AbcMed  -  Câncer
Atalho: 5DC5BUI
Gostou do artigo? Compartilhe!

Linfoma. O que saber sobre ele?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é linfoma1?

Linfoma1 é um tumor2 que ocorre no sistema linfático3.

O sistema linfático3 é composto por vários gânglios linfáticos4 ou linfonodos5, conectados entre si pelos vasos linfáticos. Ele é responsável pelas defesas naturais do organismo contra infecções6.


Como o linfoma1 se desenvolve?

O linfoma1 é um tipo de câncer7 que se desenvolve principalmente nos linfonodos5 (gânglios8) do sistema linfático3, podem também estar no baço9, na medula óssea10, no sangue11 ou em outros órgãos.

Ele ocorre por um dano causado ao DNA de uma célula12 precursora de um linfócito13. Este dano ocorre após o nascimento, sendo uma doença adquirida e não hereditária.

Por motivos ainda desconhecidos, em determinado momento os linfócitos agrupados nos gânglios linfáticos4 começam a se multiplicar e crescer de forma desordenada, dando origem ao linfoma1.


Quais são os tipos de linfomas existentes?

Existem basicamente dois tipos de linfoma1: linfomas de Hodgkin e linfomas não-Hodgkin.

Há seis tipos de linfomas de Hodgkin, neles existe o envolvimento de células14 chamadas Reed-Stenberg. A mortalidade15 do linfoma1 de Hodgkin caiu nos últimos 25 anos devido à melhoria no tratamento.

Há mais de 61 tipos de linfomas não-Hodgkin. Qualquer linfoma1 que não envolva as células14 Reed-Stenberg é classificado como linfoma1 não-Hodgkin. A incidência16 deste linfoma1 é mais alta do que a do linfoma1 de Hodgkin e cresceu significativamente nas últimas duas décadas.


O que sente uma pessoa com linfoma1?

Alguns sintomas17 do linfoma1 são semelhantes aos observados em muitas outras doenças. Muitos indivíduos que apresentam os sintomas17 abaixo não têm linfoma1, mas é importante que qualquer um que observe a persistência desse quadro procure um médico clínico geral ou hematologista para avaliação.

Geralmente as pessoas procuram um médico porque acham que estão com uma gripe18, resfriado prolongado ou com alguma infecção19 respiratória que não quer curar.

O sintoma20 inicial mais comum é um aumento indolor dos linfonodos5, principalmente no pescoço21, mediastino22 (região localizada entre os pulmões23 e o coração24), axilas, abdome25 ou virilha.

Outros sintomas17 podem incluir febre26, suor principalmente noturno, perda de peso não explicada por outra causa, fadiga27, calafrios28 e coceira.


Existem causas ou fatores de risco?

Existem muitos fatores associados ao aumento do risco para desenvolver linfomas, mas nenhuma causa definitiva foi identificada, com exceção da infecção19 pelo Helicobacter pylori  e o processo de gastrite29 crônica considerados como elementos patogênicos importantes no desenvolvimento do linfoma1 gástrico MALT ("mucosa30-associated lymphoid tissue").

Alguns fatores já foram associados com o aumento do risco como:

  • Exposição crônica a pesticidas, solventes e fertilizantes.
  • Imunossupressão31: causada pelo uso de certos medicamentos ou por infecção19 pelos vírus32 HIV33 ou HTLV-1.
  • História familiar de linfomas.
  • Aumento da idade.

Entretanto, a maioria dos casos da doença ocorre em indivíduos sem fatores de risco identificáveis e a maioria das pessoas com supostos fatores de risco nunca apresenta a doença.


Quais são os tratamentos disponíveis?

 

A combinação de quimioterapia34 e o uso de anticorpos35 monoclonais é, atualmente, o tratamento que oferece a maior chance de cura para os pacientes com linfoma1.

O prognóstico36 é bom na maioria das vezes. Aproximadamente 30 a 60% dos pacientes com uma forma agressiva de linfoma1 não-Hodgkin podem ser curados.


Fontes:

Inca - Instituto Nacional de Câncer7

Lymphoma Research Foundation

National Institute of Cancer7

ABCMED, 2010. Linfoma. O que saber sobre ele?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/cancer/57919/linfoma+o+que+saber+sobre+ele.htm>. Acesso em: 21 jul. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
2 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
3 Sistema Linfático: Um sistema de órgãos e tecidos que processa e transporta células imunes e LINFA.
4 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
5 Linfonodos: Gânglios ou nodos linfáticos.
6 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
9 Baço:
10 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
13 Linfócito: Tipo de glóbulo branco relacionado ao sistema imunológico. Existem dois tipos de linfócitos. Um está relacionado à produção de anticorpos (linfócito B) e o outro age na imunidade mediada por células (linfócito T).
14 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
15 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
16 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
19 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
21 Pescoço:
22 Mediastino: Região anatômica do tórax onde se localizam diversas estruturas, dentre elas o coração.
23 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
24 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
25 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
26 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
27 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
28 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
29 Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
30 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
31 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
32 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
33 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
34 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
35 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
36 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cancerologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

15/06/2014 - Comentário feito por adaliton
goitei quer tinha muita duvida!, mais com essa ...
goitei quer tinha muita duvida!, mais com essa materias fiquei mais podetro da doença da minha mae ta de nota 10!!!

22/04/2010 - Comentário feito por Marcos
Re: Linfoma. O que saber sobre ele?
É sempre bom lembrar, que quanto mais cedo for diagnosticado qualquer tipo de câncer,maiores são as chances de cura,uma dica-sempre que sentir que algo não vai bem,sem uma explicação ex: cansado apenas por uma pequena caminhada,febre de pequena intensidade,mas constante,procure um especialista que irá providenciar exames clínicos simples ,mas que podem diagnosticar uma doença severa, que quanto mais cedo for detectada,repito maiores são as chances de cura- o câncer pode ser curado,aprenda a se cuidar,muitos exemplos podem ser dados-feridas que não cicatrizam rápido-podem não só indicar câncer de pele como outras doenças que necessitam de tratamento e controle como o diabetes- cuide-se!!!!

  • Entrar
  • Assinar