Gostou do artigo? Compartilhe!

Você tem ínguas ou linfadenopatias? O que elas são e o que representam?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a linfa1?

A linfa1 é um fluido transparente, produzido quando o sangue2 atravessa os vasos capilares3 e vaza para os tecidos do corpo. Os poros dos capilares3 permitem a passagem do plasma sanguíneo4 contendo oxigênio, proteínas5, glicose6 e glóbulos brancos, mas não deixam passar os glóbulos vermelhos. Esta é a razão pela qual a linfa1 é incolor e não rutilante como o sangue2.

Ela é transportada pelos vasos linfáticos, em sentido unidirecional, e filtrada nos gânglios linfáticos7 (também conhecidos como linfonodos8 ou nódulos linfáticos), após o que é lançada de volta no sangue2, desembocando nas grandes veias9 torácicas.

Esse líquido que sai dos capilares3 sanguíneos se dispersa pelo espaço intercelular10, sendo recolhido pelos capilares3 linfáticos e daí passam para os vasos linfáticos mais grossos, os quais convergem para condutos que se esvaziam nas veias9 subclávias. Este fluido é responsável pela eliminação de impurezas que as células11 produzem durante seu metabolismo12 e, assim, faz parte do sistema de defesa do organismo.

Embora possa não parecer, a linfa1 é mais abundante no corpo humano13 do que o sangue2.

O que são gânglios linfáticos7

Os gânglios linfáticos7 são pequenas estruturas nodulares, do tamanho de um grão de feijão e de forma semelhante a uma pera, intercaladas na cadeia de vasos linfáticos que tem as funções primordiais de filtrar regionalmente as impurezas trazidas pela circulação linfática14 e produzir anticorpos15.

Os principais gânglios linfáticos7 localizam-se no pescoço16, atrás da orelha17, axilas, tórax18, abdômen e virilhas, embora haja também gânglios linfáticos7 localizados profundamente no interior do tórax18, do abdômen e no pescoço16. Em conjunto com o baço19, as amígdalas20 e as adenoides, os gânglios linfáticos7 fazem parte do sistema imunológico21.

O que são linfadenopatias?

Linfadenopatias são quaisquer condições patológicas que afetam os gânglios linfáticos7, modificando o seu tamanho e/ou a sua consistência, bem como a sua sensibilidade à dor.

Leia sobre "Pernas inchadas", "Linfedema ou elefantíase", "Linfoma22", "Leucemias" e "Edema23 ou inchaço24".

Quais são as causas da linfadenopatia?

A etiologia25 das adenopatias26 é múltipla. O diagnóstico27 é orientado de acordo com a sua topografia, extensão e caracteres clínicos. Em crianças, que são continuamente expostas a novos antígenos28, o aumento moderado no tamanho dos gânglios linfáticos7 pode ser considerado normal.

Quando estão combatendo infecções29, os gânglios linfáticos7 podem se mostrar inchados, inflamados e dolorosos, constituindo aquilo que os leigos chamam de íngua. Eles podem, também, começar desordenadamente a produzir células11 diferentes das que lhes são próprias, gerando o câncer30 linfático31 ou linfoma22.

As adenopatias26 podem indicar a existência de hemopatia aguda ou crônica, benigna ou maligna. Outra causa de aumento de tamanho dos gânglios linfáticos7 é a presença de metástases32 cancerosas. Linfonodos8 inchados também podem ser causados por doenças, como a artrite reumatoide33, por exemplo, e também pelo uso de alguns medicamentos ou por certas vacinas.

Qual é a ação fisiológica34 dos gânglios linfáticos7?

Os gânglios linfáticos7 são órgãos de defesa localizados no trajeto dos vasos linfáticos. Eles filtram a linfa1, podendo reter, destruir ou retardar a proliferação de microrganismos, como bactérias, vírus35 ou protozoários36 e de células11 cancerígenas. Nas infecções29 agudas, as alterações ganglionares são reversíveis, na medida em que a infecção37 seja controlada. Nos casos de infecções29 crônicas, pode haver um processo de fibrosamento dos gânglios38 que os mantêm aumentados de forma permanente. Nos casos de cânceres, os gânglios38 que recebem a drenagem39 da região afetada são normalmente examinados para saber se as células11 cancerosas já se espalharam ou não pelo organismo.

Quais são as principais características clínicas da linfadenopatia?

Quase sempre as linfadenopatias se expressam por aumentos de volume dos gânglios linfáticos7, que se tornam dolorosos ou não. A linfadenopatia pode ser (1) regional (cervical, inguinal, axilar) ou (2) generalizada, quando os linfonodos8 aumentam de tamanho devido a uma doença ou condição disseminada.

A linfadenopatia cervical é causada por condições que afetam a face40 ou a orofaringe41. As infecções29 que mais comumente causam linfadenopatia cervical incluem abscessos42 dentários, infecções29 do ouvido e amigdalites.

A linfadenopatia inguinal normalmente têm como causa pequenas infecções29 nos membros inferiores, doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e câncer30.

A linfadenopatia axilar pode ser causada por afecções43 nas mãos44, braços ou tórax18. O câncer30 avançado de mama45 é uma causa frequente de linfadenopatia axilar.

Saiba mais sobre "Otites46", "Amigdalites", "DSTs", "Prevenção do câncer30" e "Câncer30 de Mama45".

Já as linfadenopatias generalizadas podem ser causadas por condições sistêmicas como tuberculose47 miliar, infecção37 por HIV48, linfomas, medicamentos, mononucleose infecciosa49, citomegalovírus50, sífilis51, brucelose, leptospirose, lúpus52 eritematoso53 sistêmico54 e eczemas55.

Como o médico diagnostica a linfadenopatia?

As adenopatias26 são diagnosticadas através do emprego de biópsia56 e de técnicas radiológicas especiais, como a linfografia. Os gânglios38 superficiais tornam-se mais evidentes quando aumentam de volume e podem ser detectados à palpação57.

Como o médico trata a linfadenopatia?

O tratamento é sempre baseado na causa da linfadenopatia, mas também depende de sua localização e tamanho, de estar localizada ou generalizada, da idade do paciente, dentre outros fatores. Muitas vezes ela é resolvida com medicamentos, mas em casos mais graves podem ser necessários radioterapia58, quimioterapia59 ou algum tipo de procedimento cirúrgico.

Como evolui a linfadenopatia?

A evolução dos casos depende de diversos fatores, mas o diagnóstico27 precoce e o tratamento correto podem mudar a história de um paciente.

Em muitos casos, a linfadenopatia pode ser fisiológica34 e regredir espontaneamente, mas em outras situações ela pode ser causada, por exemplo, por tumores malignos que necessitam de tratamento e acompanhamento por longo prazo. 

Leia sobre "Tuberculose47", "HIV48", "Mononucleose60", "Sífilis51", "Brucelose", "Leptospirose", "Lúpus52" e "Eczema61".

 

ABCMED, 2017. Você tem ínguas ou linfadenopatias? O que elas são e o que representam?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1298698/voce-tem-inguas-ou-linfadenopatias-o-que-elas-sao-e-o-que-representam.htm>. Acesso em: 26 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Linfa: 1. Pode referir-se à água, especialmente a límpida, no uso formal. 2. Líquido orgânico originado do sangue, composto de proteínas e lipídios, que circula nos vasos linfáticos e transporta glóbulos brancos, especialmente os linfócitos T. 3. Qualquer humor aquoso.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
4 Plasma Sanguíneo: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
5 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
6 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
7 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
8 Linfonodos: Gânglios ou nodos linfáticos.
9 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
10 Espaço Intercelular: Espaço intersticial entre células, preenchido pelo líquido intersticial, bem como, por substâncias amorfas e fibrosas. Para os organismos com uma PAREDE CELULAR, o espaço extracelular, abrange tudo externo à MEMBRANA CELULAR incluindo o PERIPLASMA e a parede celular.
11 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
12 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
13 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
14 Circulação linfática:
15 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
16 Pescoço:
17 Orelha: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
18 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
19 Baço:
20 Amígdalas: Designação comum a vários agregados de tecido linfoide, especialmente o que se situa à entrada da garganta; tonsila.
21 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
22 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
23 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
24 Inchaço: Inchação, edema.
25 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
26 Adenopatias: Aumento anormal dos gânglios linfáticos. Pode ser acompanhado de dor, aumento da consistência, aderência a planos profundos, etc. É frequente em diversas situações, como infecções, inflamações, neoplasias, etc.
27 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
28 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
29 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
30 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
31 Linfático: 1. Na histologia, é relativo à linfa, que contém ou que conduz linfa. 2. No sentido figurado, por extensão de sentido, a que falta vida, vigor, energia (diz-se de indivíduo); apático. 3. Na história da medicina, na classificação hipocrática dos quatro temperamentos de acordo com o humor dominante, que ou aquele que, pela lividez das carnes, flacidez dos músculos, apatia e debilidade demonstradas no comportamento, atesta a predominância de linfa.
32 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
33 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
34 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
35 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
36 Protozoários: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
37 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
38 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
39 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
40 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
41 Orofaringe: Parte mediana da faringe, entre a boca e a rinofaringe.
42 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
43 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
44 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
45 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
46 Otites: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
47 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
48 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
49 Mononucleose infecciosa: Doença de progressão benigna, muito comum, causada pela infecção pelo vírus Epstein-Barr e transmitida pelo contato com saliva contaminada. Seus sintomas incluem: mal-estar, dor de cabeça, febre, dor de garganta, ínguas principalmente no pescoço, inflamação do fígado. Acomete mais freqüentemente adolescentes e adultos jovens.
50 Citomegalovírus: Citomegalovírus (CMV) é um vírus pertence à família do herpesvírus, a mesma dos vírus da catapora, herpes simples, herpes genital e do herpes zóster.
51 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
52 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
53 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
54 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
55 Eczemas: Afecções alérgicas da pele, elas podem ser agudas ou crônicas, caracterizadas por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
56 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
57 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
58 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
59 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
60 Mononucleose: Doença de progressão benigna, muito comum, causada pela infecção pelo vírus Epstein-Barr e transmitida pelo contato com saliva contaminada. Seus sintomas incluem: mal-estar, dor de cabeça, febre, dor de garganta, ínguas principalmente no pescoço, inflamação do fígado. Acomete mais freqüentemente adolescentes e adultos jovens.
61 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.