Atalho: 6PT4F9B
Gostou do artigo? Compartilhe!

Embolia pulmonar ou embolismo: o que saber sobre ela?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a embolia1 pulmonar?

Embolia1 pulmonar (ou tromboembolismo2 pulmonar) é a obstrução repentina da artéria pulmonar3 ou de um de seus ramos por um êmbolo4, com prejuízos significativos para a circulação5 sanguínea e a respiração. Trata-se de uma condição grave que pode levar à morte. Cerca de 15% das mortes súbitas são devido à embolia1 pulmonar.

Quais são as causas da embolia1 pulmonar?

A embolia1 pulmonar é causada pela obstrução da artéria pulmonar3 ou algum de seus ramos por um êmbolo4. Na maioria das vezes, o êmbolo4 é constituído por um trombo6 originário de alguma parte do corpo (geralmente uma artéria7 profunda das pernas ou da pelve8).

A embolia1 pulmonar ocorre quando ele adquire um tamanho que não o permita passar por todos os segmentos da circulação5 pulmonar. Mais frequentemente ocorre quando o sangue9 coagulado de uma veia periférica se desloca, cai na circulação5 e passa pelo átrio direito10 e ventrículo direito, indo para os ramos da artéria pulmonar3 direita ou esquerda. Ao atingir um ramo mais estreito que seu tamanho, o coágulo11 interrompe a circulação5 local. Além dos êmbolos serem formados principalmente por coágulos sanguíneos, podem também dever-se a bolhas de gás (como nos mergulhos profundos, por exemplo), gordura12 (cirurgia, traumas, fraturas, etc.) ou outras possibilidades (líquido amniótico13, durante a gravidez14 ou o parto ou células15 cancerosas, por exemplo).

Quais são os fatores de risco para o embolismo16?

Os principais fatores de risco para a trombose17 pulmonar são:

  • Imobilidade dos membros inferiores (no leito ou em prolongadas viagens em que se fica assentado por um longo tempo).
  • Trombose17 venosa.
  • Gravidez14.
  • Politraumatismos.
  • Cirurgias de grande porte.
  • Queimaduras.
  • Parto e puerpério18.
  • Estados de hipercoagulabilidade19.

Quais são os sinais20 e sintomas21 da embolia1 pulmonar?

Os sinais20 e sintomas21 da embolia1 pulmonar variam em função do grau de prejuízo acarretado ao organismo. Os principais são:

  • Dificuldades de respiração.
  • Dor no tórax22.
  • Chiado no peito23.
  • Tosse.
  • Taquicardia24.
  • Palpitações25.
  • Dilatação das veias26 do pescoço27.
  • Tonturas28 ou desmaio.
  • Convulsões.
  • Enjoo.
  • Sudorese29.
  • Cianose30 (pele31 e unhas32 azuladas por falta de oxigenação do sangue9).
  • Morte súbita.

Como o médico diagnostica a embolia1 pulmonar?

O diagnóstico33 da embolia1 pulmonar é baseado em achados clínicos, na análise dos fatores de risco, em exames laboratoriais e em estudos de imagem (radiografia de tórax22, cintilografia34 pulmonar, angiografia35 pulmonar, tomografia computadorizada36). O eletrocardiograma37, embora inespecífico, pode também ser de ajuda. Outros exames laboratoriais (como a gasometria arterial, por exemplo) podem completar o diagnóstico33.

Como o médico trata a embolia1 pulmonar?

O tratamento da embolia1 pulmonar busca diminuir as consequências da deficiência circulatória e melhorar as condições respiratórias. Quase sempre tem que ser administrado oxigênio por máscara. Também devem ser adotadas medidas que dificultem a formação de novos êmbolos por coagulação38 sanguínea, como o uso de anticoagulantes39 (heparina, warfarina) ou é preciso utilizar-se uma câmara de descompressão40, como acontece após embolia1 gasosa de mergulhadores.

Medicações sintomáticas para aliviar a dor podem ser empregadas. Em pacientes com grande tendência à formação de trombos41 e com contraindicações para o uso de anticoagulantes39 ou em casos de recidivas42, deve-se considerar a implantação de um filtro na veia cava a fim de evitar que novos coágulos cheguem aos pulmões43. Pode-se tentar a dissolução do trombo6 através de medicações trombolíticas. Casos graves podem necessitar de cirurgia para remoção do trombo6.

Como prevenir a embolia1 pulmonar?

Não há como evitar a embolia1 pulmonar, mas podem ser prevenidos alguns de seus fatores de risco.

  • O uso de meias elásticas pode prevenir a estase44 sanguínea nas pernas e a formação de trombos41.
  • A atividade física deve ser reiniciada rapidamente nos pós-operatórios.
  • As pernas devem ser intermitentemente movimentadas durante os períodos de grande imobilidade. Principalmente contraindo os músculos45 da panturrilha46.
  • Medicações anticoagulantes39 preventivas podem ser utilizadas naqueles pacientes que não apresentem contraindicações e que ficarão acamados por longo tempo.

Como evolui a embolia1 pulmonar?

A embolia1 pulmonar interrompe a circulação5 de sangue9 numa parte do pulmão47, o que faz aumentar a resistência à circulação5 do sangue9 e diminuir a área funcionante deste órgão. Se a embolia1 for pequena isto pode até não ser percebido; se for maior pode até provocar morte súbita.

ABCMED, 2012. Embolia pulmonar ou embolismo: o que saber sobre ela?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/326645/embolia-pulmonar-ou-embolismo-o-que-saber-sobre-ela.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
2 Tromboembolismo: Doença produzida pela impactação de um fragmento de um trombo. É produzida quando este se desprende de seu lugar de origem, e é levado pela corrente sangüínea até produzir a oclusão de uma artéria distante do local de origem do trombo. Esta oclusão pode ter diversas conseqüências, desde leves até fatais, dependendo do tamanho do vaso ocluído e do tipo de circulação do órgão onde se deu a oclusão.
3 Artéria Pulmonar: Vaso curto e calibroso que se origina do cone arterial do ventrículo direito e transporta sangue venoso para os pulmões. DF
4 Êmbolo: 1. Cilindro ou disco que se move em vaivém no interior de seringas, bombas, etc. 2. Na engenharia mecânica, é um cilindro metálico deslizante que recebe um movimento de vaivém no interior de um cilindro de motor de combustão interna. 3. Em artes gráficas, é uma haste de ferro com um cilindro, articulada para comprimir e lançar o chumbo ao molde. 4. Em patologia, é um coágulo ou outro tampão trazido pela corrente sanguínea a partir de um vaso distante, que obstrui a circulação ao ser forçado contra um vaso menor. 5. Na anatomia zoológica, nas aranhas, é um prolongamento delgado no ápice do aparelho copulador masculino.
5 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
6 Trombo: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
7 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
8 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Átrio Direito: Câmaras do coração às quais o SANGUE circulante retorna.
11 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
12 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
13 Líquido amniótico: Fluido viscoso, incolor ou levemente esbranquiçado, que preenche a bolsa amniótica e envolve o embrião durante toda a gestação, protegendo-o contra infecções e choques mecânicos e térmicos.
14 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
15 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
16 Embolismo: É o mesmo que embolia, mas é um termo menos usado. Significa obstrução de um vaso, frequentemente uma artéria, pela migração de um corpo estranho (chamado de êmbolo) levado pela corrente sanguínea.
17 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
18 Puerpério: Período que decorre desde o parto até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem às condições anteriores à gestação.
19 Hipercoagulabilidade: Aumento da velocidade de coagulação do sangue.
20 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
23 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
24 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
25 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
26 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
27 Pescoço:
28 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
29 Sudorese: Suor excessivo
30 Cianose: Coloração azulada da pele e mucosas. Pode significar uma falta de oxigenação nos tecidos.
31 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
32 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
33 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
34 Cintilografia: Procedimento que permite assinalar num tecido ou órgão interno a presença de um radiofármaco e acompanhar seu percurso graças à emissão de radiações gama que fazem aparecer na tela uma série de pontos brilhantes (cintilação); também chamada de cintigrafia ou gamagrafia.
35 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
36 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
37 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
38 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
39 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
40 Descompressão: Ato ou efeito de descomprimir, de aliviar o que está sob efeito de pressão ou de compressão.
41 Trombos: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
42 Recidivas: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
43 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
44 Estase: 1. Estagnação do sangue ou da linfa. 2. Incapacidade de agir; estado de impotência.
45 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
46 Panturrilha: 1. Proeminência muscular, situada na face posterossuperior da perna, formada especialmente pelos músculos gastrocnêmio e sóleo; sura, barriga da perna. 2. Por extensão de sentido, enchimento usado por baixo das meias, para melhorar a aparência das pernas.
47 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pneumologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.