Gostou do artigo? Compartilhe!

Infarto mesentérico - como ele é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o mesentério1?

O mesentério1 é uma prega membranosa em forma de leque que liga o intestino à parede abdominal2, permitindo sua mobilidade peristáltica fisiológica3, mas impedindo o deslocamento patológico do intestino.

Muito recentemente (2017), o mesentério1, que antes era tido apenas como um ligamento4 do aparelho digestivo5, foi reconhecido como um órgão único e contínuo, com funções próprias. Extremamente vascularizado, o mesentério1 ajuda a transferir ao organismo os nutrientes absorvidos pelo intestino. Ele também contém, além de vasos sanguíneos6, nervos e gânglios linfáticos7.

O que é infarto8 mesentérico9?

O infarto8 mesentérico9 é a obstrução causada por um trombo10 ou um êmbolo11 arterial que bloqueiam a circulação12, levando a uma isquemia13 mesentérica14. Há três troncos arteriais responsáveis por levar sangue15 oxigenado ao mesentério1: (1) tronco celíaco, (2) artéria16 mesentérica14 superior e (3) artéria mesentérica inferior17.

Raramente, a oclusão de uma única dessas artérias18 causa sintomas19 de isquemia13, já que elas estão conectadas entre si por numerosas anastomoses20 capazes de garantir, supletivamente, o fluxo sanguíneo de que o mesentério1 necessita.

Há necessidade, quase sempre, de que pelo menos duas das três artérias18 digestivas estejam obstruídas, implicando uma diminuição de mais de 50% do fluxo sanguíneo destinado ao território intestinal, para que os sintomas19 se iniciem.

Veja sobre "Apendicite21", "Dor abdominal", "Abdome agudo22" e "Colelitíase23".

Quais são as causas do infarto8 mesentérico9?

A isquemia13 mesentérica14 aguda é devida ao embolismo24 causado por valvulopatia25 mitral e/ou aórtica ou fibrilação atrial. Pacientes que apresentem um baixo fluxo circulatório por outros motivos e/ou hipercoagulabilidade26 também podem sofrer isquemia13 mesentérica14 aguda por trombose27 arterial.

A isquemia13 mesentérica14 crônica (angina28 intestinal) geralmente é causada pela diminuição do fluxo sanguíneo devido à aterosclerose29 dos vasos mesentéricos30.

A colite31 isquêmica é resultante do baixo fluxo sanguíneo no mesentério1, decorrente de hipotensão32, desidratação33, hipercoagulabilidade26 e/ou vasculite34.

Quais são as principais características clínicas do infarto8 mesentérico9?

Há três tipos de doenças isquêmicas intestinais: (1) isquemia13 mesentérica14 crônica, (2) isquemia13 mesentérica14 aguda e (3) colite31 isquêmica. A isquemia13 mesentérica14 aguda é sempre um quadro clínico de urgência35, que exige tratamento imediato e, em grande parte, pode ser fatal. Esses pacientes apresentam dor periumbilical súbita, náuseas36, vômitos37, sensibilidade abdominal difusa à palpação38, leucocitose39 e íleo adinâmico40.

Achados clínicos típicos da isquemia13 mesentérica14 crônica (angina28 intestinal) são dor abdominal pós-prandial, medo de se alimentar e grande perda de peso.

A colite31 isquêmica gera dor abdominal, diarreia41, sangramento intestinal e inflamação42 no ângulo esplênico43 do cólon44 que é o local mais comum de isquemia13 do cólon44. Um sintoma45 típico é o estreitamento da luz intestinal com ulceração46 em área claramente demarcada.

Saiba mais sobre "Leucocitose39", "Íleo adinâmico40", "Diarreia41" e "Melena47 e Hematêmese48".

Como o médico diagnostica o infarto8 mesentérico9?

A isquemia13 mesentérica14 constitui um verdadeiro desafio diagnóstico49, sobretudo na forma aguda que exige um reconhecimento rápido. Em geral, a tríade (1) dor abdominal pós-prandial, (2) perda de peso e (3) aversão à comida levanta um alto grau de suspeição quanto a esse diagnóstico49.

Apesar do avanço dos métodos semióticos e do conhecimento da sua fisiopatologia50, o diagnóstico49 da isquemia13 intestinal permanece eminentemente51 clínico. A isquemia13 mesentérica14 aguda, além de ser um quadro clínico de abdômen agudo52 pode ter o diagnóstico49 confirmado por uma angiografia53 de urgência35. O diagnóstico49 da isquemia13 mesentérica14 crônica pode ser sugerido por ultrassonografia54 doppler ou angiografia53 mesentérica14. No caso de colite31 mesentérica14, a endoscopia55 mostrará uma escassez de vasos, ulcerações56 aftoides e áreas de inflamação42, fortemente demarcadas.

O diagnóstico49 diferencial deve ser feito com megacólon57 tóxico, que é uma complicação grave da retocolite ulcerativa.

Como o médico trata o infarto8 mesentérico9?

O sucesso no tratamento depende, em grande parte, do diagnóstico49 precoce e da intervenção urgente. A isquemia13 mesentérica14 aguda demanda uma trombólise58 ou cirurgia imediata. Mesmo assim, tem um alto índice de mortalidade59. O tratamento da isquemia13 mesentérica14 crônica consiste na revascularização cirúrgica ou angioplastia60. O tratamento de colite31 isquêmica consiste em hidratação e administração de antibióticos. Um pequeno número de pacientes necessitará de ressecção do segmento intestinal afetado.

Leia sobre "Megacólon57", "Colite31 ulcerativa", "Bridas intestinais", "Aneurisma61 de aorta abdominal62" e "Intussuscepção intestinal".

 

ABCMED, 2017. Infarto mesentérico - como ele é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1301653/infarto-mesenterico-como-ele-e.htm>. Acesso em: 12 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Mesentério: Camada do peritônio que liga as vísceras abdominais à PAREDE ABDOMINAL e transporta seus vasos sangüíneos e nervos.
2 Parede Abdominal: Margem externa do ABDOME que se estende da cavidade torácica osteocartilaginosa até a PELVE. Embora sua maior parte seja muscular, a parede abdominal consiste em pelo menos sete camadas Músculos Abdominais;
3 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
4 Ligamento: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
5 Aparelho digestivo: O aparelho digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
6 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
7 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
8 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
9 Mesentérico: Relativo ao mesentério, ou seja, na anatomia geral o mesentério é uma dobra do peritônio que une o intestino delgado à parede posterior do abdome.
10 Trombo: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
11 Êmbolo: 1. Cilindro ou disco que se move em vaivém no interior de seringas, bombas, etc. 2. Na engenharia mecânica, é um cilindro metálico deslizante que recebe um movimento de vaivém no interior de um cilindro de motor de combustão interna. 3. Em artes gráficas, é uma haste de ferro com um cilindro, articulada para comprimir e lançar o chumbo ao molde. 4. Em patologia, é um coágulo ou outro tampão trazido pela corrente sanguínea a partir de um vaso distante, que obstrui a circulação ao ser forçado contra um vaso menor. 5. Na anatomia zoológica, nas aranhas, é um prolongamento delgado no ápice do aparelho copulador masculino.
12 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
13 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
14 Mesentérica: Relativo ao mesentério, ou seja, na anatomia geral o mesentério é uma dobra do peritônio que une o intestino delgado à parede posterior do abdome.
15 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
16 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
17 Artéria Mesentérica Inferior: Artéria que irriga em suas proximidades todo o lado esquerdo do colo transverso, todo o colo descendente, o colo sigmóide e grande parte do reto. É menor que a artéria mesentérica superior (ARTÉRIA MESENTÉRICA SUPERIOR) e nasce da aorta acima de sua bifurcação em artérias ílicas comums.
18 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Anastomoses: 1. Na anatomia geral, é a comunicação natural direta ou indireta entre dois vasos sanguíneos, entre dois canais da mesma natureza, entre dois nervos ou entre duas fibras musculares. 2. Na anatomia botânica, é a união total ou parcial de duas estruturas como vasos, ramos, raízes. 3. Formação cirúrgica de uma passagem entre duas estruturas tubulares ou ocas ou também é a junção ou ligação patológica entre dois espaços ou órgãos normalmente separados.
21 Apendicite: Inflamação do apêndice cecal. Manifesta-se por abdome agudo, e requer tratamento cirúrgico. Sua complicação mais freqüente é a peritonite aguda.
22 Abdome agudo: Dor abdominal, em geral de início súbito, progressiva que costuma associar-se a doenças de resolução cirúrgica. Necessita de avaliação médica urgente. Algumas causas de abdome agudo são apendicite, colecistite, pancreatite, etc.
23 Colelitíase: Formação de cálculos no interior da vesícula biliar.
24 Embolismo: É o mesmo que embolia, mas é um termo menos usado. Significa obstrução de um vaso, frequentemente uma artéria, pela migração de um corpo estranho (chamado de êmbolo) levado pela corrente sanguínea.
25 Valvulopatia: Doença adquirida ou congênita de uma válvula cardíaca. A alteração resultante pode ser manifestada por uma diminuição da abertura da mesma (estenose), pela incapacidade de fechamento da mesma (insuficiência) ou por uma combinação dos dois tipos de defeitos.
26 Hipercoagulabilidade: Aumento da velocidade de coagulação do sangue.
27 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
28 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
29 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
30 Mesentéricos: Relativo ao mesentério, ou seja, na anatomia geral o mesentério é uma dobra do peritônio que une o intestino delgado à parede posterior do abdome.
31 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
32 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
33 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
34 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
35 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
36 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
37 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
38 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
39 Leucocitose: É o aumento no número de glóbulos brancos (leucócitos) no sangue, geralmente maior que 8.000 por mm³. Ocorre em diferentes patologias como em resposta a infecções ou processos inflamatórios. Entretanto, também pode ser o resultado de uma reação normal em certas condições como a gravidez, a menstruação e o exercício muscular.
40 Íleo adinâmico: O íleo adinâmico, também denominado íleo paralítico, reflexo, por inibição ou pós-operatório, é definido como uma atonia reflexa gastrintestinal, onde o conteúdo não é propelido através do lúmen, devido à parada da atividade peristáltica, sem uma causa mecânica. É distúrbio comum do pós-operatório podendo-se afirmar que ocorre após toda cirurgia abdominal, como resposta “fisiológica“ à intervenção, variando somente sua intensidade, afetando todo o aparelho digestivo ou parte dele.
41 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
42 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
43 Esplênico: Relativo ao baço.
44 Cólon:
45 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
46 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
47 Melena: Eliminação de fezes de coloração negra, alcatroada. Relaciona-se com a presença de sangue proveniente da porção superior do tubo digestivo (esôfago, estômago e duodeno). Necessita de uma avaliação urgente, pois representa um quadro grave.
48 Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
49 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
50 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
51 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
52 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
53 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
54 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
55 Endoscopia: Método no qual se visualiza o interior de órgãos e cavidades corporais por meio de um instrumento óptico iluminado.
56 Ulcerações: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
57 Megacólon: Dilatação anormal do intestino grosso, produzida por defeitos congênitos (megacólon congênito ou doença de Hischprung) ou adquiridos (megacólon tóxico, hipotireoidismo, doença de Chagas, etc.) Associa-se à constipação persistente e episódios de obstrução intestinal.
58 Trombólise: Nome dado ao processo usado para dissolver um coágulo que existe na corrente sanguínea.
59 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
60 Angioplastia: Método invasivo mediante o qual se produz a dilatação dos vasos sangüíneos arteriais afetados por um processo aterosclerótico ou trombótico.
61 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
62 Aorta Abdominal: Porção da aorta que tem início no DIAFRAGMA e termina na bifurcação em artérias ílicas comuns direita e esquerda.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.