Gostou do artigo? Compartilhe!

Entendendo a encoprese

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é encoprese?

Chama-se encoprese à evacuação repetida de fezes, involuntariamente, mas ocasionalmente intencional, em locais ou momentos inadequados, em indivíduos com mais de quatro anos de idade, sempre que essa evacuação não seja devida aos efeitos de laxantes1 ou a uma enfermidade geral. A encoprese pode ser "primária", na qual o indivíduo nunca estabeleceu uma continência fecal, desde o nascimento, ou "secundária", quando a perturbação se desenvolve após um período em que a continência fecal foi estabelecida.

Quais são as causas da encoprese?

A evacuação involuntária2 frequentemente está relacionada com a retenção prévia de fezes por motivos psicológicos. A primeira obstipação3 pode desenvolver-se graças à ansiedade acerca de defecar em determinado local inapropriado, levando a evitar a defecação. A retenção fisiológica4 pode ser devida à desidratação5, hipotireoidismo6 ou ser efeito colateral7 de medicamentos. O treinamento inadequado e inconsistente da evacuação e o estresse psicossocial como, por exemplo, ingresso na escola ou nascimento de um irmão, podem agir como fatores predisponentes.

Quais são os principais sinais8 e sintomas9 da encoprese?

A encoprese ocorre mais frequentemente em crianças do sexo masculino, porém pode ocorrer também em meninas e em adultos e quase sempre está associada à prévia constipação10, impactação e retenção das fezes. Em geral, a criança com encoprese tem autoestima baixa, sente vergonha de sua situação e tem desejo de evitá-la. Quase sempre a encoprese implica em certo grau de ostracismo social da criança e raiva11, punição e rejeição por parte dos responsáveis por ela. Por isso, quando evacua involuntariamente, a criança pode tentar limpar ou esconder suas fezes. Em alguns indivíduos a consistência das fezes pode ser normal ou próxima ao normal, mas em outros as fezes podem ser líquidas. As crianças com encoprese apresentam traços de personalidade comuns a todas elas, como dificuldade de barrar comportamentos agressivos, dependências e dificuldade em tolerar as frustrações. Muitas crianças com encoprese sofrem também de enurese12 (xixi na cama).

Como o médico diagnostica a encoprese?

Não se diagnostica como encoprese a emissão involuntária2 de fezes até que a criança tenha atingido uma idade cronológica de no mínimo quatro anos de idade física ou mental. Diante de uma condição médica geral, só se deve falar em encoprese se ela envolve também constipação10. A incontinência fecal13 simples, relacionada a outras patologias gerais, não indica esse diagnóstico14.

Como o médico trata a encoprese?

Quando há uma enfermidade ou condição patológica de base, ela deve ser tratada. Nos casos de encoprese causada por problemas emocionais, o tratamento deve ser realizado com o conjunto criança-família, visando reduzir as tensões.

Como prevenir a encoprese?

A educação da criança quanto a seu regime de exoneração15 das fezes deve ser conduzida com naturalidade, sem colocar ênfase especial sobre a função.

Como evolui a encoprese?

A encoprese pode sofrer exacerbações intermitentes16 por anos, mas raramente se torna crônica.

Quais são as complicações possíveis da encoprese?

A obstipação3 que precede a encoprese pode se complicar com uma fissura17 anal, defecação dolorosa e retenção adicional de fezes.

ABCMED, 2015. Entendendo a encoprese. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/796019/entendendo+a+encoprese.htm>. Acesso em: 11 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
2 Involuntária: 1.    Que se realiza sem intervenção da vontade ou que foge ao controle desta, automática, inconsciente, espontânea. 2.    Que se encontra em uma dada situação sem o desejar, forçada, obrigada.
3 Obstipação: Prisão de ventre ou constipação rebelde.
4 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
5 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
6 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
7 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
8 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
11 Raiva: 1. Doença infecciosa freqüentemente mortal, transmitida ao homem através da mordida de animais domésticos e selvagens infectados e que produz uma paralisia progressiva juntamente com um aumento de sensibilidade perante estímulos visuais ou sonoros mínimos. 2. Fúria, ódio.
12 Enurese: Definida como a perda involuntária de urina. Ocorre quando a pressão dentro da bexiga excede aquela que se verifica dentro da uretra, ou seja, há um aumento considerável da pressão para urinar dentro da bexiga, isso ocorre durante a fase de enchimento do ciclo de micção. Pode também ser designada de “incontinência urinária“. E ocorre com certa frequência à noite, principalmente entre os idosos.
13 Incontinência fecal: É a perda do controle das evacuações. Pode ocorrer por um curto período durante episódios de diarréia ou quando fezes endurecidas ficam alojadas no reto (impactação fecal). Os indivíduos com lesões anais ou medulares, prolapso retal (protrusão do revestimento do reto através do ânus), demência, lesão neurológica causada pelo diabetes, tumores do ânus ou lesões pélvicas ocorridas durante o parto podem desenvolver uma incontinência fecal persistente.
14 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
15 Exoneração: 1. Ato ou efeito de exonerar(-se). 2. Dispensa de emprego ou trabalho; demissão. 3. Cumprimento de um encargo, de um compromisso.
16 Intermitentes: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
17 Fissura: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

16/07/2015 - Comentário feito por Fernanda
Eu sofri e sofro muito com a encoprese, o que m...
Eu sofri e sofro muito com a encoprese, o que me impede de ter uma vida normal, pois todo mundo rir de mim e tem muito preconceito por quem sofre dessa doença, sou muito tímida, ansiosa, depressiva, com baixa alto estima e tenho 15 anos de idade.

  • Entrar
  • Assinar