Gostou do artigo? Compartilhe!

Concussão cerebral - conceito, causas, características clínicas, diagnóstico, tratamento e evolução

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é concussão cerebral1?

A concussão cerebral1, também conhecida como lesão2 cerebral traumática leve, é definida como um trauma (forte abalo) na cabeça3, sem fratura4 óssea, que afeta temporariamente o funcionamento do cérebro5, com repercussões físicas e emocionais.

Quais são as causas da concussão cerebral1?

A concussão cerebral1 pode ocorrer a partir de um golpe direto na cabeça3 ou em outras partes do corpo que são transmitidas para a cabeça3. Situações comuns em que isso pode ocorrer incluem colisões de veículos automotores, quedas, lesões6 esportivas, acidentes de bicicleta e outras. O consumo de álcool tanto é um importante fator de risco7 quanto contribui para agravar as consequências de uma concussão cerebral1.

Qual é o mecanismo fisiológico8 da concussão cerebral1?

Num forte golpe sobre a cabeça3, o cérebro5 choca-se com violência contra as paredes ósseas internas da caixa craniana, e mesmo não causando lesões6 anatômicas ostensivas, o choque9 perturba o funcionamento do cérebro5. Isso resulta em disfunção neuronal reversível, pois há aumento transitório das necessidades de glicose10 e suprimento insuficiente de sangue11, embora algumas células12 possam morrer após a lesão2.

Esses eventos consistem em comprometimento da neurotransmissão, perda de regulação dos íons13, desregulação do uso de energia e do metabolismo14 celular e uma redução no fluxo sanguíneo cerebral, embora essa redução não seja tão severa quanto na isquemia15. A gravidade desses danos aumenta com o número cumulativo de concussões sofridas e pode levar a uma variedade de problemas de saúde16.

Quais são as características clínicas da concussão cerebral1?

Os adultos jovens são afetados em maior proporção que as demais pessoas. Os sintomas17 podem incluir aspectos físicos e psíquicos. Os primeiros compreendem dores de cabeça3, tontura18, vômitos19, náuseas20, falta de coordenação motora e dificuldade de equilíbrio. Os sintomas17 visuais incluem sensibilidade à luz, visão21 de luzes brilhantes, visão21 turva e visão21 dupla. Zumbido nos ouvidos também é comumente relatado. Em cada uma de cerca de setenta concussões ocorrem convulsões.

Os sintomas17 emocionais são problemas de raciocínio, memória ou concentração, distúrbios do sono e alterações de humor. Alguns desses sintomas17 podem começar imediatamente (quase sempre), enquanto outros podem aparecer dias após a lesão2 e, em geral, podem durar até quatro semanas. Concussões repetidas podem levar à encefalopatia22 traumática crônica, doença de Parkinson23 ou depressão.

Os sintomas17 cognitivos24 incluem confusão mental, desorientação e dificuldade em focar a atenção. Pode ocorrer perda da consciência, não necessariamente relacionada à gravidade da concussão. A amnésia25 pós-traumática é uma marca registrada das concussões. A confusão mental pode estar presente imediatamente ou pode se desenvolver ao longo de vários minutos. Uma pessoa pode repetir as mesmas perguntas, tornar-se lenta, ter um olhar vago ou ter uma fala arrastada e incoerente. Outros sintomas17 cognitivos24 incluem ainda dificuldade de raciocínio, de concentração e de realização de atividades cotidianas.

Saiba mais sobre "Diplopia26 ou visão21 dupla", "Zumbido nos ouvidos", "Convulsões" e "Náuseas20 e vômitos19".

Como o médico diagnostica a concussão cerebral1?

De início, devem ser descartados os efeitos de traumatismos cranianos mais graves. Isso inclui um agravamento progressivo dos sintomas17. A tomografia computadorizada27 ou a ressonância magnética28 do cérebro5 devem ser evitadas, a menos que haja sintomas17 neurológicos progressivos, achados neurológicos focais ou preocupação com fratura4 craniana. A maioria das concussões sem complicação não pode ser detectada com ressonância magnética28 ou tomografia computadorizada27. A lesão2 leve na cabeça3 pode ou não produzir leituras anormais de eletroencefalograma29.

O diagnóstico30 de concussão cerebral1 é baseado fundamentalmente nos achados do exame físico e neurológico, duração da inconsciência31 (geralmente menos de 30 minutos) e amnésia25. Existem testes neuropsicológicos para medir a função cognitiva32.

Como o médico trata a concussão cerebral1?

O tratamento envolve repouso físico e cognitivo33 por um dia ou dois com retorno gradual às atividades. Analgésicos34 e anti-inflamatórios podem ser usados conforme a conveniência. A fisioterapia35 pode ser útil para problemas persistentes de equilíbrio, enquanto a terapia cognitivo33-comportamental pode ser útil para mudanças de humor.

O repouso físico e cognitivo33 deve ser continuado até que todos os sintomas17 tenham se resolvido, com a maioria (80% - 90%) das concussões sendo resolvidas em sete a dez dias. O descanso cognitivo33 inclui redução de atividades que exigem concentração e atenção, como trabalho escolar, videogames e mensagens de texto. Tem sido sugerido que mesmo a leitura recreativa pode piorar os sintomas17 em crianças e adolescentes.

Como evolui a concussão cerebral1?

A concussão cerebral1 tem uma taxa de mortalidade36 de quase zero. Os sintomas17 da maioria das concussões desaparecem dentro de algumas semanas, mas os problemas podem persistir por um tempo maior, sendo raramente permanentes. As pessoas com mais de 55 anos podem demorar mais tempo a se recuperar ou ter uma recuperação incompleta.

Leia sobre "Fisioterapia35", "Perda de memória" e "Traumatismos cranianos".

 

ABCMED, 2018. Concussão cerebral - conceito, causas, características clínicas, diagnóstico, tratamento e evolução. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1320083/concussao-cerebral-conceito-causas-caracteristicas-clinicas-diagnostico-tratamento-e-evolucao.htm>. Acesso em: 14 nov. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Concussão cerebral: Perda imediata da consciência no momento de um trauma, mas recuperável em 24 horas ou menos e sem seqüelas. Acompanha-se de amnésia retrógrada e pós-traumática, isto é, o paciente não se recorda do trauma, dos momentos que o antecederam, nem de eventos imediatamente posteriores. Hoje a tendência é considerar a concussão como resultante de um grau leve de lesão axonal difusa.
2 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
3 Cabeça:
4 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
7 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
8 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
9 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
10 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Íons: Átomos ou grupos atômicos eletricamente carregados.
14 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
15 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
19 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
20 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
21 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
22 Encefalopatia: Qualquer patologia do encéfalo. O encéfalo é um conjunto que engloba o tronco cerebral, o cerebelo e o cérebro.
23 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
24 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
25 Amnésia: Perda parcial ou total da memória.
26 Diplopia: Visão dupla.
27 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
28 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
29 Eletroencefalograma: Registro da atividade elétrica cerebral mediante a utilização de eletrodos cutâneos que recebem e amplificam os potenciais gerados em cada região encefálica.
30 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
31 Inconsciência: Distúrbio no estado de alerta, no qual existe uma incapacidade de reconhecer e reagir perante estímulos externos. Pode apresentar-se em tumores, infecções e infartos do sistema nervoso central, assim como também em intoxicações por substâncias endógenas ou exógenas.
32 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
33 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
34 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
35 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
36 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.