por katia
Re: Dor no joelho: tendinite ou rotura do tendão patelar?
há 4 anos atras sofri uma lesão no joelho a qual o médico disse que era sinovite e que iria melhorar com fisioterapia, mas agora está piorando pois não consigo mais trabalhar porque dá uma dor forte e perco a força no joelho e então vou pro chão agora está acontecendo sempre gostaria de saber o que devo fazer já perdi vários empregos por causa disso qua procedimento devo tomar?

  • Entrar
  • Assinar