Gostou do artigo? Compartilhe!

Tipos de alterações das fezes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são fezes normais?

Em situações normais, as fezes devem ter uma consistência mole, mas capazes de manter sua forma de tubo ligeiramente alongado, semelhante a uma salsicha, por exemplo, que não causem dor ou dificuldade ao evacuar. Além disso, devem ser de cor marrom e pastosa, com odores peculiares, variáveis para cada pessoa.

As evacuações normais devem conter apenas fezes com essas características. As diversas alterações desses aspectos normais, quando associados aos sintomas1 concomitantes, sugerem determinadas patologias e são uma indicação importante no sentido diagnóstico2. Em situações anormais, elas podem estar associadas a muco, sangue3, gordura4 ou pus5.

Leia sobre "Entendendo a encoprese", "Esteatorreia6" e "Incontinência fecal7".

Quais são os tipos de alterações possíveis das fezes?

As alterações nas fezes podem ser apuradas quanto a: frequência, forma, consistência, cor, odor, presença de substâncias orgânicas e presença de substâncias estranhas.

1. Frequência

O número de evacuações consideradas normais oscila entre três vezes ao dia a três vezes por semana, e varia de acordo com a idade e os hábitos de cada pessoa. O importante é que haja uma regularidade, estabelecendo um padrão constante para cada um. Um aumento, sobretudo exagerado, desse padrão individual denomina-se diarreia8 e uma diminuição dele é chamada constipação9 intestinal (“intestino preso”). As diarreias, além do aumento do número de evacuações, são caracterizadas pelo aumento de volume e diminuição da consistência das fezes. Na constipação9 intestinal as fezes são ressequidas e difíceis de serem eliminadas. 

  • A diarreia8 em si não é uma doença, mas sim uma síndrome10 clínica podendo ter diversas etiologias. A diarreia8 aguda caracteriza-se pela presença de três ou mais evacuações de consistência aquosa em um período de 24 horas. A diarreia8 se define como crônica por ser persistente, com duração acima de 30 dias. Em se tratando de casos de diarreia8 crônica pode-se classificá-la ainda em relação à consistência das fezes: aquosa, inflamatória ou gordurosa. 
  • A constipação9 intestinal é definida pela presença de pelo menos dois dos seguintes sintomas1: esforço para evacuar; sensação de esvaziamento incompleto do intestino; manobras manuais para facilitar as evacuações (manobras digitais, apoio pélvico11 ou vaginal) e sensação de obstrução ou bloqueio anorretal. Estima-se que a constipação9 intestinal tenha uma prevalência12 de até 26,9% na população brasileira, com maior frequência em mulheres acima dos 60 anos, em sedentários e em pessoas de baixo nível sócio econômico e cultural. A constipação9 intestinal tem uma clara relação com a redução da qualidade de vida.

2. Forma das fezes

As fezes podem assumir diferentes formas: (1) pequenas bolinhas, similares às fezes de carneiros; (2) em “tubos” semelhantes a salsichas, lisa e suave, grumosas ou com ranhuras na sua superfície; (3) pedaços moles, com margens bem definidas, facilmente evacuadas; (4) pedaços fofos, aerados, com margens irregulares, esfarrapadas, geralmente flutuantes; e (5) completamente líquidas.

3. Consistência das fezes

As fezes alteradas podem variar de extremamente endurecidas a inteiramente liquefeitas, passando pela consistência pastosa normal e semilíquidas. Fezes anormalmente endurecidas ocorrem nas constipações intestinais e se devem a uma maior absorção de água, devido à maior demora do trânsito intestinal. Fezes liquefeitas são próprias das diarreias e ocorrem em situações de má absorção, síndrome10 do intestino irritável, gastroenterites ou estresse.

4. Cor das fezes

A cor das fezes normais é um castanho amarronzado, podendo variar de um escuro intenso (“cor de borra de café”) a uma descoloração que as torna pálidas, passando por uma coloração escura mais leve. O primeiro caso ocorre em sangramentos digestivos altos e a cor das fezes é determinada pela digestão13 do sangue3 (melena14). As fezes empalidecidas podem dever seu clareamento, por exemplo, à ausência de bile15 nos sucos digestivos, em razão de obstrução dos ductos biliares16. Fezes escurecidas, sem, contudo, chegarem a “borras de café”, podem dever-se a sangramentos mais baixos no trato intestinal.

5. Odor

As fezes normais têm odor característico, embora variável para cada indivíduo. Elas podem se tornar excessivamente malcheirosas em casos de infecções17 intestinais, especialmente se associadas à diarreia8.

6. Presença de substâncias orgânicas

As fezes podem vir misturadas a muco, sangue3, pus5 e/ou gordura4. Essas condições denunciam inflamações18, infecções17 ou tumores intestinais. A presença de substâncias orgânicas pode conferir às fezes diversas consistências e formas. Chama-se disenteria à diarreia8 sanguinolenta19, com sangue3 visível e muco, e apresentação de febre20. Deve ser feita uma adequada avaliação da sua magnitude, principalmente no que se refere ao estado de hidratação do paciente e à presença de febre20, vômito21 e/ou sangue3 ou muco nas fezes. Fezes amarelas e de aspecto gorduroso (esteatorreia6) ocorrem na pancreatite22 crônica. A presença de sangue3 rútilo sugere a presença de tumor23 intestinal baixo.

7. Presença de substâncias estranhas

Objetos ou partículas não digeríveis que tenham sido deglutidos podem reaparecer nas fezes em sua forma original. Isso frequentemente acontece com sementes ou com pequenos objetos não digeríveis, como plástico, metal, etc. Nas diarreias, alimentos que normalmente são digeríveis, podem reaparecer no seu estado original, devido à maior velocidade do trânsito digestivo. A própria água presente na diarreia8 é uma consequência da insuficiente absorção dela, seja em virtude da maior velocidade do trânsito intestinal ou de inflamações18 das mucosas24 intestinais.

Vejam também sobre "Sangue3 nas fezes", "Fecaloma" e "Melena14 e Hematêmese25".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da Sociedade Brasileira de Proctologia e da World Gastroenterology Organisation.

ABCMED, 2020. Tipos de alterações das fezes. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1368483/tipos-de-alteracoes-das-fezes.htm>. Acesso em: 21 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
5 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
6 Esteatorreia: Presença excessiva de gordura nas fezes, o que torna as fezes brilhantes.
7 Incontinência fecal: É a perda do controle das evacuações. Pode ocorrer por um curto período durante episódios de diarréia ou quando fezes endurecidas ficam alojadas no reto (impactação fecal). Os indivíduos com lesões anais ou medulares, prolapso retal (protrusão do revestimento do reto através do ânus), demência, lesão neurológica causada pelo diabetes, tumores do ânus ou lesões pélvicas ocorridas durante o parto podem desenvolver uma incontinência fecal persistente.
8 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
9 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
10 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
11 Pélvico: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
12 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
13 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
14 Melena: Eliminação de fezes de coloração negra, alcatroada. Relaciona-se com a presença de sangue proveniente da porção superior do tubo digestivo (esôfago, estômago e duodeno). Necessita de uma avaliação urgente, pois representa um quadro grave.
15 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
16 Ductos Biliares: Canais que coletam e transportam a secreção biliar dos CANALÍCULOS BILIARES (o menor ramo do TRATO BILIAR no FÍGADO), através dos pequenos ductos biliares, ductos biliares (externos ao fígado) e para a VESÍCULA BILIAR (para armazenamento).
17 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
18 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
19 Sanguinolenta: 1. Em que há grande derramamento de sangue; sangrenta. 2. Tinto ou misturado com sangue. 3. Que se compraz em ver ou derramar sangue; sanguinária.
20 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
21 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
22 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
23 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
24 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
25 Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.